FlatOut!
Image default
Car Culture

Riva 32 Ferrari: se a Testarossa fosse uma lancha, ela seria assim

Na década de 1980, se você quisesse comprar um superesportivo que deixasse claro o tamanho de sua conta bancária, a Ferrari Testarossa poderia muito bem ser sua primeira opção. Ela era o topo de linha da fabricante, movida por um motor flat-12 de 4,9 litros e 395 cv famosa por seu visual espalhafatoso. Com quase dois metros de largura e as características “guelras” nas entradas de ar laterais, ela era a cara daquela época de ostentação que foram os anos 80. E foi produzida até 1992, sendo substituída pela Ferrari 512TR – que, na prática, era uma versão atualizada da Testarossa.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Agora, se por acaso você fosse do tipo que gosta de lanchas e quisesse uma para combinar com sua Testarossa… só teria de esperar alguns anos. Pois, no fim dos anos 80, a renomada fabricante de lanchas Riva se juntou à Ferrari para desenvolver uma lancha inspirada pela Testarossa: a Riva 32 Ferrari. E não se trata de um tributo – ela era oficial, feita com a autorização do próprio Enzo Ferrari.

A Riva é uma fabricante de barcos fundada em 1842 por Pietro Riva. A história da companhia é bem interessante: às margens do Lago de Iseo, no norte da Itália, uma tempestade fortíssima destruiu boa parte dos barcos e balsas dos pescadores locais. Pietro Riva, então, conseguiu ganhar um bom dinheiro consertando-os. Com isto o negócio prosperou e, ao longo dos anos, a Riva migrou gradualmente para a fabricação de iates, lanchas e barcos de corrida. No fim da Segunda Guerra Mundial, o filho de Pietro, Carlo Riva, percebeu que o futuro estava nas embarcações de alto luxo – e foi com elas que a Riva construiu sua reputação, que perdura até hoje. Mas vamos à Riva 32 Ferrari.

Não foi a primeira vez que a Riva fabricou uma lancha esportiva inspirada em um superesportivo italiano: em 1968, Ferruccio Lamborghini comprou uma Riva Aquarama movida por dois motores V12 iguais aos do Lamborghini 350GT – gran turismo que foi o primeiro modelo produzido em série (ainda que limitada) pela companhia de Sant’Agata Bolognese.

A maior diferença era que a Riva 32 Ferrari não era um especial criado exclusivamente para o fundador da Ferrari, e sim uma série limitada criada para capitalizar o sucesso da marca do cavallino rampante – era, na prática, como um produto licenciado.

Mas não qualquer produto licenciado – na verdade, a Riva 32 foi um dos primeiros projetos de qualquer tipo a se valer, em seu desenvolvimento, dos recém-adquiridos equipamentos eletrônicos que a Ferrari começou usar para projetar seus carros usando o software CAD. Os engenheiros de Maranello e os artesãos da Riva uniram forças em 1988 para, de fato, imaginar como seria uma lancha esportiva com a identidade visual da Testarossa.

O resultado foi uma lancha de 9,92 metros de comprimento (ou 32,5 pés, sendo esta a razão para seu nome) com casco de fibra de vidro e dois motores. Mas, diferentemente da Aquarama de Ferruccio Lamborghini, que aproveitava os motores dos carros da marca, a Riva 32 Ferrari tinha dois motores BPM Vulcano 400, criados especificamente para uso marítimo.

Cada um deles deslocava oito litros (mais precisamente, 7.982 cm³) e era alimentado por quatro carburadores Weber. Bloco e cabeçotes eram de alumínio, a fim de evitar a corrosão pela água salgada, e a potência de cada um era de 390 cv – ou seja, eram 780 cv no total. Os motores eram ligados à hélice traseira através de uma transmissão BorgWarner. O conjunto era suficiente para que a lancha de 3.800 kg  fosse capaz de chegar aos 54 nós, o equivalente a 100 km/h. Sobre a água, isto é muito rápido.

O casco da Riva 32 Ferrari era onde ficavam as maiores referências à Ferrari Testarossa. Assim como o superarro, a lancha abusava das linhas retas e tinha entradas de ar nas laterais – e elas também serviam para admitir ar frio ao compartimento dos motores. Havia, também, uma enorme asa de fibra de carbono instalada em um santo-antônio pintado de preto – esta, assumidamente inspirada pelas Ferrari de Fórmula 1 da época.

O piloto do barco e o carona iam sentados em bancos do tipo concha, mas também era possível rebater os assentos para navegar em pé. Havia um defletor aerodinâmico fumê, e o painel trazia instrumentos fabricados pela VDO e pela própria Riva. Atrás do cockpit, ficava uma espaçosa cabine com cama de casal, diversos compartimentos de carga e um banheiro marítimo selado.

Foram feitos, no total, 37 exemplares da Riva 32 Ferrari foram fabricados na virada da década de 1990. O exemplar que aparece nas fotos é o de nº 28, e foi leiloado pela RM Sotheby’s em janeiro de 2018 durante um evento nos Estados Unidos. A lancha foi arrematada por US$ 69.000 – o equivalente a R$ 257.000 em conversão direta. Bem mais em conta do que qualquer Testarossa, diga-se.

 

 

 

Matérias relacionadas

Este Porsche 911 venceu nos ralis, correu em Le Mans, pode ser usado nas ruas e está à venda

Dalmo Hernandes

Porsche 911 ST “Hippie”: a história do 911 mais leve já feito

Dalmo Hernandes

BMW M3 GTR E46: este foi o primeiro M3 com motor V8 já feito – e é o mais raro de todos

Dalmo Hernandes