A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Cinema Zero a 300

Roger Moore: o James Bond que usou os carros mais legais – até um MP Lafer!

Costuma-se dizer que os bons morrem jovens, mas isto está longe de ser uma regra. Roger Moore, o ator que interpretou Bond, James Bond, em sete filmes entre 1973 e 1985. Ele já era um ator experiente quando substituiu Sean Connery, que havia ameaçado deixar a franquia em 1966, mas só o fez de fato em 1971, e acabou se tornando um dos 007 favoritos dos fãs – ainda que seus filmes tivessem uma atmosfera mais leve, meio caricata. Além disso, Roger Moore foi o James Bond que dirigiu alguns dos automóveis mais legais de todos os filmes.

Enquanto Sean Connery fazia história com “007 e o Satânico Dr. No” (Dr. No, 1962), primeiro filme da série, Roger Moore estreava no seriado britânico “O Santo” (The Saint), um criminoso que roubava dos ricos para… ficar com tudo o que roubava. Era um anti-herói de humor ácido, sarcástico e refinado, que curtia a boa vida quando não estava aplicando seus golpes e lutando contra outros criminosos. Os fãs de Simon Templar, o Santo, sempre acreditavam que Moore seria perfeito para o papel de James Bond – e isto acabou acontecendo em 1972.

Moore conseguiu conquistar o público ao trazer leveza ao papel. Os filmes estrelados por ele traziam um espião playboy que sempre tinha um truque na manga quando necessário, sem muito drama e com um grande repertório de frases bem sacadas. Embora fosse um Bond bem diferente daquele imaginado por Ian Fleming, criador do Agente 007, o espião de Roger Moore durou 12 anos, fazendo dele o ator que passou mais tempo com o personagem. E também foi o mais velho a interpretá-lo: tinha 45 anos em “007: Viva e Deixe Morrer” (Live and Let Die, 1973) e 58 anos em “007: Na Mira dos Assassinos” (A View to a Kill, 1985).

Roger Moore nasceu em 14 de outubro de 1927 e morreu hoje, aos 89 anos, depois de uma “curta, porém valente batalha contra o câncer”. Ele foi mais lembrado por seus 12 anos como 007, mas depois ficou conhecido também por seu trabalho filantrópico e por sua associação à Unicef. Para homenagear Roger Moore, vamos elencar aqui os carros mais legais que ele dirigiu como James Bond!

 

Corvorado – “Com 007 Viva e Deixe Morrer” (007: Live and Let Die, 1973)

i017906

Os produtores do oitavo filme de James Bond queriam que Sean Connery voltasse para viver o agente uma última vez, mas o ator foi irredutível. Moore aceitou o papel, e em seu primeiro filme, 007 foi até os Estados Unidos para rastrear o ditador caribenho Dr. Kananga, que estava vivendo no bairro do Harlem, em Nova York, disfarçado de chefe de um cartel de drogas. Vale lembrar que a música tema do filme, “Live and Let Die”, foi composta por Paul McCartney e sua esposa Linda, e gravada por sua banda, os Wings.

Uma das cenas mais marcantes do filme envolve James Bond ao volante de um AEC Regent R/T. Talvez você não esteja ligando o nome ao veículo, mas certamente já viu um destes em algum lugar: trata-se de um dos famosos ônibus de dois andares londrinos. No entanto, o carro mais marcante do filme é um verdadeiro monstro de Frankenstein: O Corvorado.

Seu nome é a mistura de Chevrolet Corvette e Cadillac Eldorado, e por uma boa razão: trata-se de um chassi de Corvette com a carroceria de um Cadillac Eldorado. O carro foi construído por Les Dunham, da Dunham Coachworks, especialmente para o filme de James Bond.

 

AMC Hornet X – “007 contra o Homem com a Pistola de Ouro” (The Man with the Golden Gun, 1974)

tmwtgghornetstunt5ls9.1840

No segundo filme de Roger Moore como James Bond, o espião tem como antagonista Francisco Scaramanga (Christopher Lee), um assassino de aluguel que cobra um milhão de dólares por cada execução, e ainda precisa encontrar um agitador solar capaz de canalizar e utilizar a energia do sol em grande escala.

O AMC Hornet era um compacto relativamente pacato, mas sua versão X, disponível para o ano modelo de 1971, era um carro relativamente esperto – só ficava abaixo do Hornet SC360, versão cupê com um V8 de 360 pol³ (5,9 litros) e 250 cv. De qualquer forma, o carro usado aqui é só um detalhe: o que impressiona mesmo é a manobra feita por James Bond: o carro salta por uma rampa sobre um lago e dá um giro de 270° sobre seu próprio eixo. Ainda que o resultado seja meio cômico, devido ao efeito sonoro usado no momento do salto, a manobra foi a primeira do tipo realizada no cinema.

 

Lotus Esprit – “007: o Espião que me Amava” (The Spy who Loved Me, 1977)

i002363

Um dos filmes mais bem recebidos da era Roger Moore, “007: o Espião que me Amava” coloca James Bond contra Karl Stromberg, um vilão megalomaníaco que pretende destruir toda a humanidade e dar início a uma nova civilização debaixo d’água. Isto ajuda a explicar o Lotus Esprit anfíbio usado por Bond, em uma das cenas mais icônicas de toda a franquia. Para escapar de um helicóptero armado até os dentes, Bond se atira no mar com o Esprit (e com a Bond girl Anya Amasova, uma agente da KGB), e o carro imediatamente se converte em um submarino.

Quando isto acontece, a carroceria toda é selada, um periscópio é usado para enxergar o ambiente, e as rodas dão lugar a lemes. O carro também é equipado com um lança-mísseis na traseira, minas, torpedos que saem do para-choque dianteiro e até um jato de tinta preta para, como os polvos, despistar inimigos debaixo d’água. A Lotus cedeu dois carros para os produtores do filme, além de seis carrocerias para possíveis contratempos.

 

MP Lafer – “007 contra o Foguete da Morte” (Moonraker, 1979)

efacd4_bbec99c4c32a4f53a566731fdc95a2d2

“007 contra o Foguete da Morte” foi uma das poucas histórias que Ian Fleming, criador de James Bond, imaginou primeiro como um roteiro de filme, e depois como um romance. Na película, Bond precisa investigar o roubo de um ônibus espacial, e acaba descobrindo que o crime tem ligação com o dono da empresa que fabricou a espaçonave, Hugo Drax.

O plano de Drax é exterminar toda a humanidade através de um gás letal e enviar jovens geneticamente manipulados ao espaço. Os mesmos viveriam nos ônibus espaciais até que a Terra fosse segura para seres humanos novamente, e ajudariam  criar uma “nova raça superior”.

Perseguido por Bond, Drax move toda sua operação para o Rio de Janeiro, no Brasil. E é por isto que James Bond topa com um elegante MP Lafer em “007 contra o Foguete da Morte”, ainda que o mesmo seja o carro de Manuela (Emily Bolton), que trabalha no Brasil para o Serviço de Inteligência Britânico. De qualquer forma, Moore posou para fotos ao lado do Lafer, certamente admirado com a adaptação de uma carroceria inspirada no roadster britânico MG TD sobre o chassi do Fusca.

 

Citroën 2CV: “007: Somente para seus Olhos” (For Your Eyes Only, 1981)

i002024

“007: Somente para seus Olhos” marcou um retorno às origens para James Bond depois de sua incursão pela ficção científica em “007 contra o Foguete da Morte”, trazendo uma história mais plausível e madura. O agente secreto é colocado em busca de um sistema de comando de mísseisque pode ser usado para disparar as armas de todos os submarinos de combate britânicos.

James_Bond_Lotus_Espirit_Turbo_1980_large

Para forçar James Bond a confiar mais em suas habilidades e seus instintos em vez dos gadgets, os produtores de “Somente para seus Olhos” fizeram com que seu Lotus Esprit Turbo explodisse. Assim, o espião é forçado a usar um carro muito, muito mais básico: um Citroën 2CV amarelo, carro que pertence a Melina Havelock, a bond girl da história.

Na cena de perseguição entre o pequeno Citroën e os Peugeot 504 usados pelos capangas de Hector Gonzales, o vilão do filme, foram usados quatro exemplares do Citroën 2CV que, fazendo jus à reputação, passa por poucas e boas, capotando duas vezes (mas ele não era “incapotável?”), passa por uma rampa e cai sobre o teto de um Mercedes-Benz. Os carros passaram por modificações na suspensão para as manobras, e receberam motores mais potentes, de quatro cilindros em vez de dois.

Matérias relacionadas

Audi RS3 terá versão sedã, Ford lança Fiesta Sport no Brasil, Jeremy Clarkson de volta às telas da BBC e mais!

Leonardo Contesini

Conheça os cupês mais legais anunciados no GT40

Dalmo Hernandes

Giocattolo Group B: fibra de carbono, Kevlar e um V8 de 300 cv atrás dos bancos

Dalmo Hernandes