A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

RS Fest – todas as gerações do Porsche 911 RS juntas em um único teste!

Poucos esportivos conservaram tão bem sua essência quanto o Porsche 911. Nestes mais de cinquenta anos de estrada (e pistas), o Nine-Eleven pode até ter mudado bastante, acompanhando os avanços da indústria automotiva, mas sua essência permaneceu a mesma. E isto provavelmente não vai mudar.

O que nos traz ao vídeo de hoje: os caras do Autoblog.nl deram um jeito de reunir vários 911, de todas as gerações, para um mega-teste. Detalhe: os carros representam todas as encarnações (ou seriam “encarrações”?)  do Porsche 911 RS — do Carrera RS original dos anos 1970 ao insano GT3 RS da geração 991.

Não se trata de um comparativo técnico, com tempos de volta e comentários elaboradíssimos a respeito da dinâmica de cada carro. No entanto, são mais de 30 minutos de vídeo e oito carros — sem dúvida, vale a pena, pois os apresentadores Wouter Karssen e Casper Heij acabam nos dando uma boa noção de como é dirigir cada um dos carros de uma forma bastante clara e fácil de entender. Além disso, se já é bacana ouvir o ronco de um flat-6 alemão, imagine então seis deles!

Detalhe: o vídeo é todo falado em holandês, mas tem legendas em inglês que podem ser traduzidas automaticamente para o português. Agora, nos desculpe se você planejava ter uma manhã produtiva…

O Carrera RS foi lançado em 1973, e o objetivo da Porsche com ele era o mesmo que deu ao mundo alguns de seus melhores esportivos: homologar um carro de corrida. A Porsche passou a apostar todas as suas fichas no 911 para manter sua boa imagem nas pistas, visto que o insano 917, que venceu as 24 Horas de Le Mans, não poderia mais competir.

O motor boxer, que no 911 comum era de 2,4 litros, teve o deslocamento ampliado para 2,7 litros e, adotando um sistema de injeção mecânica e pistões revestidos com níquel, entregava 210 cv e 26 mkgf de torque — bastante potência para um carro que pesava 975 kg e tinha 60% deste peso na traseira. O conjunto levava o Carrera RS 2.7 aos 100 km/h em 5,6 segundos, com máxima de impressionantes 243 km/h. Casper Heij diz que é fácil sentir como a dianteira é leve — ela parece querer flutuar mesmo em linha reta, e nas curvas é fácil perder a traseira.

911 (1)

A Porsche não acreditava que seria capaz de vender os 500 carros fabricados por exigência da FIA para que o 911 Carrera RS 2.7 pudesse correr no Campeonato Europeu de Turismo. No entanto, quando o carro foi apresentado, a demanda foi tão grande que a fabricante decidiu ampliar a produção para cerca de 1.590 unidades. Uma vez disponíveis para encomenda, os carros se esgotaram em semanas.

O que nos leva a questionar o motivo de a Porsche ter demorado tanto para dar ao Carrera RS 2.7 um sucessor. Este só veio em 1991 como modelo 1992: o 911 964. Do ponto de vista racer, ele é o mais interessante: de série, vinha sem bancos traseiros, sem vidros elétricos, sem ar-condicionado, nem isolamento acústico ou rádio (ainda que este fosse opcional). Ele também tinha capô de alumínio, rodas de magnésio e vidros mais finos, com exceção do para-brisa.

911 (4)

O resultado era um carro de 1.220 kg (ainda que uma versão com mais itens de conforto e mais pesada, chamada Touring, também estivesse disponível) que, além do baixo peso, se beneficiava de um motor maior, de 3,6 litros e 260 cv. Era capaz de chegar aos 100 km/h em 5,4 segundos, com máxima de 260 km/h. A impressão de Wouter é que o carro ficou mais dócil e fácil de guiar — apesar da idade, ele não tem o mesmo jeitão de “carro antigo” do modelo original. Ao mesmo tempo, trata-se de um RS, com suspensão firme, dianteira leve e personalidade arisca, como deve ser um Porsche clássico.

911 (2)

O 964 Carrera RS teve vida curta — em 1993, a Porsche apresentou a geração seguinte, batizada como 993. O motor maior, de 3,8 litros, entregava 300 cv e era capaz de levar o carro até os 100 km/h em cinco segundos cravados, com máxima de 277 km/h. Sendo o último dos 911 com motor refrigerado a ar, o 993 é um dos mais adorados pelos fãs. No entanto, os apresentadores acreditam que ele tem muito mais potencial — ele é tão equilibrado na pista que é como se pedisse um motor mais potente. Além disso, seu visual está entre os melhores de toda a história do 911.

A partir da geração seguinte, a 996, o Porsche 911 RS ganhou o prefixo GT3. Os carros modernos são mais parecidos entre si, mas há quem diga que o GT3 RS da geração 996 foi o melhor de todos, apesar de seu visual controverso graças aos faróis de Boxster adotados para conter custos. Para começar, a potência deu um salto: o motor de 3,6 litros desenvolve 381 cv, e é capaz de levar o carro (que pesa 1.360 kg) até os 100 km/h em 4,5 segundos, com máxima de 306 km/h.

911 (3)

Curiosidade: o coletor de admissão do tipo Ram-Air na traseira, em teoria, adiciona 15 cv à potência, totalizando 396 cv. No entanto, a Porsche não conseguiu medi-la em dinamômetro, com o carro parado — o ar extra só é admitido para o motor com o carro em movimento.

911 (5)

A geração seguinte, a 997, é representada por três carros. Isto porque o GT3 RS 997 passou por duas atualizações ao longo dos anos. O primeiro modelo, de 2006, conhecido como 997.1, tinha um motor 3.6 de 415 cv com comandos de válvulas variáveis e a capacidade de levar o carro até os 100 km/h em 4,2 segundos. No entanto, seu maior trunfo é a aerodinâmica muito mais eficiente que, auxiliada pela bitola traseira maior (cortesia da carroceria mais larga, emprestada dos 911 de tração integral), garante muito mais estabilidade nas curvas.

911 (6) 911 (7)

Em 2009, o 997.2 GT3 foi apresentado, com um motor de 3,8 litros e 435 cv (que era capaz de levá-lo até os 100 km/h em quatro segundos cravados) e novos componentes aerodinâmicos. Por fim, em 2011, veio o GT3 RS 4.0 que, como diz seu nome, teve o deslocamento ampliado para quatro litros — o maior já usado por um 911 legalizado para as ruas. São 500 cv que levam os 1.360 kg do caro (olha só como ele engordou pouco, considerando a idade e o aumento das dimensões em geral) até os 100 km/h em 3,9 segundos. Nos três casos, a velocidade máxima é de 310 km/h.

911 (8)

O último dos carros, o GT3 RS 991, é quase um bônus. Isto porque até então, o 997 GT3 apresentou uma evolução linear e manteve um espírito old school, com câmbio manual, suspensão firme e traseira arisca. A geração atual, por sua vez, adotou a caixa PDK de dupla embreagem e sete marchas e incorporou um sistema de esterçamento das rodas traseiras (4WS) — tudo para torná-lo ainda mais capaz na pista (demos muito mais detalhes neste post).

No entanto, a impressão que os apresentadores passam no vídeo é a mesma que você já deve ter ouvido muitas vezes por aí: apesar de ser um carro mais eficiente e avançado, o GT3 RS 991 não tem o mesmo envolvimento. No entanto, é um grande carro, e a partir do momento em que você aprende a apreciar o que ele oferece, fica mais fácil admitir que sim, o atual GT3 RS é o ponto alto da linhagem.

No fim das contas, porém, cada um dos apresentadores escolhe seu favorito. Se fosse uma escolha racional, talvez o 991 fosse a opção de ambos. No entanto, são os modelos antigos que despertam mais paixão. Acaba sendo quase óbvio.

Matérias relacionadas

Furious Outlaws: Magnus Walker e Sung Kang trocam de carro em uma estrada nas montanhas

Dalmo Hernandes

Nem Fiesta, nem WRX: o mecânico do Ken Block dirige um Pontiac Trans-Am biturbo, isso sim!

Dalmo Hernandes

900 cv a 9.000 rpm: o novo Mustang de drift Vaughn Gittin Jr. em ação – andando de lado, claro!

Dalmo Hernandes