A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Games Top

Sessão nostalgia: os melhores games de corrida com vista aérea

Nos últimos dez anos os games de corrida deram um salto evolutivo tão grande e se tornaram tão realistas que já é possível comparar seus tempos de volta no jogo com os tempos de volta em circuitos reais com carros de verdade. Na verdade, o negócio ficou sério: a última edição das 24 Horas de Le Mans tinha dois pilotos que iniciaram suas carreiras graças à GT Academy de Gran Turismo.

Mas a até bem pouco tempo atrás, não era preciso muito para divertir os gamers que curtiam velocidade e corridas. Qualquer jogo com algum objeto móvel que parecesse um veículo ao longo de um traçado na tela era suficiente para garantir a diversão da galera durante toda a tarde. E se hoje você pode formar um campo de visão de quase 180 graus usando vários monitores, alguns jogos do passado não precisavam sequer te colocar a bordo do carro.

Eram os games de corrida com ponto de vista elevado, que colocava na tela uma visão panorâmica da pista e todos os carros ao mesmo tempo — bem melhor que dividir a tela de uma TV de 14 polegadas ao meio no modo “2 Player”.

Para matar a saudade desses games, selecionamos 12 deles  — dos mais antigos aos mais modernos. Ligue os circuitos do tempo, ative o capacitor de fluxo e venha com a gente.

 

Rock & Roll Racing – 1993 – Super Nintendo, Mega Drive, Game Boy Advanced

Não é o mais antigo, nem o mais elaborado, mas certamente é o mais famoso deles. Além disso, foi o jogo que ensinou toda uma geração de moleques que rock ‘n’ roll combina com alta velocidade.

Ele consiste em uma batalha entre quatro carros ao longo de quatro voltas em um circuito com obstáculos, e tem como objetivo atacar os adversários com armas além de chegar em primeiro lugar. Tudo isso embalado por versões em 16 bits dos clássicos do rock como “Bad to the Bone”, “Sabotage”, “Highway Star”, “Born to be Wild” e “Radar Love”.

 

Indy 500 – 1977 – Atari

Você sabe: as 500 Milhas de Indianápolis são centenas de voltas ao redor de uma pista oval, e é exatamente isso o que você faz nesse jogo… mas com toda a tecnologia eletrônica de 1977. Hoje pode parecer entediante, mas na época era o que havia. E você aí, reclamando dos roncos de Gran Turismo 6.

 

Triple Action / Car Racing – 1981 – Intellivision

Triple Action tinha esse nome por trazer três modalidades de jogo: “Batalha de Tanques”, “Biplanos” e “Corrida de Carros”. Embora seja provavelmente o jogo de corrida mais lento da história, ele tem um toque realista ao colocar carros na contramão, e foi um dos primeiros a exigir frenagem além da aceleração total, pois era preciso esperar o tempo certo para ultrapassar e desviar de outros carros.

 

Grand Prix – 1982 – Atari

Nos cinco anos que o separam de Indy 500 já é possível ver a evolução do game de corrida graças a uma nova técnica de desenvolvimento que permitia a utilização de objetos com variação de tonalidade de cores. Por isso os carros já não parecem mais borboletas quando fazem a curva, e a impressão de velocidade é realmente alta a ponto de parecer difícil demais desviar dos outros carros.

 

Road Fighter – 1984 – Arcade, MSX, Nintendo

Road Fighter foi lançado inicialmente para arcades, mas é provável que você o tenha conhecido em no MSX (se tiver mais de 30 anos), no Nintendo (se tiver entre 25 e 30) ou em um daqueles consoles chineses com 999.999 jogos em um (se tiver menos de 25 anos).

Ele é o típico jogo de pista rolante como Car Racing e Grand Prix, mas com gráficos mais evoluídos e adversários mais espertos. Outra novidade, além dos gráficos mais modernos, é a necessidade de reabastecimento, feito ao “engolir” o carrinho colorido que aparece em diversos pontos da pista — se você deixasse passar dois, fatalmente acabaria sem gasolina, o que resulta em “Game Over”.

 

Super Sprint – 1986 – Atari, Nintendo

Super Sprint foi um dos primeiros games a ter o circuito inteiro na tela, dispensando a rolagem da pista. No jogo, você dirige contra oponentes controlados pelo computador em corridas de três voltas. Se vencer, avança para o circuito seguinte.

São oito circuitos no total, mas para fechar o jogo é preciso chegar à corrida 85, que destrava o circuito Super Speedway. À medida em que o nível sobe, as pistas vão recebendo mais itens e obstáculos, como poças de óleo e pequenos tornados, que fazem o carro perder o controle caso os atinja. Como em vários games da época, um detalhe divertido é que, se você cair da pista ou bater em um muro em alta velocidade, um helicóptero aparece para te socorrer e colocar de volta no lugar. Imagine que legal seria aqueles guinchos da F1 em Forza Motorsport hoje em dia…

 

Super Off Road – 1989 – PC, Mega Drive, Nintendo/Super Nintendo

Super Off Road era bem parecido com Super Sprint, mas inspirado nas corridas de off-road indoor dos EUA — tanto que era endossado por Ivan “Ironman” Stewart, uma das estrelas da categoria na época. Você podia jogar com até três amigos em oito pistas diferentes, ao longo de 99 corridas. Cada pista era jogada mais de uma vez, e o nível de dificuldade aumentava de acordo com o progresso do jogo por meio de mais obstáculos e adversários mais fortes (um deles era sempre tocado pelo computador).

O objetivo era conseguir o máximo de pontos para continuar no campeonato e ao mesmo tempo ganhar dinheiro para melhorar seu carro ou comprar mais nitro. Quem ganhasse mais dinheiro era o vencedor do jogo.

 

Indy Heat – 1991 – Arcade, Nintendo

Os ratos de fliperamas vão lembrar deste. Ele era jogado em um arcade com três volantes voltados para uma mesma tela e você jogava em pé! Tinha pistas inspiradas nos circuitos reais da CART (que era o nome da Indy na época, lembra?).

Você podia configurar seu carro com fichas a mais e correr contra seus amigos ou contra o video-game em uma temporada de nove etapas que culminava com o circuito de Tradewest, inspirado nas 500 Milhas de Indianápolis. Em 1992, o jogo foi lançado para o Nintendo (o original, não o Super) e já não era mais preciso passar fome no recreio para comprar fichas.

 

Micro Machines – 1991 – Nintendo/Super Nintendo, Mega Drive, Game Boy e PlayStation 2

Imagine se um dia sua coleção de Hot Wheels ganhasse vida própria e começasse a disputar corridas por sua casa. É mais ou menos essa a premissa de Micro Machines. Nele você e seus amigos pilotam carrinhos em miniatura em circuitos feitos ao longo dos cômodos de uma casa. Na cozinha, por exemplo, você precisa desviar de bolachas sobre a mesa, onde fica a pista. No escritório, você tem a pista demarcada por um estranho pó branco e passa por pontes de régua e uma chicane de apontador e borracha.

Apesar de ter sido lançado em 1991, o game ganhou outras quatro versões — a última delas em 2006 para PlayStation 2.

 

Death Rally – 1996 – PC, iOS, Android

Death Rally é mais um jogo de batalhas, ao estilo de Rock & Roll Racing, mas sem o rock ‘n’ roll e com muito mais armas. Você começa o jogo com US$ 495 e um Fusca (na verdade um carro chamado Vagabond, mas bem parecido com o besouro alemão) e precisa enfrentar seus rivais em corridas mortais. Como prêmio pelo cumprimento de missões, você ganha dinheiro para equipar seu carro com mais armas para avançar no jogo até derrotar o rei de Death Rally, Adversary. Em 2006 o jogo ganhou uma versão para Windows e em 2011 foi lançado para dispositivos móveis com iOS e Android.

 

Grand Theft Auto – 1997 – PC e PlayStation

Um dos jogos de maior sucesso da atualidade não nasceu com os gráficos e a jogabilidade atuais. Quando lançado, em 1997, ele revolucionou a forma de jogar os jogos de estratégia pois você podia roubar qualquer carro que passasse por você e tinha liberdade total de andar pelo cenário. O objetivo já era o mesmo: cumprir suas missões no mundo do crime, mas os carros e todo o cenário eram vistos de cima, como se você estivesse no helicóptero da polícia (ironicamente). O segundo game da franquia também usava os gráficos “2D”, e só se tornou 3D em 2001.

 

Embora seja uma lista longa, não seria possível incluir todos os jogos de corrida com perspectiva de visão elevada como estes 11 games. Por isso, como sempre, queremos receber as sugestões de vocês: quais eram (ou são) os melhores jogos de corrida com vista aérea que você mais curte? Quem sabe não rola uma segunda parte dessa lista apenas com as sugestões dos leitores…

Matérias relacionadas

Air is cool: os carros com motor arrefecido a ar que não são Volkswagen nem Porsche

Dalmo Hernandes

Apex Racing League, o game que promete trazer de volta a diversão dos arcades de visão aérea

Dalmo Hernandes

As melhores músicas para acelerar — Parte 1: ROCK

Dalmo Hernandes