A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Shelby GT500 “Little Red”: outro Mustang mais raro do mundo acaba de ser encontrado depois de 50 anos

Você acredita em coincidências ou acha que tudo o que acontece já está escrito e planejado? De um jeito ou de outro, fica difícil não se impressionar com esta história. Há poucos dias contamos aqui a história do “Mustang mais raro do mundo” – um Shelby GT500 conversível, com motor V8 big block 428, fabricado em 1967. É o único exemplar do GT500 conversível feito naquele ano e, como o carro saiu da fábrica da Ford e recebeu um número de série, não dá para chamá-lo de protótipo. O que dá para dizer, porém, é que se trata do Mustang mais raro do planeta. Ou um deles.

Talvez você lembre que o Shelby GT500 conversível foi o último de três exemplares do GT500 feitos e registrados em 1967, recebendo o número de série #0039. O primeiro foi um fastback, registrado como #0100 e o segundo foi um cupê hardtop, com carroceria fechada de três volumes, que recebeu o número #0131.

O paradeiro do conversível nunca foi um segredo, mas só na década de 2000 surgiram provas concretas de que ele era, de fato, um Shelby GT500 conversível fabricado em 1967. O fastback foi comprado por seu atual proprietário, um entusiasta de Denver, Colorado, em 1979, e jamais foi restaurado. O hardtop, apelidado “Little Red” por causa de sua carroceria vermelha, não era visto havia exatos 50 anos.

littleredmustang (1)

No último fim de semana, porém, ele foi apresentado diante de um público boquiaberto no Museu Henry Ford, em Detroit. Isto porque até então o carro era dado como desaparecido, ou pior, destruído – afinal, entusiastas procuraram o carro por anos desde que o mesmo sumiu do mapa no fim dos anos 60, e este era o destino comum de muitos protótipos e mulas de testes naquela época.

Quem encontrou o carro foi Craig Jackson, fundador da agência de leilões Barrett-Jackson, que chamou o carro de “a descoberta de uma vida”. E não é difícil de acreditar.

Jackson já é dono de outro Mustang importantíssimo – outro GT500 hardtop, porém na cor verde, que foi usado por Carroll Shelby como plataforma de testes para diversos itens, como o motor V8 428 Cobra Jet, um sistema experimental de injeção mecânica de combustível, freios a disco nas rodas traseiras e um sistema de suspensão traseira independente. O carro, apelidado Green Hornet foi comprado por Jackson em 2011 e foi durante seu processo de restauração, concluído em 2013, que ele teve a ideia de procurar pelo Little Red. De acordo os registros conhecidos dos Mustang Shelby, o Green Hornet e o Little Red foram os dois primeiros e únicos hardtops a receber o tratamento da Shelby.

Segundo Jackson, a principal dificuldade em encontrar o carro tinha a ver com a metodologia usada. Ao rastrear o número de chassi da Shelby (#0131) só era possível reconstruir a trajetória do carro até o ponto em que, assim como os outros dois carros (o fastback e o conversível) ele foi devolvido à Ford e vendido como um Shelby GT500 usado normal.

Antes disto, porém, o carro recebeu bastante atenção do próprio Carroll Shelby, que realizou diversos experimentos tanto com o Little Red quanto com o Green Hornet. Entre eles, a instalação de um supercharger Paxton, modificações na carroceria usando fibra de vido e, especula-se, até mesmo testes com turbocompressores. Depois disto, o carro recebeu o motor V8 428 Cobra Jet de 355 cv com dois carburadores de corpo quádruplo uma caixa automática C-6, além de revestimento de vinil no teto e interior em couro Connolly preto.

[vimeo id=”285165182″ width=”620″ height=”350″]

Carroll Shelby e o engenheiro-chefe da companhia, Fred Goodell, dirigiram o carro por algum tempo. Em agosto de 1967 o carro foi examinado por Lee Iacocca, que convenceu Carroll Shelby a usá-lo como base para uma edição especial do Mustang GT hardtop chamada California Special, com as mesmas modificações estéticas do GT500, incluindo a nova grade dianteira e as lanternas traseiras maiores, porém com mecânica comum da versão GT. O California Special foi vendido apenas em 1968, com um total de 4.118 unidades fabricadas.

mump_0710_01_z+1968_california_special_gt_cs+front_driver_side_view mump_0710_04_z+1968_california_special_gt_cs+rear_side_view

Mustang GT California Special: inspirado pelo GT500 Little Red

Pouco depois o carro foi enviado de volta para a Ford e vendido através de seu programa de carros usados, o B-Lot.

Só foi possível determinar o que aconteceu depois ao encontrar o número de série do carro junto à Ford, o que permitiu a Jackson encontrar o registro inicial do carro e, eventualmente, o nome de seu último proprietário – um morador de Dallas, no Texas.

Ele comprou o carro no início dos anos 70 e rodou com ele por algum tempo até que, por conta de um vazamento no radiador, teve de deixar o carro parado. A certa altura o motor do carro foi roubado (!) e, frustrado, seu dono deixou o GT500 apodrecendo na fazenda de um conhecido pelos últimos 20 anos.

[vimeo id=”285165182″ width=”620″ height=”350″]

Jackson entrou em contato com o homem em fevereiro de 2018 através das redes sociais e passou alguns dias tentando convencê-lo a mostrar o carro, mas acabou conseguindo agendar uma visita à fazenda no dia 3 março. Jackson foi acompanhado de especialistas em clássicos e munido de toda a documentação que conseguiu reunir para atestar que aquele carro era, de fato, o Little Red.

littleredmustang (5)

Recapitulando: estamos falando de um dos três exemplares do Shelby GT500 que a Ford fez em 1967, sendo o primeiro um fastback, o segundo este hardtop e o terceiro, o conversível sobre o qual falamos alguns dias. Apesar de serem comumente tratados como protótipos, estes carros são exemplares de produção, com números de série e documentação de rua. O Little Red foi o primeiro GT500 hardtop e o Green Hornet, que foi feito em 1968 e também pertence a Craig Jackson, foi o segundo. A Ford, que comprou a Shelby em 1967, não fez outros exemplares do GT500 com carroceria hardtop. É por isto que o Little Red é um carro tão importante.

littleredmustang (3)

Craig Jackson diz que o próximo passo será uma meticulosa restauração, o que deverá ser um processo longo e tortuoso caso o objetivo seja manter o maior nível de originalidade possível – será preciso rastrear o motor que foi roubado, por exemplo, e reconstruir toda a dianteira em fibra de vidro, além do interior. Depois disto o carro será mantido em seu acervo pessoal ao lado do Green Hornet. Apesar de ser o dono e fundador da Barrett-Jackson e de saber que o valor do carro é altíssimo, Craig Jackson já disse que jamais irá vendê-lo.

Matérias relacionadas

Fernando Alonso irá disputar a Indy 500, Jaguar F-Type ganha motor 2.0 turbo de 300 cv, um Corvette 78 com 25 km e mais!

Leonardo Contesini

Carro passa a 250 km/h em radar de SP, Volvo compra a Polestar, a última volta de Clarkson na pista do Top Gear e mais!

Leonardo Contesini

Placas Mercosul adiadas para 2020, Renault Arkana não virá para o Brasil, SSC Tuatara em produção e mais!