A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Zero a 300

Sim, este é um Golf GTI Mk3 impecável à venda

O primeiro encontro que os brasileiros tiveram com o Volkswagen Golf de forma oficial aconteceu em abril de 1994, exatos 24 anos atrás. E a primeira versão a chegar ao mercado foi o Golf GTI de terceira geração, importado do México, onde era produzido para atender aos Estados Unidos. Desde então o Golf cresceu em reputação e hoje é referência entre os hatches médios vendidos no Brasil – incluindo aí os hot hatches. E se você curte a ideia de ter um exemplar da época em que tudo isto começou, é bom dar uma olhada no Golf GTI Mk3 que é nosso Achado meio Perdido de hoje.

O Golf Mk3 chegou ao Brasil boa hora para a Volks. Isto porque, antes dele, a fabricante tinha uma parceria com a Ford para fornecer seus modelos de médio porte – os VW Logus e Pointer, que usavam como base, respectivamente, Ford Verona e o Escort. Só que a parceria, iniciada em 1988, já não ia bem das pernas alguns anos depois, sendo encerrada em 1996. Já antes de seu fim, porém, a Volks foi buscar um novo modelo médio dentro de casa. E este era o Golf.

30118383_2076012049079173_1711818328_n

A versão GTI foi usada como termômetro da aceitação do Golf no Brasil, e em seus primeiros anos conviveu com o Pointer, hatch feito sobre a plataforma do Escort, que ganhou uma versão GTI poucos meses depois, em agosto de 1994. Ambos usavam o motor 2.0 8v da Volkswagen, com algumas diferenças no cabeçote, de fluxo cruzado, e no comprimento das bielas, que no Golf eram mais 15 mm mais longas. A potência de ambos era de 116 cv, mas no Golf ela chegava mais cedo, às 5.200 rpm, enquanto no Pointer o pico acontecia às 5.600 rpm. O motor do Golf também tinha funcionamento mais suave em altas rotações.

Já no início de 1995, aproveitando uma súbita redução nas alíquotas de importação, a Volks decidiu trazer outras versões do Golf para o Brasil: o GL, com motor 1.8 de 92 cv e injeção monoponto, vindo da Alemanha; e o GLX, com o mesmo motor do GTI, porém carroceria de quatro portas e acabamento mais sofisticado, também do México. O GTI continuava em linha, e a Volks jamais tirou o Golf do mercado brasileiro desde então.

29938997_2076013772412334_1930554210_n

O Golf GTI Mk3 foi a última versão naturalmente aspirada do Golf GTI, o que por si só tem seu valor entre os fãs mais old school. Sendo assim, apesar de seu desempenho relativamente mundano e de seu visual mais discreto quando comparado aos GTI anteriores, o Mk3 tornou-se uma forma mais acessível de ter um Golf GTI depois que o Mk4, com seu motor 1.8 turbo de 150 cv, começou a ser vendido por aqui. O que, com o passar dos anos, acabou tornando bem mais difícil a tarefa de encontrar um exemplar íntegro e original – a maioria dos carros está modificada ou mal-cuidada. Ou ambos.

Com isto, o Golf GTI Mk3 1995 anunciado no GT40 é, de fato, uma raridade.

30118441_2076011432412568_767892405_n

30120969_2076011465745898_1448087328_n 29939857_2076012502412461_1741397453_n

De acordo com o responsável pela venda, Mário César Buzian, o carro só teve três donos desde que zero-quilômetro, sendo que o primeiro deles – um senhor já de idade que não dirigia muito – cuidou do Golf por mais de vinte anos.

A pintura é praticamente toda original, exceto por retoques nos dois para-choques para dar jeito em alguns riscos. No mais, as rodas de 14 polegadas e boa parte dos itens de acabamento são os mesmos com os quais o carro saiu da fábrica nos anos 90. As exceções são o farol dianteiro esquerdo, que em 2003 foi danificado em um estacionamento e foi substituído por uma peça da Hella; e o para-brisa, que tinha marcas de palheta e uma pequena trica e foi trocado por um novo.

30020195_2076013829078995_1124856548_n30007333_2076014645745580_1020253587_n 30007485_2076010619079316_1204656965_n

O carro conta com o teto solar opcional, sem infiltrações ou vazamentos, e todo o acabamento interno original e em bom estado. O console central traz um toca-fitas Volksline com código de bloqueio. Os quatro pneus Continental são novos, substituindo os Pirelli P6000 de fábrica por conta da idade. O estepe, contudo, ainda é original.

Mário diz que o carro está revisado e em plena ordem de funcionamento, precisando apenas de um novo dono que mantenha o mesmo nível de cuidado. Se você ficou interessado, já sabe o que fazer: clique aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Chevrolet lança Onix aventureiro por R$ 57.200, Mercedes-AMG planeja hipercarro de 1.300 cv, Lamborghini Aventador terá mais potência e facelift e mais!

Leonardo Contesini

Este Vectra GSi tem tudo para ser seu primeiro sedã esportivo

Dalmo Hernandes

Aventador SVJ vaza antes da hora, BMW pode criar nova Série 9, Mercedes GLC 63 e GLC 63 S Coupé chegam ao Brasil e mais!

Leonardo Contesini