FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

Sim, isto é mesmo um VW Santana com motor V8 Audi e tração 4×4!

Lançado em 1984, o Santana foi o primeiro modelo “de luxo” da marca no Brasil – por mais que o VW Passat já estivesse no mercado havia dez anos, a imagem da Volks ainda estava muito ligada a carros populares e ao motor boxer arrefecido a ar. O Santana mudou a percepção da marca pelo público e ainda foi um projeto muito bem sucedido, passando por duas reestilizações e garantindo sua permanência na linha até 2006. Ainda que tenha terminado seus dias como o favorito dos frotistas por seu projeto arcaico, porém confiável, pode-se dizer sem medo de errar que o Santana foi um grande sucesso do início ao fim de sua passagem pelo Brasil.

O Santana, porém, nada mais era do que a segunda geração do VW Passat com outro nome, algo que muitos ignoravam na época do lançamento. E, embora na Europa ele não tenha tido o mesmo impacto que teve por aqui, os europeus tiveram algumas versões bem interessantes que jamais deram as caras no Brasil. Como o Passat Variant Syncro: uma Quantum que, além de um sistema de tração integral baseado no Quattro da Audi, ainda tinha um motor cinco-cilindros que também era derivado dos carros de Ingolstadt. Parece bom demais para ser verdade, mas era real, como já contamos neste post.

O Passat Syncro foi lançado em 1984. O motor cinco-cilindros, cujo projeto era derivado do VW EA-827 (que também deu origem ao nosso VW AP e nasceu na Audi), podia ter dois litros e 115 cv ou 2,2 litros e 120 cv. Já o sistema Syncro era praticamente o mesmo sistema quattro da Audi, usando três diferenciais – um em cada eixo, e mais um diferencial central, no meio do cardã. Este tinha bloqueio mecânico e, com isto, compensava a diferença de velocidade entre os eixos e, além de impedir a quebra do sistema, proporcionava qualidade de rodagem e tração superiores.

raiox

O sistema usava o arranjo do eixo dianteiro do Audi 80 como base para o eixo traseiro, que recebia um diferencial idêntico. Um terceiro diferencial era instalado no eixo cardã, com bloqueio mecânico, compensava a diferença de velocidade entre os eixos, impedindo a quebra do sistema e proporcionando uma qualidade de rodagem e tração superiores.

Um aspecto importante do sistema Syncro é que ele foi concebido para carros com motor longitudinal. E esta característica certamente ajudou um entusiasta alemão chamado Tobias Herrmann a montar o carro que viemos mostrar a vocês: um Santana com motor V8 Audi e tração integral. O que, considerando o parentesco do Santana com o Audi Quattro, está totalmente dentro da família.

19397014_1577962075561205_6283067524403908798_n

Embora tenhamos dito que o Santana na Alemanha não teve o mesmo impacto que no Brasil, seria um erro afirmar que ele não tem uma dedicada comunidade de fãs europeus. E você se surpreenderia com a quantidade de projetos interessantes feitos com base no Santana alemão. Instalar mecânica Audi cinco-cilindros, incluindo o motor do Audi Quattro de rua, é algo relativamente comum por lá.

40382374_1928010500835783_1605008568182898688_n 35241423_1857404907896343_4893965957908660224_n 33022531_1846378202332347_5083951431065534464_n

Tobias queria algo diferente. Usando como ponto de partida um Passat B2 que encontrou parado, juntando poeira em uma garagem, e que comprou por um valor bem camarada, ele decidiu que utilizaria um V8 period correct, ou seja, fabricado mais ou menos na época em que seu carro: um V8 de 3,6 litros que originalmente equipava o Audi V8.

audi_v8_5 audi_v8_12

O Audi V8 merecia o nome que tinha: produzido entre 1988 e 1993, ele foi o primeiro Audi com motor V8. E também foi o primeiro a juntar o sistema de tração integral Quattro com um câmbio automático. O Audi V8 foi o precursor doA8, que é até hoje o modelo de topo da Audi – o maior, mais potente e mais caro carro da marca. Seu motor V8 deslocava exatamente 3.562 cm³ (diâmetro x curso de 81×86,4 mm), tinha comando duplo nos cabeçotes e taxa de compressão de 10,6:1, e era alimentado por um sistema de injeção eletrônica multiponto. Era o bastante para entregar 250 cv a 5.800 rpm e 34,7 mkgf de torque a 4.000 rpm. Tobias não fez nenhuma alteração no motor e, honestamente, nem precisava: 250 cv em um Santana?

Incrivelmente não foi necessário realizar modificações radicais na estrutura do cofre, bastando a fabricação de suportes sob medida para o V8. Dito isto foi preciso fabricar um novo sistema de escape com coletores que se acomodassem no pequeno espaço entre o bloco e as paredes dos para-lamas, e também um novo radiador.

408414_535981129759310_12470163_n11796422_1033377153353036_5141707214775261794_n 11988484_1050066081684143_5115658227138678960_n 10478547_897688083588611_6671903271102054679_n

A tubulação do escapamento foi feita de forma a passar por baixo do túnel de transmissão, dividindo espaço com o cardã.

11235433_1001401473217271_1748932516012926132_n11150483_1001401493217269_4162039265922196195_n

Além do mais, Tobias levou algum tempo para descobrir que o câmbio correto para o projeto seria o manual de cinco marchas do Audi Quattro, que encaixou-se perfeitamente no motor V8. A ECU é exatamente a mesma com a qual o motor saiu da fábrica da Audi em 1989, e não teve problemas para ser adaptada.

19059445_1567117783312301_640073410498281133_n

O restante do carro segue a cartilha dos Volkswagen modificados não apenas na Europa, mas no resto do mundo: suspensão com amortecedores ajustáveis do tipo coilover, rodas BBS RS 3-piece de 17×8 polegadas e pintura nova em folha, na elegante tonalidade dourada original.

36329287_1964444346912974_5448735643603566592_n

O carro ficou cerca de 110 mm mais baixo com o novo setup, mas isto não anula outra característica bacana do projeto: a discrição. É comum ver exemplares do Santana com suspensão rebaixada, mas só quando o capô está aberto (ou é retirado para fotos) é que se percebe o segredo guardado pelo Santana.

Do lado de dentro a situação se repete: volante, revestimentos internos e todos os detalhes de acabamento são originais. No entanto, como sabemos, um project car raramente é concluído – parte da graça é justamente encontrar novos detalhes para modificar e resolver. Assim, Tobias posta as atualizações sobre o carro em sua página do Facebook.

20293147_1616543828369696_2205334727725798926_n 22196388_1679388895418522_6923447090942625136_n

Há quem chame o carro de sleeper e, de fato, apesar da suspensão rebaixada, nada mais entrega as modificações realizadas. Nos perguntamos se existe alguém disposto a colocar um motor V8 Audi em um Santana brasileiro ou, melhor ainda, que esteja fazendo exatamente isto…

Matérias relacionadas

Os carros mais vendidos em maio, Porsche terá pinturas clássicas em Le Mans, a volta dos Alfa Romeo GTV e 8C e mais!

Leonardo Contesini

King of the Hill: quando a Lotus ajudou a Chevrolet a fazer um dos melhores Corvette de todos

Dalmo Hernandes

As peruas mais bacanas anunciadas no GT40

Dalmo Hernandes