A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

Sim, isto é um Fiat minúsculo com motor V8 Chevrolet de 650 cv

O Fiat 126 foi o substituto do famoso Fiat 500 — era feito sobre a mesma base e dividia boa parte da mecânica, mas nunca vendeu tanto quanto seu icônico antecessor. Dizem que era por causa do visual quadrado, que não despertou tanta simpatia mas, depois de assistir a este vídeo, desconfiamos que a causa pode ser outra: a Fiat não ofereceu nele a opção de um motor V8 americano de 650 cv! Não é óbvio?

Caso você não tenha percebido, estamos brincando — mas o Fiat 126 com motor V8 é totalmente real. Na verdade não é apenas um — a preparadora britânica Taz Racing tem uma mini-frota de pequenos monstrinhos ítalo-poloneses (boa parte dos 126 era fabricada na Polônia), todos equipados com novos motores e famintos por asfalto de dragstrip.

É sério. Saca só este vídeo, filmado durante um evento de arrancada em Santa Pod, no Reino Unido, em 2012:

E daí que faz tempo? O barato são os estímulos audiovisuais conflitantes que ele causa: ver um carro desse tamanho (dois, na verdade) e ouvir este ronco ao mesmo tempo é como ver um gato latindo. Eu pagaria para ver um gato que sabe latir.

A Taz Racing foi fundada pelo britânico Chris Skinner, que leva a oficina como um verdadeiro negócio de família — a equipe de arrancada inclui seus dois filhos, Mark e Lucy Skinner, e cada um dos três pilota seu próprio Fiat 126 — todos eles preparados. O vídeo acima traz os carros de Mark (laranja) e Lucy (azul), enquanto o vídeo abaixo mostra o carro de Chris, o “chefe” da preparadora.

Seu Fiat 126 1974 é dotado de um motor Chevrolet 383 (provavelmente um SBC 350 com curso ampliado, o famoso stroker), posicionado à dianteira (originalmente o 126 tem motor atrás) e foi modificado com bielas e comando Crower, pistões Wiseco e um carburador Holley 750. O resultado é um motor de 500 cv, que ainda ganha mais 150 com injeção de óxido nitroso. Para acomodar o novo motor, o carro recebeu um chassi feito sob medida com gaiola de proteção.

A suspensão usa um eixo rígido Ford 8” na traseira, dotado de diferencial de deslizamento limitado, enquanto a dianteira traz feixes de molas e amortecedores de uso pesado.

 

O carro laranja, um Fiat 126 1980, também tem um Chevy 383 e segue a mesma receita — adicionando cabeçotes Dart Iron Eagle e pistões forjados. A potência também é a mesma: 500 cv normalmente, mais 150 cv usando nitro. Pelas fotos, dá para ver o calibre das modificações. Ambos os carros são capazes de percorrer o quarto-de-milha em 9 segundos — o que, em boa parte, deve-se ao fato de serem basicamente motores com pequenas carrocerias em volta deles.

O carro azul, por outro lado, não tem um V8 Chevy small block na dianteira, e sim um motor de quatro cilindros e 1,6 litro vindo de um Toyota MR2, que também cedeu o sistema de suspensão. Turbinado, o motor 1.6 desenvolve 308 cv  — mais do que o suficiente para conseguir virar o quarto-de-milha em 11,95 segundos e ainda empinar a dianteira enquanto arranca. Sweet!

É deste tipo de heresia que a gente gosta — a Taz Racing ainda tem outros dois Fiat 126 equipados com motores Toyota, mais uma seleção de carros clássicos americanos (como Mustang e Corvette) e britânicos (como o Ford Capri), todos devidamente preparados para detonar da dragstrip. Mas as caixinhas italianas foram os carros que nos conquistaram, nesse caso.

Como você faria algo parecido aqui no Brasil?

 

Matérias relacionadas

É assim que um Porsche de Le Mans deve roncar

Leonardo Contesini

RS Fest – todas as gerações do Porsche 911 RS juntas em um único teste!

Dalmo Hernandes

Porsche 911 Turbo S e 911 GT3 RS se enfrentam na pista: opostos em propostas, performance similar

Dalmo Hernandes