A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Sim, isto parece um Citroën 2CV de entregar pães, mas na verdade é uma Ferrari 355

Ideias insanas são sempre bem-vindas no mundo automotivo. Quando elas dão errado, pelo menos são engraçadas e rendem muita história para contar. Quando acertam a mão, elas resultam em uma grande história e, em um belo projeto. Este é o caso do 2CV Nimik, criado por uma dupla italiana que um dia teve uma equipe de rali e que, atualmente, parece ter apenas uma imobiliária. Sim, tudo nessa história é pra lá de esquisito e, por isso mesmo, divertido.

2CV-Nimik-2

Os amigos Nicolò Lamberti e Milko Dalla Costa, sócios na equipe de rali Nimik (iniciais dos nomes dos dois, ou melhor, do apelido de Milko), trombaram com uma Ferrari F355 acidentada. À venda por um preço interessante, eles não tiveram dúvida: compraram a sucata pensando no que fariam com ela, mas sem muita certeza.

2CV-Nimik-3

Foi quando os dois viram a carroceria de um 2CV Fourgonnette, usado por gerações de padeiros franceses na entrega de seus produtos com seus valentes 12 cv. Ela estava abandonada em uma garagem em Turate, na Lombardia, no norte da Itália. Milko, que é colecionador de carros da Citroën, propôs a orgia mecânica: e se eles colocassem a carroceria da Fourgonnette sobre o chassi da Ferrari? Nicolò topou. Isso em 2004.

2CV-Nimik-4

Detonada, a carroceria da Fourgonnette saiu quase de graça. Não tinha motor, não tinha transmissão nem acabamentos. Além de reparada, ela precisou ser alargada para caber no chassi da F355. Nas laterais, também precisou da adição de duas enormes entradas de ar. Tudo em prol da correta refrigeração do V8 3.5 de 380 cv a 8.250 rpm. O assoalho da Fourgonnete foi removido, dando acesso ao novo motor central traseiro.

2CV-Nimik-5

A dupla gastou 180.000 euros e 1.500 horas de trabalho, equivalentes a uma dedicação de seis meses ininterruptos, trabalhando oito horas por dia, na criação do 2CV Nimik. Foi assim que o modelo passou a ser conhecido desde então, com direito até a emblema. Nicolò e Milko, em entrevistas da época, confessam que o trabalho maior foi de vestir a carapuça de Fourgonnette no chassi de F355, sem promover modificações mecânicas. Só tomando o cuidado de manter a mesma distribuição de peso. O trabalho, de todo modo, foi dividido ao longo dos cinco anos que o projeto levou para ser concluído. O carro pode ser visto em mais detalhes, inclusive rodando, neste vídeo. Curiosamente, o único do canal oficial da Nimik no Facebook.

É ou não é demais ouvir uma Ferrari e ver um 2CV arrepiando na estrada?

Ainda que o interior tenha sido reformado, os comandos, volante e até as rodas do carro são da Ferrari doadora, como se pode observar neste outro vídeo, que tem uma incursão do 2CV Nimik em percurso urbano.

Os bancos usam couro preto e são personalizados, enquanto os painéis das portas usam couro branco.

2CV-Nimik-9

Quando terminaram o carro, em 2009, os sócios diziam que ele havia dado tanto trabalho que eles gostariam de curti-lo, exibindo o carro em eventos e para pessoas que curtem esse tipo de transformação. E que não tinham intenção de vendê-lo a não ser que a proposta fosse muito boa.

2CV-Nimik-7

2CV-Nimik-10 2CV-Nimik-8
Tentamos contato com os caras da Nimik, mas eles ainda não nos deram retorno. Assim que soubermos que fim levou o carro e a equipe de rali, atualizamos o post. Se não tivermos mais notícias deles, pelo menos aproveitamos para tirar nosso chapéu para o Citroën mais insano já feito.

Matérias relacionadas

Nürburgring Nordschleife: o guia definitivo para planejar a sua viagem – atualizado!

Juliano Barata

Dodge Demon: tudo o que já sabemos (e o que não sabemos) sobre o novo muscle car americano

Leonardo Contesini

Lendas do WRC: Focus RS WRC e a volta triunfal da Ford ao topo do Mundial de Rali

Dalmo Hernandes