A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Sinistro mesmo é este Pontiac Firebird com 600 cv e tração 4×4 de Skyline GT-R

Na cena dos muscle cars, os restomods estão entre os projetos mais populares – mantém-se a essência clássica do carro, de forma geral, porém acrescenta-se mecânica mais moderna, toques pessoais na estética e modificações na suspensão e nos freios para trazer a dinâmica para o século 21. Também vemos muitos projetos de restauração completa e fiel, buscando resgatar ao máximo a originalidade do carro – fora, é claro, os survivors, cujo objetivo é literalmente preservar a originalidade do trabalho de fábrica, com todo o charme da pátina. Todas estas escolas têm o seu valor.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

De tempos em tempos, porém, aparece algum entusiasta que (usando um jargão já batido) pensa fora da caixa e parte para algo totalmente inovador. Hoje vamos tratar de um caso assim: Gregg Hamilton – que é o mecânico-chefe da Hoonigan, a equipe do Ken Block – e seu Pontiac Firebird Trans-Am. Fora da caixa, na verdade, é pouco para ele: trata-se de um Trans-Am de segunda geração com motor V8 família LS com compressor mecânico e… tração nas quatro rodas vinda do Nissan GT-R, acompanhados de uma mistura de componentes de ferro-velho e peças feitas sob medida, e temperados com um look à la Mad Max.

Gregg acompanha Ken Block desde 2005 e esteve envolvido em literalmente todos os projetos do piloto – do Impreza WRX à picape Ford Hoonitruck. Ou seja: ele entende algumas coisinhas sobre mecânica e fabricação em metal. Ele já tinha montado um Pontiac Firebird antes, um projeto restomod inspirado no original, porém com alguns elementos pessoais mais modernos e um motor V8 biturbo. No entanto, depois de um tempo, Gregg diz ter enjoado um pouco da rotina de manter um projeto daquele calibre – todo perfeito, sem amassados, riscos ou qualquer tipo de dano. Ele queria algo mais bruto e maléfico, que pudesse carregar e trazer marcas de guerra. Então, passou os últimos dois anos montando este Firebird meio monstro de Frankenstein.

De cara, à primeira vista, o carro parece um Firebird antigo meio judiado, com pintura craquelada e pontos de corrosão aparentes, quase como um rat look. Isto é totalmente proposital, porque Gregg queria um projeto no qual pudesse concentrar-se exclusivamente na mecânica, sem se importar com a aparência. Mas o descuido com o carro é algo calculado, com direito a um spoiler dianteiro feito sob medida, um spoiler traseiro inspirado no original, porém consideravelmente maior, rodas novas (já vamos falar mais sobre elas) e, como um toque final, um emblema GT-R na traseira. Este último tem sua razão de ser.

O V8 LS, de acordo com Gregg, veio de uma picape Chevrolet encontrada em um ferro-velho, e foi todo desmontado e preparado com novos componentes, incluindo cabeçotes de alumínio. O diferencial dianteiro também veio de um ferro-velho, retirado de um Infiniti Q45. Vários componentes, na verdade, vieram de carros diferentes, como o subchassi dianteiro de um Corvette C6 Z06 (que também cedeu os freios) e o diferencial traseiro de um Nissan 300ZX.

 

No entanto, a parte mais impressionante é a transmissão, que usa componentes de Skyline GT-R. Mais precisamente, o câmbio manual de cinco marchas do R32 e o diferencial central do R33, incluindo o sistema eletrônico ATTESA para variar o torque entre os eixos. O módulo de controle foi alojado no porta-malas, onde divide espaço com um dos tanques de combustível (há outros dois onde ficava o banco traseiro), e reprogramado especificamente para o projeto. O sistema do Skyline envia quase todo o torque para as rodas traseiras em condições normais (cerca de 98%), e pode transferir até 50% do torque para o eixo dianteiro conforme o sistema detectar necessidade – considerando o torque seco de V8 supercharged, esta necessidade provavelmente é um estágio quase permanente.

A suspensão usa amortecedores feitos sob medida e um arranjo pushrod na dianteira e na traseira, ficando ancorado em uma estrutura tubular. As bitolas ficaram mais largas, mas Gregg não se preocupou em alargar o lado de fora dos para-lamas. Em vez disto, ele instalou pneus 295 nas quatro rodas, para que eles propositalmente ficassem projetados para fora.

A inspiração de Gregg foi o próprio Mustang Hoonicorn – projeto tocado por ele, que também consistia em um muscle car clássico com motor V8 sobrealimentado. A diferença é que, em vez de dois turbos, Gregg optou por um supercharger Weiand no V8 LSx de 5,3 litros, que também recebeu novas bielas, virabrequim pistões e cabeçotes. A potência estimada é de mais de 600 cv, mas Gregg não pretende passar o carro no dinamômetro. Como já era o caso com o outro Firebird, ele acredita que números não traduzem o verdadeiro intento do projeto.

A intenção era fazer um carro puramente funcional, cru em estética, e sofisticado na mecânica. O lado de dentro reflete bem esta filosofia, fazendo uso de outros componentes reaproveitados – como o painel do Toyota Celica – aliados a uma boa dose de do-it-yourself, por exemplo, o túnel central e o assoalho fabricados sob medida. Os bancos são conchas fixos; os revestimentos de porta são inexistentes, bem como carpete e tapetes; e o único rádio que existe é um PX, usado para comunicação com outros carros da equipe.

O único luxo do carro é um sistema de ar-condicionado da Vintage Air, especializada em sistemas para carros antigos – algo de que Gregg fez questão, pois não há qualquer tipo de isolamento termoacústico e o motor, recuado em 45 cm para melhorar a distribuição de massas, invade o habitáculo e deixa a cabine inabitável no verão.

É um carro funcional, e Gregg o dirige sempre que pode – seja nas ruas ou em track days, onde os emblemas “GT-R” na carroceria sempre causam estranhamento e algumas risadas. Ficamos apenas imaginando o que este carro não deve tracionar nas saídas de curva. Os emblemas foram comprados pela Internet, sequer são autênticos, e quem os vê não imagina que, por baixo de toda aquela pátina, há algo bem mais sofisticado do que sugere a carroceria. Pode não ser um carro perfeito para todo mundo, mas é fruto de um grande conhecimento técnico e, talvez mais importante, do desejo de fazer um carro para si, e não para os outros. O resto é consequência.

Foto: Larry Chen/Hoonigan

 

Matérias relacionadas

Esta incrível coleção de Alfa Romeo foi esquecida em um castelo na Bélgica – e agora será leiloada

Dalmo Hernandes

O lendário Nissan Maxima que engole Porsche na arrancada está à venda

Dalmo Hernandes

As belas Ashley, Courtney e Brittany Force: a arrancada está no sangue

Dalmo Hernandes