A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Super-galeria: o Porsche 959 em detalhes que você nunca viu

Há algumas semanas, quando a Ferrari F40 completou 30 anos, fizemos uma série de posts sobre a donna italiana e um deles tratava de mostrar absolutamente todos os ângulos e detalhes do carro — especialmente aqueles que ninguém nunca vê, como o porta-objetos da dianteira, o teto e os detalhes do bocal do tanque de combustível.

Agora chegou a hora de olhar para a outra ponta do espectro dos supercarros dos anos 1980, o Porsche 959, o carro mais tecnológico de sua época e, por isso mesmo, a antítese da Ferrari F40. E é justamente por causa de toda a sua tecnologia é que este mergulho nos detalhes do 959 será um pouco diferente daquele da F40.

Com uma seleção de fotos de um lado e o manual do proprietário do outro, veremos como cada um destes sistemas é acionado e como ele atua. Também veremos para que serve cada interruptor e botão do carro, e até sua transmissão um pouco diferente do que você imaginava. Prontos?

Porsche_959-7

Como já contamos antes, o Porsche 959 nasceu de um protótipo da marca para o Grupo B, e deveria servir como modelo de homologação, não fosse o cancelamento da categoria pela FIA em 1986. Quando lançado, ele trouxe tecnologias inéditas como suspensão ativa, tração integral e rodas com raios ocos para equalizar a pressão dos pneus. Mas ao mesmo tempo, ele ainda é um carro feito com as técnicas de construção dos anos 1980.

Por isso ele usa o mesmo monobloco do 911, um motor boxer arrefecido a ar (embora seus cabeçotes tivessem arrefecimento líquido a óleo), sistemas eletrônicos analógicos e até faróis de parábola simples e formato padronizado. Tudo isso fica mais claro ao observar sua silhueta…

porsche_959_11

… e também a instalação dos faróis, que, embora embutidos para dar um ar mais moderno, ainda são construídos à moda antiga:

Porsche_959-18

Veja que o aro tem uma pequena curvatura e é afixado por um parafuso exposto. Para trocar a lâmpada queimada, é preciso desmontar tudo como em um 911 clássico (ou em um Fusca!):

Captura de Tela 2017-08-31 às 16.36.10

Aliás, já que mencionamos o ancestral do 959, outra semelhança é a posição do tanque de combustível, que fica encaixado na parte de trás do porta-malas. Veja só a tampa do bocal e o volume ao lado dele:

1987-Porsche-959-Canepa-Gen-III-07

Nesta foto, aliás, é possível ver um indício de uma das características peculiares do 959. Está vendo o acabamento da afixação dos amortecedores dianteiros? Notou que eles são elípticos e alongados? É porque não há apenas um, mas dois amortecedores para cada uma das rodas.

Unknown

A ideia é simples: um deles funciona como um amortecedor convencional. O outro é ativo, e está ligado a um sistema hidráulico que compensa a transferência de carga, eliminando assim as barras estabilizadoras e também permitindo a variação dos modos de amortecimento entre firme e macio (firm e soft), além do ajuste da altura de rodagem.

Tudo isso poderia ser feito automaticamente, de acordo com a velocidade, ou manualmente por meio de dois seletores instalados no console central:

Porsche_959-24

O botão da esquerda, com o amortecedor desenhado, é o seletor de firmeza da suspensão. Na posição “+” ela enrijece os amortecedores e os mantém firmes independentemente da velocidade. Na posição central (normal), a 60 km/h o sistema envia carga máxima para os amortecedores do eixo traseiro e enrijece sutilmente a dianteira, que só recebe a carga máxima em seus amortecedores a partir de 130 km/h.

Na posição “-” os amortecedores ativos não recebem carga alguma até 60 km/h. A partir desta velcoidade os dianteiros recebem a carga média do modo normal, e os traseiros fazem o mesmo a 80 km/h. A 110 km/h os amortecedores dianteiros ficam sutilmente mais firmes.

Captura de Tela 2017-08-31 às 18.09.21

O botão da direita, com o carro desenhado, ajusta manualmente a altura de rodagem da suspensão. Também são três modos: um para piso severo (difficult terrain), outro para piso irregular  (easy terrain) e outro para asfalto (normal). No primeiro, o vão livre é de 18 cm, no segundo é 15 cm e no terceiro 12 cm.

Nos dois ajustes para situações fora das normais, o carro ajusta a altura automaticamente de acordo com a velocidade. No primeiro modo, “difficult”, ao passar de 80 km/h a altura de rodagem é reduzida para 15 cm, e para 12 cm ao passar dos 160 km/h. Ao reduzir a velocidade, a suspensão volta aos 15 cm abaixo de 150 km/h e volta aos 18 cm abaixo de 70 km/h. O mesmo acontece no modo “easy”, porém sem a altura de 18 cm.

ManualpORsche

Talvez você esteja se perguntando porque um supercarro teria um ajuste de altura para terrenos severos, mas lembre-se que o 959 tem sua origem nos carros de rali da Porsche, e que ele até disputou o Rally Paris-Dakar em seu ano de lançamento. E isso nos leva a outro detalhe ali pertinho dos seletores: a alavanca de câmbio.

Você sabe muito bem que o 959 tem seis marchas, não sabe? Então por que cazzo a marcha mais alta é a quinta?

Porsche_959-27-1

Porque ele tem uma “reduzida”. Sim: o 959 é um supercarro com marcha curta para uso off-road. É essa marcha “G”, de gelände (que é o jeito que os alemães falam “off-road”). Se você não coloca o 959 na lama, nem escala paredes com ele, a arrancada deve ser feita na 1ª marcha “dog-leg”.

Tudo isso, claro, porque ele tem um inédito sistema de tração integral, que usava um cardã encapsulado em um tubo para ligar o transeixo a um diferencial dianteiro com uma embreagem hidráulica de pressão variável, o que dispensava um diferencial central.

Porsche 959_ Technical View

A distribuição de torque também podia ser automática ou manual, e programada de quatro modos diferentes: “Traction”, que bloqueava os dois diferenciais; “Ice”, que dividia metade do torque para a dianteira e metade para a traseira; “Wet”, com uma divisão de 40% para a dianteira e 60% para a traseira, aumentando a distribuição para a traseira à medida em que a velocidade aumenta; e por último o modo “Dry”, que é o modo “normal”, com uma divisão de 40% para a dianteira e 60% para a traseira, podendo chegar a 20% para a dianteira e 80% para a traseira de acordo com o aumento da velocidade.

Os modos eram selecionados por uma alavanca no lado direito da coluna de direção e indicados por quatro luzes-espia em um instrumento dedicado unicamente ao sistema de tração integral:

87-Porsche-959-50

O indicador da esquerda mostra o percentual de bloqueio do diferencial traseiro, o indicador da direita mostra quanto de torque está sendo enviado às rodas dianteiras. As luzes-espia indicam, de cima para baixo, traction, ice, wet e dry.

Chegando às rodas, você certamente já notou que todo 959 usa sempre as mesmas rodas. Isso porque elas foram desenvolvidas com os raios ocos, que ajudam a manter a pressão dos pneus equalizada, e também fazem parte do sistema de monitoramento de calibragem.

Calibrage

O sistema usa dois interruptores de pressão instalados em cada roda. Como explica o manual, cada um destes sensores tem uma câmara de ar pressurizado separada por um diafragma do espaço para o ar da roda. Se a pressão da roda é reduzida abaixo do valor de referência, a pressão na câmara do interruptor se altera, o circuito é interrompido e o sinal é enviado para uma ECU, que alerta o motorista por um aviso sonoro e uma luz espia no quadro de instrumentos.

Porsche_959-25

As rodas, também tinham um sistema único de fixação, por um parafuso central. Mas o sistema era um pouco diferente do sistema do 911 GT3, por exemplo. Ele tinha uma capa antifurto com chave e uma ferramenta especial para remover o parafuso de fixação.

A ferramenta especial logicamente acompanhava o belíssimo jogo de ferramentas do 959, que também incluía um manômetro mecânico, fundamental para não enlouquecer o sistema de monitoramento de pressão dos pneus:

E já que acabamos voltando ao porta-malas, é uma boa hora para explicar que o tanque de combustível não exige a abertura do capô como nos antigos Fusca. O capô do 959 tem uma tampa para acesso direto ao tanque:

xl_148_2987

A abertura é feita por uma alavanca escondida acima da saída de ventilação para a porta do motorista:

PorscheCapo

Sendo assim, o que são aquelas portinholas nas laterais do carro?

Porsche_959-14 Porsche_959-10

A portinhola do lado esquerdo, atrás da porta do motorista, guarda o bocal do reservatório e a vareta indicadora de nível do fluido do sistema hidráulico da suspensão. A do lado direito guarda o bocal do reservatório e a vareta indicadora do nível do óleo do motor. Ambos são abertos por estas duas linguetas amarelas no cofre do motor:

Porsche_959-37

O cofre, aliás, é um espetáculo à parte com as coberturas metálicas das caixas de roda e dos intercoolers. Os dois dutos que você vê na foto acima, são alimentados por essa tomada de ar abaixo:

Porsche_959-40

Para ajudar a manter a temperatura baixa e auxiliar a admissão, a tampa do motor tem uma manta térmica e dois ventiladores que ajudam a forçar o ar capturado pela grade para dentro do cofre:

Porsche_959-42

Se você ampliar a foto, também poderá ver a textura formada pelas fibras do compósito utilizado pela Porsche na carroceria do 959.

Ah, a tampa do motor é aberta por uma alavanca alojada em uma cavidade no vão da porta do motorista:

Captura de Tela 2017-08-31 às 20.50.10

Já que abrimos a porta do motorista…

PorscheCapo

… vamos dar uma olhada nos detalhes da cabine. Primeiro no restante do quadro de instrumentos do 959, com o conta-giros no centro (como todo Porsche) e velocímetro à sua direita. Note que o conta-giros tem um manômetro dos turbos:

Porsche_959-29Porsche_959-23

Mais ao lado, o ar-condicionado é tem controles eletro-mecânicos, mas já era automático, como fica claro pelo sensor de temperatura interna e pelo seletor de temperatura:

Porsche_959-34

E mais ao lado, o rádio original Blaupunkt Bremen:

1988-Porsche-959-Komfort-dashboard

Agora voltando a atenção para o lado da cabine que quase ninguém olha, podemos ver os “bancos” traseiros do 959, aqui na versão Komfort, com revestimento de couro de quatro tons:

Porsche_959-36

E os bancos dianteiros:

Por último, uma olhada na dianteira, onde você conseguirá com algum esforço notar o radiador de óleo na grade central do para-choque: o 959 ainda era aircooled, mas só os cilindros. Os cabeçotes eram arrefecidos pelo lubrificante.

Porsche_959-12

E para encerrar, a obra por inteiro em seu habitat natural:

Porsche_959-1

Matérias relacionadas

Domínio dos SUV: a contradição sobre rodas dos “utilitários esportivos”

Leonardo Contesini

O guia das versões especiais do BMW M3 (e agora do M4) – Parte 5: a quinta geração (F80/F82/F83)

Leonardo Contesini

Idlers Games: a maior celebração da cultura automotiva japonesa nas pistas

Dalmo Hernandes