A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Tonga e Scamp: os Corsa aventureiros que nunca chegaram às ruas

Como mencionamos recentemente, em 2019 completaram-se 25 anos do lançamento do Chevrolet Corsa no Brasil, em 1994. O simpático hatchback trouxe um bem vindo sopro de modernidade ao segmento – o Fiat Uno, que no lançamento sido referência, já tinha dez anos de idade e deixava isto claro no design “quadrado” e na mecânica – as versões mais baratas ainda usavam carburador. O Corsa tinha um desenho bem mais moderno, arredondado, e apostava na injeção eletrônica desde a versão de entrada.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Com isto, não tardou a fazer sucesso: já em 1995, o Corsa foi o terceiro carro mais vendido do Brasil, com pouco mais de 150.000 exemplares emplacados. O Uno ficava em segundo lugar, com cerca de 248.000 unidades, e o líder era o Gol, com quase 250.000 carros vendidos.

A Chevrolet estava empolgada com a boa aceitação do Corsa e, por isto, desenvolveu a partir dele um conceito especialmente para a edição de 1995 do Brasil Motor Show evento automotivo bianual que foi realizado até 1999 como complemento ao Salão do Automóvel (o Brasil Motor Show rolava nos anos ímpares, enquanto o Salão é realizado nos anos pares).

O nome soava engraçado: Corsa Tonga. A inspiração era o Reino de Tonga, um arquipélago que fica na Oceania e faz parte da Polinésia. Algumas ilhas de Tonga têm origem vulcânica e, por isso, o solo é acidentado e cheio de elevações íngremes – terreno ideal para um veículo off-road. E era esta a ideia.

O Corsa Tonga tinha suspensão elevada, pneus garrudos (que calçavam rodas Binno B802, que viriam a se tornar populares entre os donos de Corsa). A carroceria azul recebia novos para-choques, saias laterais e molduras nos para-lamas, todos mais robustos do que no Corsa normal, e pintados de verde – cor que também era vista no rack de teto. Os faróis eram especiais, com duas parábolas separadas, e as lanternas traziam apliques plásticos que lembravam aqueles acessórios muito comuns na época.

 

Outra modificação realizada no carro foi a instalação de um enorme teto panorâmico, que ia do topo do para-brisa até o vigia traseiro – não muito diferente do que se vê no Fiat 500 Cabriolet.

A customização no interior era mais leve: os bancos originais davam lugar a bancos feitos sob medida, usando uma estrutura tubular com revestimento roxo, combinando com as portas; e havia alguns botões amarelos no painel. Além disso, o volante era o mesmo do Chevrolet Corsa GSi, o que levanta suspeitas de que o motor seja o mesmo 1.6 16v da versão esportiva, embora isto jamais tenha sido confirmado.

O conceito fez sucesso entre o público e a imprensa – tanto que, no ano seguinte, a Opel pegou o carro “emprestado” para exibição nos Salões europeus antes de aposentá-lo.

A Chevrolet brincou novamente com a ideia de criar um Corsa off-road em 1998, apresentando o conceito Tonga 2 no Salão do Automóvel daquele ano. A receita era parecida, mas a carroceria escolhida foi a perua, que recebeu pintura amarela com detalhes pretos. No ano seguinte, quem colocou no mercado uma perua aventureira foi a Fiat – a Palio Adventure foi lançada em 1999 e tornou-se um grande sucesso, sendo vendida até hoje.

Um detalhe interessante é que, em 1993, antes mesmo do Corsa Tonga, a Opel já havia criado algo parecido, apresentado no Salão de Frankfurt: o conceito Opel Scamp, que também era feito sobre a carroceria de duas portas, e também tinha a suspensão elevada.

Contudo, a porção superior traseira foi cortada pra transformar o carro em uma picape compacta – com direito a bancos dobráveis na caçamba. Como já dissemos, o Scamp até pode ter sido a inspiração dos brasileiros na hora de criar a picape do Corsa, que foi desenvolvida aqui.

Em 1994, foi a vez do conceito Scamp II, desta vez feito sobre o Corsa de quatro portas – com customizações muito parecidas com o que se veria no Corsa Tonga no ano seguinte, ainda que com cores mais discretas.

A ideia de um Corsa aventureiro jamais foi adiante – o que, em retrospecto, parece até uma oportunidade perdida, considerando o sucesso que este tipo de carro faz até hoje.

Matérias relacionadas

Splinter, o supercarro de madeira com um V8 de sete litros e 600 cv

Dalmo Hernandes

Blackbird: um chassi de realidade virtual que permite filmar qualquer carro sem usar o próprio carro

Dalmo Hernandes

A maior coleção de Hot Wheels do planeta parece ter saído dos nossos sonhos de infância – e vale mais de R$ 6 milhões!

Dalmo Hernandes