Edição diária: 17/06/2019
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Um Hyundai Veloster de 500 cv, Peugeot 308 de cara nova, Audi A3 e Mini Countryman agora são nacionais e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Um Hyundai Veloster de 500 cv para o SEMA

Hyundai-Veloster-Turbo-SEMA

Daqui a menos de um mês começa o maior Salão de carros customizados do planeta, o SEMA Show. Preparadoras e customizadoras de todo o mundo (e até alguns fabricantes) levam seus conceitos a Las Vegas para mostrar as novas tendências e possibilidades no campo da preparação e personalização. E uma das primeiras a mostrar sua atração no SEMA é a Blood Type Racing, que levará um Veloster Turbo R-Spec com nada menos que 500 cv extraídos de seu motor 1.6 turbo.

Para conseguir quase 300 cv de potência extra, os caras da BRT reforçaram o miolo do motor com componentes forjados, instalaram um novo turbo Garrett  e reprogramaram a ECU. No campo estético o carro recebeu um kit widebody e apêndices aerodinâmicos de fibra de carbono, além da pintura preto e carmesim (aquele tom de vermelho de fantasias de vampiro) e novos farois com projetores vermelhos, batizados “demon eyes”. Por dentro, o Veloster e Furioster agora tem bancos concha, gaiola de proteção e cintos de quatro pontos — além de um sistema de áudio Rockford Fosgate.

 

Peugeot 308 reestilizado chegará em novembro

Pug308caranova308

Em junho você viu aqui no Zero a 300 as primeiras imagens do Peugeot 308 com o facelift que o deixou mais parecido (ou menos diferente?) do 308 europeu. Agora, quatro meses depois, a marca já marcou a apresentação do modelo à imprensa, evento que acontece nos dias 28 e 29 de outubro.

As novidades são a dianteira redesenhada, com a nova identidade visual da marca, e leves retoques na traseira. Por dentro, há novos detalhes de acabamento e um sistema multimídia compatível com Apple CarPlay e Android Auto. Sob o capô, estão os mesmos motores 1.6 flex de 122 cv, 2.0 flex de 151 cv e 1.6 THP turbo, de 165 cv.

Pug308caranova3082

 

O câmbio automático também receberá duas novas programações: o botão Push Eco para uma condução mais econômica e o botão Sport, que faz o câmbio trabalhar com rotações mais elevadas. Já o câmbio manual agora tem uma shift light (batizada GSI pela Peugeot) para indicar o momento ideal para trocas de marcha (provavelmente visando economia).

Quem esperava a nova geração do 308, aquela à venda na Europa, precisará esperar ainda mais: a disparada do dólar levou a Peugeot a colocar a importação em espera.

 

Audi começa a produzir A3 Sedan com motor turbo flex no Brasil

Audi-Brasil-1-620x413

Enquanto isso na Audi, o A3 Sedan começou a ser produzido na fábrica da marca em São José dos Pinhais. O modelo fabricado é a versão 1.4 TFSI Flex, com 150 cv e 25,5 mkgf (o importado tem 122 cv e 20,4 mgkf). Contudo, no processo de nacionalização ele perdeu o câmbio S-Tronic de embreagem dupla e a suspensão traseira multilink. No lugar delas, o A3 nacional terá o câmbio tiptronic de seis marchas  (o mesmo do Tiguan) e um eixo de torção.

620audia3sedan2014-22

O modelo será oferecido nas versões Attraction e Ambiente, e custará entre R$ 100.000 e R$ 140.000. Os primeiros A3 nacionais serão entregues a partir de novembro.

 

Mini Countryman começa a ser fabricado no Brasil

2015-mini-countryman

A BMW anunciou que o Mini Countryman já começou a ser fabricado em Araquari, Santa Catarina. As primeiras unidades do modelo produzidas no Brasil chegam às concessionárias apenas em dezembro e serão oferecidas em duas versões: a Cooper S Top, que tem tração apenas dianteira, vendida a R$ 143.950, e a Cooper S All4, com tração nas quatro rodas, com preço R$ 6.000 mais alto, ou R$ 149.950.

As duas versões são intermediárias na linha. E vale lembrar que o Countryman deve mudar em alguns meses para a nova plataforma UKL, ou seja, vai ganhar sua nova geração. As versões dos extremos, ou seja, a mais barata e a mais cara, respectivamente a Exclusive, de R$ 126.950, e a JCW (John Cooper Works), de R$ 168.950, ainda serão oferecidas, importadas, por “tempo determinado”, segundo a assessoria da marca disse ao pessoal do Uol Carros.

Apostamos que são apenas as unidades em estoque, especialmente no caso da versão mais barata. Com o dólar nos patamares atuais, ainda que em queda, os modelos mais em conta perdem competitividade.

Com o Countryman, a BMW completa a linha que seria produzida no Brasil. Já são feitos aqui o BMW Série 3, o Série 1, o X1 e o X3.

 

Volkswagen admite que software fraudador pode ter sido usado na Europa

VW-Jetta-TDI-11

A revista britânica Autocar conseguiu arrancar de um porta-voz da Volkswagen, que ela não identifica, que a empresa pode ter usado seu software fraudador para driblar testes europeus de emissões. Mas o que o tal porta-voz diz em seguida é que é mais chocante: segundo ele, isso talvez não seja ilegal na Europa. Cuma?

Ainda que a lei não o proíba, o uso do software, ou sua mera existência, já é uma infração ética gigantesca. O fato de o porta-voz lidar com a coisa como uma questão apenas legal é de muito mau agouro. Ainda segundo ele, só os EA189 estariam envolvidos no problema, o que livra o V6 3.0 TDI de qualquer implicação no escândalo.

Em outros desenrolares do Diesel Gate, o CEO da Volkswagen nos EUA, Michael Horn, disse a uma comissão do Congresso americano que soube do problema com o software dos diesel dias antes de 3 de setembro, quando a empresa revelou a existência do software à EPA.

Na Europa, a polícia alemã fez uma devassa na sede da companhia, em Wolfsburg, e nas casas de alguns executivos da empresa. Sinal de que a mera correção dos problemas pela fabricante não será suficiente para por um ponto final ao Diesel Gate. Vai ter gente vendo o sol nascer quadrado por lá, com certeza.

 

Porsche já foi condenada antes por homicídio culposo em seus carros

£££-Paul-Walker

Ainda que tenha respondido que a morte de Paul Walker tenha sido culpa de Roger Rodas, a Porsche pode não se livrar tão facilmente do processo que a filha de Walker, Meadow, move contra ela. A viúva de Rodas já perdeu um processo contra a fabricante.

A alegação principal de Meadow é que o carro era inseguro, algo que o pessoal do Yahoo Autos descobriu que já colou com a Justiça americana pelo menos duas vezes, ambas com o advogado Craig McClellan. A primeira foi no começo dos anos 1980, quando um motorista matou seu passageiro em um Porsche 930. Ele seria “inerentemente perigoso para um motorista comum e não treinado”.

O segundo caso, também vencido por McClellan, foi com um 911 Turbo anos depois. A alegação foi a mesma que Meadow faz agora, com outro advogado, Jeff Milam: a de que o carro era inseguro. “Se um fabricante não usa a tecnologia que tem disponível de propósito, uma que está presente em outros de seus automóveis, especialmente os mais esportivos, então ele deve ser responsabilizado por quaisquer ferimentos e mortes que ocorram devido a esta omissão”, diz o processo vencedor.

Em outras palavras, o fato de o Carrera GT não ter controle de estabilidade pode ser suficiente para condenar a Porsche neste caso. Se a tese vingar, carros deste tipo só deverão ser vendidos no futuro mediante assinaturas de termos de responsabilidade. E mesmo eles podem não ser suficientes para evitar indenizações milionárias.

 

O último dos Koenigsegg Agera R está à venda

landscape-1444328976-koenigsegg-agera-r-8

Enquanto você se preocupa com a desvalorização do seu carro, o dono deste Koenigsegg Agera R está rindo à toa. Trata-se do último dos Agera R e, mesmo tendo um ano de uso e alguns quilômetros no hodômetro, ele está a venda por US$ 600.000… acima do seu valor de compra! Sim: este K-segg custava US$ 1,3 milhão quando novo, mas agora, depois de quase 2.500 km rodados, ele está sendo vendido por US$ 1,9 milhão — e ainda tem a garantia de fábrica por mais dois anos.

 

Maserati paralisa produção em novembro por baixa demanda

Maserati_Quattroporte_Trident_001

Enquanto o Levante, futuro SUV da marca, não dá as caras, a Maserati se vê obrigada a paralisar sua produção. Isso deve ocorrer na primeira semana de novembro, algo que, segundo o CEO da marca, Harald Wester, se deve à queda de pedidos vindos da China, que vive “tempos interessantes”, como fiz a velha praga chinesa.

Não é a primeira interrupção de produção da empresa neste ano. Em setembro, a fábrica também parou durante uma semana depois que as encomendas do Quattroporte e do Ghibli caíram 13%.

Além do Levante, a Maserati deposita grandes esperanças no Alfieri, considerado um dos carros mais bonitos a serem mostrados no Salão de Genebra de 2014.

Matérias relacionadas

O dicionário Inglês-Português de termos automobilísticos do FlatOut – Parte 2 de 3

Leonardo Contesini

Project Cars #477: a história o início da restauração da minha Saveiro LS 1983

Leonardo Contesini

Jeep Renegade de cara nova, V8 Turbo da Ferrari eleito o melhor motor do mundo, Toyota Supra na Nascar e mais!

Leonardo Contesini