A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Um Porsche 959 pela metade do preço e outras histórias tristes de supercarros batidos

Schadenfreude é a palavra que os alemães usam para descrever aquele sentimento de satisfação que temos pelo dano, infortúnio ou prejuízo de alguém. E digo mais: geralmente costuma-se dizer que a má-sorte de quem geralmente tem tudo na vida, é rico e bem sucedido, mas costuma agir como um imbecil, é o que causa mais Schadenfreude nos outros. Algo, por exemplo, como quando um motorista exibicionista sofre um acidente com um superesportivo raríssimo que vale centenas de milhares, ou até mesmo milhões – muitos de nós, pobres mortais, damos aquele sorrisinho sacana de canto de boca.

Mas como sentir Schadenfreude, por exemplo, ao ver um Porsche 959 nesse estado? Isso é coisa de gente amargurada. Só conseguimos lamentar.

-1-1534270917920@2x

O carro, um dos 345 exemplares fabricados entre 1986 e 1993, está anunciado pela Mecum Auctions já há alguns dias. O anúncio não faz menção à causa do acidente que deixou a dianteira toda destruída, deslocando a roda do lado do passageiro. Em vez disso, o foco são as especificações do carro, com seu flat-six de 2,8 litros com dois turbos e 450 cv, suspensão ajustável (algo incrível para um carro fabricado em 1987), carroceria de fibra de carbono e Kevlar, tração integral e capacidade para ir de zero a 100 km/h em 3,6 segundos com máxima de 317 km/h. A única dica de que os caras estão cientes do estado do carro é o valor estimado de arremate – entre US$ 450.000 e U$ 550.000, ou metade do que se costuma pagar por um Porsche 959 em bom estado atualmente.

-9-1534270924336@2x-6-1534270921495@2x

-4-1534270919895@2x

Incrivelmente o carro ainda roda, e ao que tudo indica os sistemas de direção e suspensão ainda funcionam relativamente bem. Mas certamente a conta da oficina (uma recomendação é a americana Canepa, os caras são especialistas no 959) que o dono terá pela frente não será das mais baratas.

Foram os caras da Car and Driver norte-americana que descobriram o que aconteceu. Eles entraram em contato com a Mecum, que esclareceu tudo: o carro estava sendo transportado em um trailer fechado que desengatou do carro, saiu da estrada e bateu com o lado direito em uma árvore. Aparentemente a força do impacto soltou o carro de suas amarras, deixando-o desprotegido da colisão.

959-crash-2-1534951449 959-1534950154

O lado positivo é que a parte traseira do carro (onde fica todo o conjunto mecânico) está intacta. E o carro é pouco rodado: o hodômetro marca 3.657 milhas, o que dá 5.885 km. Quase novo!

O caso é que, ao conversar a respeito do 959 batido, tivemos uma ideia meio mórbida: relembrar outros acidentes com carros raros e valiosos como o primeiro supercarro da Porsche. Prepare-se para algumas cenas fortes.

 

Mecânico irresponsável

18n3nlfrw8ufbjpg

Foto: Jalopnik.com

Começando por esta Ferrari F40, maior rival do Porsche 959 na época. Sendo um exemplar de especificação norte-americana, o superesportivo tem um V8 biturbo de 2,9 litros e 525 cv (mais potente que os 487 cv da versão europeia, a fim de compensar o aumento de peso, oriundo dos reforços estruturais exigidos pela legislação dos EUA).

18n3lhqy3oc62jpg

O caso aconteceu em 2011. A F40 carro foi comprada por seu dono, um morador de Houston, no Texas, zero-quilômetro. Conforme foi apurado pelo Jalopnik na época, o cara saiu para uma viagem e deixou a Ferrari nas mãos de um mecânico, que decidiu fazer um test drive um pouco mais animado. De acordo com testemunhas o homem estava a “pelo menos 100 km/h” (em uma via de 60 km/h), perdeu o controle, saiu da rua e foi parar na calçada. A dianteira ficou toda destruída, com a suspensão arriada e as rodas tortas.

Na época foi declarada a perda total. Mas, como já dissemos outras vezes, esse tipo de carro raramente “dá PT”: como são muito caros e valiosos, quase sempre eles acabam sendo restaurados, mesmo que o valor do serviço seja exorbitante. Tanto que esta F40 você já viu aqui no FlatOut, ainda que completamente diferente:

O dono só ficou sabendo do acidente quando voltou de viagem, e decidiu vender o carro. Acontece que os compradores foram Aaron Kaufman e Richard Rawlings, que na época eram da Gas Monkey Garage e, além de recuperar a F40, a transformaram em um supercarro ainda mais fodástico (ainda que, para os mais tradicionalistas, seja meio herege): carroceria pintada de preto, rodas HRE e faróis de LED, além de dois turbos novos que elevaram a potência do motor V8 de 2,9 litros para 550 cv.

 

A Enzo partida ao meio

ferrari_enzo_crash_005

Em fevereiro de 2006 o empresário sueco Bo Stefan Eriksson  sofreu um acidente com sua Ferrari Enzo na famosa rodovia Pacific Coast Highway, na California. Ele disputava um racha com um Mercedes-Benz SLR McLaren, perdeu o controle do carro e bateu. E foi feio: o carro se partiu em dois e o motor (um V12 de seis litros e 660 cv a 7.800 rpm) foi atirado para o outro lado da pista, a vários metros de distância.

maxresdefault

Eriksson saiu ileso da colisão, e a Enzo foi levada de volta para a Ferrari para ser consertada. Dez anos depois, em 2016, o carro apareceu em um leilão da RM Auctions, com valor de arremate estimado entre US$ 1,6 e 2,2 milhões – o que na verdade era um belo negócio, porque o carro foi certificado pelo Ferrari Classiche (ou seja, garantidamente o trabalho foi bem feito) e geralmente uma Enzo custa o dobro disso.

c6e49309de214e3f2ac83f1f54fca494a1511a2a black_ferrari_enzo_01202016-3-680x454

Nesse caso em especial o Schadenfreude é válido: dois meses depois Stefan Eriksson foi preso por fraude, dirigir bêbado e posse de drogas e armas ilegais, e acabou condenado a 14 anos de prisão. Eu não queria falar de karma e essas coisas, mas…

 

As trapalhadas de Mr. Bean

rowan-atkinson-f1 (2)

Como não lembrar do caso do ator e comediante britânico Rowan Atkinson e de seu McLaren F1, que ele bateu não uma, mas duas vezes? O eterno Mr. Bean comprou seu McLaren F1 púrpura em 1997, apenas um ano antes de o supercarro projetado por Gordon Murray deixar de ser fabricado. Ele ficou nada menos que 18 anos com o McLaren F1 e rodou 65.000 km com ele – e já merece aplausos só por conta disto, pois carros servem mesmo para rodar. Ainda mais no caso do McLaren F1 e seu V12 de 6,1 litros e 635 cv, capaz de levá-lo de zero a 100 km/h em 3,2 segundos com máxima de 391 km/h.

rowan-atkinson-f1

Nas mãos de Mr. Bean, porém, o carro sofreu não um, mas dois acidentes. O primeiro aconteceu em outubro de 1999, quando Atkinson bateu na traseira de um Rover Metro e destruiu o para-lama dianteiro direito.

rowan-atkinson-f1 (6)

Doze anos depois, em agosto de 2011, Atkinson perdeu o controle do F1 em uma rodovia no sudeste da Inglaterra, rodou várias vezes e bateu em uma árvore, acabando com praticamente toda a seção traseira do carro. Acredita-se que ele só sobreviveu graças à resistência da estrutura de fibra de carbono.

rowan-atkinson-f1 (3) rowan-atkinson-f1 (4)

Nas duas ocasiões o carro foi enviado de volta para a McLaren, em Woking, onde foi consertado e ficou como novo — na segunda vez, em uma empreitada que levou quase um ano e meio e custou à seguradora quase £ 1 milhão, ou R$ 3,86 milhões. Mas o carro não perdeu valor, não! Pelo contrário: Atkinson pagou, em 1997, £ 650.000 pelo carro. E o vendeu por £ 8.000.000.

 

Abatido em combate

Este aqui é recente, e bem triste. Em maio de 2018, durante a 24 Hour Classic, corrida de longa duração para carros de competição antigos (algo que você deve ter deduzido) em Nürburgring Nordschleife, um Ford GT40 Mk1 de 1967 perdeu o controle na curva Pflanzgarten, por volta do km 17 do circuito – o trecho final antes da reta.

ford-gt40-gets-destroyed-in-nurburgring-crash-during-24h-classic-race_1 ford-gt40-gets-destroyed-in-nurburgring-crash-during-24h-classic-race_3

O carro perde a traseira antes da leve curva à direita e o piloto não consegue colocá-lo de volta na trajetória, e acaba atravessando a pista e batendo no muro à esquerda. O lado bom é que, apesar de ficar com a dianteira destruída, o GT40 aparentemente aguenta bem o tranco – o piloto consegue levar o carro rodando para a brita, tirando o carro do asfalto e o deixando protegido de novas colisões.

O que dói é ver como o GT40 estava antes da corrida. No vídeo abaixo a equipe é mostrada dando os últimos tratos no bólido antes da largada.

 

Matérias relacionadas

Relembre todos os carros que já lideraram as vendas no Brasil em 60 anos de história

Dalmo Hernandes

Mille Miglia: 1.600 km e 440 carros na maior corrida de clássicos do mundo

Gustavo Henrique Ruffo

Tucker Carioca: esboços originais podem ter sido encontrados por acaso na internet

Leonardo Contesini
error: Direitos autorais reservados