A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos GT40 Classificados Zero a 300

Uma das 19 limousines Willys Itamaraty Executivo sobreviventes está à venda!

A Willys começou as atividades no Brasil em 1954, montando o Jeep Willys. E você provavelmente sabe que a premissa do Jeep era a de um veículo minimalista e frugal, feito para atravessar terrenos difíceis sem reclamar. Por isso, seu projeto se resumia a motor, transmissão, suspensão, rodas, volante e lugares para sentar. Bem, o nosso Achado Meio Perdido é um Willys, mas é o oposto de minimalista e frugal. É uma limousine Willys Aero Itamaraty Executivo – uma das 19 que sobreviveram no Brasil. Ela está anunciada no GT40, e a gente vai dar uma olhada nela agora!

O Willys Aero (também conhecido como Aero-Willys) foi lançado em 1960, para rivalizar com o FNM JK, que era a versão brasileira do Alfa Romeo 2000 italiano, como contamos neste post; e o Simca Chambord, de raízes francesas. O Willys também tinha projeto de origem estrangeira – no caso, o Aero-Wing que a Willys fabricava nos Estados Unidos. No entanto, mais de 80% dos componentes do carro eram nacionais.

IMG_7767

Era um carro moderno, com linhas retas, e capacidade de levar seis pessoas em sua ampla cabine com dois bancos inteiriços. Seu estilo agradava, mas o motor era o mesmo seis-em-linha de 2,6 litros e 90 cv usado no Jeep, acoplado a um câmbio manual de três marchas. Era pouca potência, o que comprometia o desempenho do enorme sedã de 1.440 kg, que precisava de 17,6 segundos para ir do zero aos 100 km/h e tinha velocidade máxima de 120 km/h.

IMG_7765

Em 1966 veio a versão mais sofisticada, o Willys Aero Itamaraty. As formas da carroceria eram mais imponentes e retilíneas, e o interior levava o refinalmento a um novo nível: bancos revestidos em couro legítimo, e não curvim; rádio com dois alto-falantes e um painel revestido em madeira maciça de jacarandá que pesava 20 kg. Foi o último modelo lançado pela Willys Overland do Brasil como empresa independente: em 1967, a companhia seria absorvida pela Ford, mudando seu nome para Ford-Willys do Brasil em 1969. A partir daí, os Willys passaram a usar um seis-em-linha de origem Ford, com três litros de deslocamento e 132 cv, finalmente adquirindo desempenho à altura.

IMG_7769

Foi também em 1967 que a Willys decidiu aventurar-se na fabricação de limousines, um nicho (compreensivelmente) pouco explorado. A versão estendida do Willys Itamaraty, que recebeu o sobrenome Executivo, foi apresentada no Salão do Automóvel de 1966, quando um exemplar seria entregue ao então Presidente da República Artur da Costa e Silva.

A Willys procurou a Karmann-Ghia, que desde 1962 fabricava o VW Karmann Ghia (sem hífen) sob encomenda da Volkswagen. O KG era um dos automóveis mais bonitos à venda no Brasil na década de 60, portanto a escolha fazia sentido.

IMG_7795 IMG_7761 IMG_7757

O controle do toca-fitas ficava por conta dos ocupantes do banco traseiro. Já o banco da frente perdia espaço e as regulagens de altura e distância

O entre-eixos do Willys Itamaraty Executivo era 71 cm mais longo que o modelo “comum, passando de 2,73 cm a 3,44 m. O maior aumento aconteceu entre as portas dianteira e as portas traseiras, mas também houve um pequeno acréscimo de distância entre as portas traseiras e o porta-malas. Naturalmente, o cardã precisou ser alongado, e a Willys o dividiu dois, com uma cruzeta ligando as duas metades.

Com mais metal na carroceria, o peso do carro aumentou de 1.440 kg para 1.611 kg. Com isto, o motor de três litros e 132 cv sofria um pouco mais para mover o carro, mas desempenho não era o foco, de todo jeito. No total, foram feitos 27 exemplares, sendo dois deles protótipos.

De acordo com Bird Clemente Jr., dono da concessionária Vintage Garage Curitiba, só sobraram 19 exemplares rodando, e o carro que está anunciado no GT40 é o chassi nº 0001, que originalmente foi encomendado pelo Tribunal de Justiça do Paraná. Bird diz que o carro pertence há muitos anos a um de seus clientes, e que está totalmente original em termos de mecânica, pintura e acabamento interno e externo.

IMG_7763 IMG_7760

Segundo Bird, a estrutura do carro é íntegra, mas que há alguns detalhes que necessitam de reparos – como o sistema de ar-condicionado, mas que no mais trata-se de um carro muito inteiro e bem conservado, e que toda a manutenção básica está em dia. Ele também deixa claro que o valor é totalmente negociável.

Se você ficou interessado, pode clicar aqui para acessar o anúncio e entrar em contato para esclarecer quaisquer dúvidas.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

La Sarthe, 1976: quando dois carros da Nascar correram nas 24 Horas de Le Mans

Dalmo Hernandes

Os arcades de corrida mais épicos da Sega

Dalmo Hernandes

Já pensou em ter uma Chevrolet SS10 com motor de Corvette? Esta é sua chance!

Dalmo Hernandes