Universo paralelo: os carros rebatizados mais bizarros que você já viu

Dalmo Hernandes 29 julho, 2014 543
Universo paralelo: os carros rebatizados mais bizarros que você já viu

Você os conhece como “rebatizados”: carros fabricados por uma companhias e vendidos com outra marca — muitas vezes, resultando em uma combinação totalmente inesperada. Como hoje estamos com vontade de dar um nó em seu cérebro, separamos alguns casos de carros rebatizados muito, muito bizarros. Preparado?

Existem algumas razões para o chamado badge engineering — que recebeu este nome por “poupar” o trabalho dos engenheiros apenas colocando um emblema diferente em um carro já pronto. Pode ser que uma marca queira ingressar em um determinado segmento no mercado, mas não dispõe de nenhum modelo apropriado em seu portifólio. Em outros casos, pode ser simplesmente porque a marca original não tem força suficiente em um país e a companhia decide-se por outra subsidiária do mesmo grupo. Alguns casos, contudo, são tão absurdos que não conseguimos imaginar outra razão para existirem que não seja erro de julgamento.

 

Dodge Forza (Fiat Siena)

Este é o caso mais recente: depois que a Fiat comprou a Chrysler e, por consequência, a Dodge, muitos entusiastas se mostraram meio receosos com as possíveis trocas de emblema entre as marcas do grupo. Nada contra a ideia em si, mas você vai dizer que não é no mínimo inusitado ver um Fiat Siena — aquele mesmo, que foi lançado no Brasil em 1997 importado da Argentina — ser vendido na Venezuela como Dodge Forza? Mas espere, que tem mais ele custa 274.800 bolívares para o LE (cerca de R$ 97 mil) e 285.000 bolívares para o LX (cerca de R$ 101 mil). Sim, mais de R$ 100 mil por um Siena. Imagine se resolvem lançar a versão R/T!

 

Suzuki Fun (Chevrolet Celta)

rebadged-cars (2)

O Celta é um projeto brasileiro feito sobre a plataforma do Chevrolet Corsa de primeira geração, lançado em 1994. Isto não o impediu de ganhar o emblema de uma marca japonesa na grade — o “S” da Suzuki. E nem foi no Japão: até 2011, Suzuki Fun era o nome do Chevrolet Celta na Argentina. Não foi a primeira vez que a General Motors e a Suzuki trocaram emblemas — Chevrolet Tracker (Suzuki Vitara) e Geo Metro (Suzuki Swift) não nos deixam mentir — mas, de longe, o Suzuki Fun foi a mais curiosa delas.

 

Saab 9-2X (Subaru Impreza)

rebadged-cars (3)

A Saab é (ou foi, porque a esta altura é difícil saber se a marca está viva ou morta) famosa por seus carros inovadores, seguros e, dependendo da versão, rápidos. Mas os suecos nunca foram muito bons em administrar dinheiro e, nos últimos anos, a marca lutou muito para se manter ativa. Um dos últimos recursos usados pela Chevrolet, que foi dona da Saab de 2000 a 2010, foi pedir que a Subaru fabricasse uma versão Saab do Impreza wagon de segunda geração.

rebadged-cars (14)

Isto foi possível porque a GM também era dona de 20% da Fuji Heavy Industries, conglomerado do que a Subaru faz parte. O resultado foi o Saab 9-2X, cuja dianteira projetada pela Saab era totalmente nova, incluindo para-lamas e capô. Foi vendido apenas nos EUA, onde ficou conhecido como “Saabaru”.

 

Volkswagen Taro (Toyota Hilux)

rebadged-cars (4)

De vez em quando um carro rebatizado nasce de um breve relacionamento entre duas companhias. Em 1989, a Toyota queria abocanhar uma parcela maior do mercado europeu, enquanto a VW queria introduzir ao mercado uma picape maior do que a Caddy (uma espécie de Saveiro derivada do Golf de primeira geração e vendida até 1996). Sendo assim, ficou firmado que a VW produziria a Hilux em sua fábrica em Hannover, Alemanha, e a venderia como Volkswagen Taro. Nos anos seguintes, a produção passou para a fábrica da Toyota em Tahara, no Japão. A joint venture, contudo, acabou em 1997 porque os dois lados não ficaram satisfeitos com as vendas da picape.

 

Dodge Attitude (Hyundai Accent)

rebadged-cars (5)

O caso aqui é parecido com o da Volkswagen Taro: a Dodge queria um carro compacto para vender no México e a Hyundai aproveitaria para ganhar algum dinheiro com o Accent no país. Sendo assim, o Accent foi vendido como Dodge Attitude no México de 2007 a 2013 — mas isto não é a parte mais esquisita da história: na última atualização do modelo, em 2012, a Dodge nem se incomodou em colocar seu emblema no lugar do “H” da Hyundai…

 

Pontiac Le Mans (Chevrolet Kadett)

rebadged-cars (6)

Estreando na década de 60, o Pontiac Le Mans sempre havia sido um cupê grande com motor V8 — embora não fosse um esportivo de fato, ainda era um carro americano respeitável, com direito a tração traseira e tudo o mais. E foi assim até 1981. Mas em 1988 a Pontiac resolveu trazer o nome Le Mans de volta — com outro cupê V8, certo? Errado: com uma versão rebatizada do Daewoo Le Mans que, por sua vez, é um Opel Kadett E rebatizado — e também o carro que, no Brasil, conhecemos como Chevrolet Kadett. Não que o Kadett seja ruim mas, para os americanos, foi no mínimo um caso de expectativas frustradas. Eles odeiam este carro.

A propósito, o Kadett ainda é produzido — no Uzbequistão, onde é vendido como Daewoo Cielo. Agora nós vamos parar porque nossos olhos já estão doendo.

 

Citroën C2 (Peugeot 206)

rebadged-cars (7)

Existem duas versões do Citroën C2 — a verdadeira, um city car feito sobre a plataforma do C3 e vendido na Europa (onde já saiu de linha), e a “cópia chinesa”, que na verdade é um Peugeot 206 rebatizado e modificado para parecer um Citroën. O resultado estético nos deixa confusos — ele tem a cara de um Citroën (lembra o antigo C4) mas a carroceria é totalmente Peugeot.

 

Aston Martin Cygnet (Toyota iQ)

rebadged-cars (8)

Até dá para entender a razão de ser do Toyota iQ, lançado em  — ele é um city car japonês vendido no Japão e na Europa, dois mercados onde as pessoas comem city cars no café da manhã. O que não dá para entender é quem achou que seria uma boa ideia dar a ele uma grade de Aston Martin, um emblema de Aston Martin e vendê-lo como Aston Martin, cobrando o triplo do preço do Toyota.

rebadged-cars (13)

Foi só no Reino Unido, e durou apenas de 2011 ao início de 2013. Ele foi descontinuado porque as duas companhias esperavam vender 4.000 unidades por ano, mas nem o acabamento mais luxuoso foi um bom argumento: só conseguiram emplacar 150 deles.

 

Cadillac Cimarron (Chevrolet Monza)

rebadged-cars (9)

Na verdade o nosso Chevrolet Monza foi só um dos vários carros derivados da plataforma J da General Motors espalhados pelo mundo — Opel Ascona, Chevrolet Cavalier, Pontiac Sunfire e Isuzu Aska foram outros, vendidos nos EUA, na Europa e no Japão. Mas sabe qual era o mais bizarro de todos eles? O Cadillac Cimarron, vendido entre 1982 e 1988.

Naquela época a Cadillac ainda tinha o peso de uma marca de luxo, mas os anos 80 pediam carros menores e mais econômicos. A Cadillac tentou conciliar as duas coisas com sua versão do Monza, mas um carro pequeno (para os padrões americanos), com motor de quatro cilindros e tração dianteira não era exatamente o que o público esperava de um Cadillac. Precisamos dizer que foi um fracasso e que o Cimarron é ridicularizado pelos americanos até hoje?

 

Isuzu Gemini (Chevrolet Chevette)

rebadged-cars (10)

Falando em Isuzu, sabia que você não vai estar totalmente pirado se quiser customizar seu Chevette à moda Japonesa? Entre 1974 e 1984, a Isuzu vendeu o Opel Kadett C (nosso bom e velho Chevas) como Isuzu Gemini. E o danado tinha mesmo toda a pinta de carro japonês, não é?

 

Eagle Talon (Mitsubishi Eclipse)

rebadged-cars (11)

Ah, os anos 90…

Em 1988 a Chrysler decidiu criar uma marca para competir com os modelos importados do Japão, que estavam crescendo em popularidade nos EUA. Para tal, foi criada a Eagle, uma submarca que vendia modelos da Chrysler e da Mitsubishi rebatizados — sim, eles chamaram os japoneses para ajudar combater os japoneses. Um dos exemplos mais famosos (e bizarros) foi o Eagle Talon, nada menos que um Mitsubishi Eclipse com outra marca. Ele foi um dos últimos sobreviventes da Eagle, tendo sido vendido até 1999 — quando a Chrysler desistiu da ideia.

 

Buick Sail (Chevrolet Corsa)

rebadged-cars (12)

Parece que a General Motors é mesmo fã de carros rebatizados — e alguns deles são quase inacreditáveis, como o Buick Sail. Veja bem: a Buick já fez alguns dos carros mais luxuosos e legais do mundo, como o Buick GNX, e atualmente é o canal para que os carros da Opel cheguem aos EUA e à China. E foi na China que, em 2001, a GM passou a vender um Corsa B (aquele, lançado em 1994) rebatizado de Buick Sail. Um Corsa da Buick, que ficou assim até 2005 antes de se tornar um Chevrolet.

É como um Gol da Bentley, ou um ou um Fiesta da Lincoln, ou um Monza da Cadillac. Ah, isto já aconteceu…

 

Você conhece algum outro exemplo bizarro para adicionar a esta lista? Claro que conhece! Manda aí nos comentários!