A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Uso de farol baixo durante o dia poderá ser obrigatório no Brasil, Peugeot apresenta seu novo conceito, Uber usa carros de Mad Max e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Faróis baixos poderão se tornar obrigatórios durante o dia em todas as estradas brasileiras

Tagfahrlicht

Se você já está habituado a usar faróis baixos mesmo de dia, apesar do pessoal que fica te avisando de que ele está aceso, nada muda para você, mas o deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) quer tornar o uso obrigatório em todas as estradas brasileiras. Independentemente do horário.

Por meio do PL (projeto de lei) 5070/13, aprovado na CCJ da Câmara, ele pretende modificar o artigo 40 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro), que impõe o uso de faróis baixos apenas em túneis, passagens subterrâneas com luz artificial e sob chuva ou neblina.

Se for aprovado nos plenários da Câmara e do Senado, quem for pego sem os faróis baixos acesos toma quatro pontos na carteira e leva multa de R$ 85,13. Mas ainda leva tempo até lá.

 

Uber usou carros de Mad Max em Seattle

uber-madmax-2

Com a chegada do novo game de Mad Max, os caras do Uber se juntaram à Warner Bros. para uma campanha de divulgação bastante envolvente: eles simplesmente usaram os carros da saga pós-apocalíptica para atender os usuários do serviço. O projeto começou na última sexta-feira, dia 28, e terminou ontem, 31 de agosto.

A única condição para andar com os carros da Wasteland de Mad Max, era que seu destino não fosse fora da região central de Seattle. O mais legal é que, além de ter a chance de pegar carona com um Interceptor, na hora de pagar a corrida, o Uber apresentava a seguinte mensagem: “Seus dólares não têm valor na Wasteland. O pagamento não será exigido”.

 

Bugatti Chiron pode ser lançado em Genebra por US$ 2,4 milhões

Bugatti-Chiron

Já vimos o sucessor do Bugatti Veyron em testes e até um flagra muito discreto do novo modelo, conhecido por enquanto como Chiron. Mas, até agora, pouco se sabe sobre ele e muitas informações chegam na forma de especulação. Agora, os caras da revista CAR parecem ter descoberto que o novo hipercarro será lançado somente no Salão de Genebra, em março de 2016 — o que vai deixar os fãs do carro sem unhas, uma vez que ainda faltam sete longos meses até o evento. Além disso, a publicação britânica afirma que o carro custará US$ 2.462.864 — um número curiosamente bastante preciso.

Também não há nenhuma confirmação sobre o motor, mas a especulação mais aceita é de que ele usará uma variação híbrida do W16 8.0 quadriturbo, capaz de produzir 1.500 cv. Mesmo sem certeza de nada, o grupo Volkswagen já recebeu pagamentos de clientes interessados em uma (ou mais, vá saber…) das 500 unidades previstas.

 

Aplicativo “Tá Errado” ajuda a denunciar maus motoristas

FlatOut 2015-09-01 às 11.35.14

Você já pode fazer alguma coisa a mais do que apenas ficar inconformado com a falta de educação e de respeito de alguns motoristas. Com a ajuda do aplicativo “Tá Errado”, disponível para Android e iPhone, é possível flagrar infrações e denunciá-las à comunidade que o aplicativo cria.

Segundo os criadores do programa, ele não se prestará apenas a uma forma mais civilizada de extravasar a raiva, mas também a tomar medidas preventivas. “O Tá Errado App não tem a intenção de substituir o trabalho da CET ou das Secretarias de Transportes. Pelo contrário, a intenção é contribuir e, se possível, trabalhar em conjunto.(…) Com a contribuição dos usuários, poderemos gerar relatórios por tipo de infração, por localização e entender as necessidades de determinada região ou cidade. Juntos, temos a ferramenta para conscientizar, mudar e melhorar o trânsito do Brasil!”, dizem eles. Tomara que a iniciativa seja usada para o bem.

 

Peugeot antecipa sua maior atração em Frankfurt, o Fractal

Peugeot-Fractal-20

A partir de 2019, todos os carros elétricos vendidos na Europa deverão emitir sons para evitar acidentes. Foi com essa justificativa que a Peugeot criou o Fractal, um hatch elétrico que ela chama de cupê. E que também é conversível.

O modelo pesa 1.000 kg e mede 3,81 m de comprimento, 1,77 m de largura e tem balanços dianteiro e traseiro bastante reduzidos, com rodas de aro 19 do modelo Tall&Narrow. Para movê-lo, a Peugeot escolheu motores elétricos de 102 cv, alimentados por uma bateria de íons de lítio de 40 kWh, no eixo dianteiro e traseiro.

Peugeot-Fractal-8

Com a potência combinada de 204 cv, ele vai de 0 a 100 km/h em 6,8 s e chega aos 1.000 m em 28,8 segundos. Por conta de transferência de massa, o motor traseiro é exigido ao máximo em acelerações de 0 a 100 km/h e vai atuando cada vez menos até ser completamente desligado em velocidades superiores a 100 km/h. E só volta a atuar se for necessário, como um sistema de 4×4 sob demanda.

A autonomia é de 450 km e o carro tem um sistema de variação de altura muito interessante. Em velocidades altas, a suspensão pneumática deixa o carro a 7 cm do chão. Em baixa velocidade e terreno mais acidentado, o vão livre aumenta para 11 cm. Mais de 80% das peças da carroceria foram construídas com impressão em 3D. Mas não é esse o principal diferencial do conceito.

Peugeot-Fractal-3

Com a ajuda do designer sonoro e DJ Amon Tobin, brasileiro, a Peugeot criou uma assinatura de sons para o conceito. Usando alto-falantes Focal e um dispositivo chamado Subpac, uma espécie de subwoofer colocado no encosto dos bancos, ele pretende transmitir aos ocupantes uma sensação física dos sons. Cada passageiro tem um controle dos graves, para ajustar o quanto ele prefere senti-los. A marca mostra, no vídeo abaixo, como foi o processo de construção do Fractal.

Pena que a Peugeot não fez nem um vídeo sequer mostrando os sons que o carro emite em cada situação. Ou que talvez ainda não o tenha divulgado, mas, se esse é um dos diferenciais do Fractal, é o mínimo que precisamos para mostrar do que se trata. Aguardemos.

 

Brabus anuncia Classe C63S com 600 cv e 81,9 mgkf para o Salão de Frankfurt

Brabus-C63-S-Sedan-3

Quando alguém acha que a potência dos Mercedes-AMG não é suficiente para suas necessidades ao volante, sempre há a opção de recorrer aos caras da Brabus, a preparadora mais insana da Alemanha. A mais recente preparação deles é um Classe C63 S AMG para quem acha que 510 cv não são suficientes: o kit Brabus PowerXtra B40. Com ele o V8 4.0 biturbo ganha 90 cv e passa a produzir 600 cv a 5.800 rpm, e 81,9 mkgf entre 1.750 e 4.500 rpm — o que indica que, sem os devidos cuidados ele pode ser um assassino de pneus.

Brabus-C63-S-Sedan-6

Com a nova potência, os números de desempenho chegam a 3,8 segundos para a aceleração de zero a 100 km/h e velocidade máxima de 300 km/h. O Brabus PowerXtra B40 será apresentado no fim de setembro, no Salão de Frankfurt, e será disponibilizado para o sedã e para a perua. O aumento de potência é obtido pelo aumento na pressão de trabalho dos turbos e remapeamento de injeção e ignição.

Brabus-C63-S-Sedan-10 Brabus-C63-S-Sedan-12

Além do kit de desempenho, a Brabus também irá oferecer um pacote aerodinâmico desenvolvido em túnel de vento para reduzir a sustentação aerodinâmica. Os componentes são feitos de carbono, com acabamento transparente fosco ou brilhante. Quem não quiser pagar pelas peças ou preferir algo mais discreto, poderá comprar um spoiler dianteiro para o para-choque original da perua e do sedã. Além dos para-choques e do spoiler, também serão oferecidos capas dos retrovisores de carbono e spoiler para o para-choque traseiro.

Como sempre, a preparadora também oferece novas rodas, nesse caso, as Monoblock T, de cinco raios, 20 polegadas e com elementos de carbono em cada raio. Os pneus podem ser Continental, Pirelli ou Yokohama, sempre nas medidas 255/30 na dianteira e 275/30 na traseira.

Brabus-C63-S-Sedan-7

Por dentro, o C63 S AMG pode ser personalizado com soleiras iluminadas, couro e Alcântara nos bancos e portas, e madeira ou carbono no painel e portas. Também é possível trocar as borboletas originais por peças de alumínio e o velocímetro original por outro com escala até 340 km/h.

Matérias relacionadas

A estranha história do Honda NSX “abandonado” em uma floresta

Dalmo Hernandes

Hemi Dart Super Stock: o implacável avô do SRT Demon era mais rápido que uma Ferrari Enzo – de fábrica

Dalmo Hernandes

Dome Zero: quando os japoneses fizeram seu próprio supercarro em forma de cunha

Dalmo Hernandes