A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Viaje no tempo com esta Ferrari 308 GTS à venda no Brasil

Lembra quando os anos 1980 eram “20 anos atrás”? Pois é: agora são 40 anos atrás. A atual Ferrari V8 é a bela F8 Tributo, que tem um motor de 3,9 litros com dois turbos e nada menos que 720 cv. Aliás, lembra quando 700 cv em um carro de rua ainda eram algo meio absurdo?

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Há quatro décadas, porém, a própria ideia de uma Ferrari com motor V8 era novidade. E o modelo que ocupava este posto na linha da companhia era algo bem mais old school – a Ferrari 308 GTB/GTS, lançada em 1975. Pois é exatamente uma 308 GTS, a versão a céu aberto, nosso Achado meio Perdido de hoje, anunciado no GT40.

Se você sempre quis o carro de Tom Selleck em Magnum P.I., no qual o bigodudo interpretou o detetive Thomas Magnum ao volante da 308 GTS por oito temporadas entre 1980 e 1988, esta é sua chance. Além disso, ela certamente está bem mais em conta que uma F8 Tributo, que não deve sair por menos de R$ 2,5 milhões quando desembarcar no Brasil, em 2020. Ou mesmo que uma 458 Italia – a última Ferrari V8 naturalmente aspirada pode ser encontrada por R$ 1,2 milhão.

Verdade seja dita: a primeira Ferrari com motor V8 não foi a 308 GTB/GTS, e sim a 308 GT4, de 1973 – um cupê de quatro lugares com entre-eixos longo e desenho pouco usual, assinado por Marcello Gandini no estúdio Bertone. As linhas retas e o perfil de três volumes causaram estranhamento no público, mas o V8 de 2,9 litros e 258 cv montado atrás dos bancos traseiros era digno dos maiores elogios.

Ferrari 308 GT4

A 308 GTB/GTS, lançada dois anos depois, foi projetada por Leonardo Fioravanti, da Pininfarina, com dois lugares. E duas versões de carroceria: cupê (GTB) e targa, com a parte central do teto removível (GTS). Ela tinha uma silhueta mais tradicional, com proporções mais harmônicas, porém era claramente influenciada pela GT4 – e usava exatamente o mesmo motor. Os 258 cv vinham às 6.600 rpm, acompanhados de 29 kgfm de torque. Com o V8 acoplado a uma caixa manual de cinco marchas, era força o suficiente para levar a 308 GTB/GTS de zero a 100 km/h em sete segundos, com máxima superior a 250 km/h.

Entre 1975 e 1977, a Ferrari 308 tinha a carroceria fabricada pela Carrozzeria Scaglietti em fibra de vidro – depois disto, ela passou a ser feita de aço – e ficou 150 kg mais pesada, passando de 1.050 kg para 1.200 kg, aproximadamente.

O exemplar anunciado no GT40 é uma 308 GTS fabricada em 1978 – ou seja, no primeiro ano da carroceria de aço, e é praticamente idêntica à Ferrari do seriado norte-americano. A maior diferença, do lado de fora, é a falta da entrada de ar no capô, que só foi adotada em 1980, junto com um sistema de injeção mecânica Bosch K-Jetronic.

O modelo 1978 ainda era alimentado por carburadores – quatro Weber 40DCNF, de corpo duplo. Esta unidade em especial, porém, recebeu no lugar deles um sistema de injeção programável FuelTech. Este foi abrigado sob o plenum de admissão usado na 308 Quattrovalvole, com de ar filtro cônico. Vale observar que este é um exemplar norte-americano, originalmente equipado com catalisador para controlar emissões. O que, como consequência, reduziu a potência do motor para 240 cv.

De acordo com o anunciante, o carro foi restaurado por fora e por dentro, usando peças importadas da Itália. Foi aplicada uma nova pintura na tonalidade original, Rosso Corsa, e o interior teve o revestimento todo refeito usando couro caramelo Connolly – da mesma companhia britânica que fornece couro para a própria Ferrari.

Segundo o vendedor, a Ferrari tem cerca de 42.000 milhas (aproximadamente 67.000 km) marcadas no hodômetro. O carro passou por uma revisão completa, incluindo mecânica, elétrica, freios e suspensão; e também também recebeu amortecedores ajustáveis Koni, além de um sistema de escape com tubulação de alumínio. Já as rodas são as originais, de 16×8 polegadas, fabricadas pela Speedline. Elas calçam pneus novos.

 

Trata-se de uma Ferrari clássica, já quarentona, mas que parece em muito boa forma. É um carro que faz algumas concessões à total originalidade em nome de uma manutenção mais tranquila – e, possivelmente, um pequeno ganho de potência com a injeção. Certamente há quem goste da ideia e tenha condições de levá-la para a garagem.

Se este é seu caso, clique aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos do vendedor.

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Este VW Fusca é praticamente 0km… mas você pagaria R$ 65 mil por ele?

Dalmo Hernandes

Este Mitsubihi Pajero TR4 com histórico nos ralis está pronto para competir – só precisa de um novo dono

Dalmo Hernandes

Este raro VW Gol Furgão é todo original está à venda

Dalmo Hernandes