A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos

Você já viu uma Kombi com motor Porsche em Nürburgring? Vai ver agora!

De tempos em tempos me bate uma vontade danada de comprar uma Kombi. A perua da Volkswagen tem estilo e carisma incontestáveis, muita carga histórica, um conjunto mecânico interessante e barato de manter, e é extremamente versátil – meu sonho é transformar uma delas em camper. Mas… quando me lembro que os ocupantes da frente vão sentados em cima do eixo dianteiro, com o corpo bem no centro da zona de impacto, começo a ponderar se ela é mesmo adequada para a estrada hoje em dia.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Há quem tenha muito mais coragem que eu, porém. Um bom exemplo é o sueco Stefan Bengs, que passou os últimos anos montando um projeto bem interessante: uma VW Transporter T1, primeira geração da Kombi, com o conjunto mecânico de um Porsche 911.

Não é a primeira vez que alguém faz isto – mas é a primeira vez que vemos um onboard completo de um projeto como este em Nürburgring Nordschleife. Cortesia do Youtuber Misha Charoudin, que mora ao lado do Inferno Verde e sentou no banco do carona:

Nos comentários do vídeo, o próprio dono do projeto dá alguns detalhes: ele conta passou “muito tempo” dedicando-se à Kombi, e que o nome dela é Kombi é Leichtbau (“baixo peso” em alemão). Ele diz que há pelo menos quatro anos ela é levada regularmente para Nürburgring – e que, nesta última vez, ela estava mais veloz e melhor acertada do que nunca.

Com um pouco de garimpo, conseguimos descobrir mais detalhes interessante a respeito da Kombi Leichtbau. O motor usado é um flat-six arrefecido a ar de 3,2 litros, naturalmente aspirado, acoplado a uma transmissão manual Porsche G50 de cinco marchas totalmente stock, retirados diretamente de um 964.

A suspensão traseira também veio do Porsche 911, e teve apenas os amortecedores originais trocados por componentes pressurizados da GAZ. Na frente, o arranjo original por braços arrastados foi mantido, porém acertado para conferir mais rigidez e uma cambagem levemente negativa. Os freios vieram do Porsche 911 Turbo 930, e são abrigados por rodas Fuchs de 19×6 polegadas, calçando pneus Toyo 265/45. Já a barra de direção original foi trocada pela peça do Fusca 1303 – de acordo com Stefan, o volante perdeu cerca de uma volta e meia e também ficou mais pesado, porém em compensação perdeu a folga característica da Kombi, além de ficar muito mais direta.

Não se trata de um conjunto revolucionário, mas é o bastante para garantir que a Kombi passe dos 230 km/h no retão de Nürburgring. A Velha Senhora on steroids consegue percorrer os 20 km do circuito em menos de dez minutos tranquilamente – o que, para uma Kombi das antigas, fabricada em 1965, é uma bela marca.

Além do swap, a Kombi também passou por algumas modificações para reduzir seu peso, incluindo a remoção de todo o acabamento interno. Os revestimentos de porta são painéis simples de compensado, as maçanetas internas deram lugar a tiras de tecido, e os bancos originais deram lugar a dois conchas da Sparco, com revestimento que combina tecido cinza e o clássico pied-de-poule da fabricante de Stuttgart.

O painel de instrumentos resume-se a um conta-giros que marca até 7.000 rpm, com um relógio Porsche no teto para aferir o nível de combustível e a temperatura. E, naturalmente, foi instalada uma gaiola de proteção integral, discretamente pintada na cor da carroceria – algo essencial, convenhamos,  para quem quer acelerar uma  Kombi no Green Hell. De acordo com Stefan, a Kombi pesa 1.035 kg com o tanque cheio.

Trata-se de uma receita relativamente simples, sem grandes extravagâncias. E há um bom motivo para isto: embora seja um projeto voltado para Nürburgring e acertado para o circuito, a Kombi precisa ser legalizada para as ruas: ela é usada diariamente e cada viagem para a Alemanha representa uma roadtrip de 4.000 km – 2.000 de ida e 2.000 de volta.

E eu aqui com medinho de ter uma Kombi…

 

Matérias relacionadas

Projekt Mjølner: este Porsche 911 com dois turbos e 615 cv é um dos mais fodásticos que já vimos

Dalmo Hernandes

Stealth Beetle: um Fusca com motor V8 Audi biturbo central-traseiro

Dalmo Hernandes

Estes caras estão transformando um Mini clássico em um Celica GT-Four

Dalmo Hernandes