FlatOut!
Image default
Sessão da manhã

Você não viveu até disputar o WRC ao volante de um Porsche 911 GT3 Cup de rali

Em 2011 a FIA apresentou uma nova categoria de rali, o Grupo RGT. Como o nome diz, a intenção era colocar carros de turismo para disputar ralis e, desde 2014, não é preciso ter um carro homologado para participar: basta conseguir um passaporte técnico individual, que pode ser concedido a qualquer carro depois de uma vistoria. Foi assim que o britânico Richard Tuthill decidiu comprar um Porsche 911 GT3 Cup, prepará-lo e disputar estágios do WRC com ele. Até agora, deu certo.

Chris Harris foi fazer uma visita ao cara, pegou seu 911 emprestado e deu umas voltas no estágio de Walters Arena, no País de Gales. A conclusão? Não há carro melhor para disputar um rali do que um 911.

A Tuthill Porsche está na ativa desde o início da década de 1980, quando Francis Tuthill abriu uma oficina para preparar os carros da Volkswagen com motor refrigerado a ar, e não demorou para que donos de Porsche 356 e 911 o procurassem. Hoje tocada por um de seus descendentes, Richard, a Tuthill Porsche participa de ralis, restaura 911 antigos e tem até uma academia de pilotagem na neve… com o 911, claro.

Sendo assim, a decisão por um 911 foi natural, e o GT3 RS era a melhor opção, visto que o carro já tem peso aliviado e gaiola de proteção — além de um flat-6 de 3,8 litros e 450 cv. Para adequar-se ao regulamento, porém, a Tuthill Porsche precisou modificar algumas coisas, como a própria gaiola e reforçar a suspensão.

Tuthill-Porsche-RGT-WRC-jump-1-720x480

Mas e a mecânica? Bem, a verdade é que o 911 GT3 RS da Tuthill Porsche é menos potente do que quando saiu da fábrica — o regulamento do Grupo RGT determina que os carros tenham uma relação peso/potência de, no mínimo, 3,4 kg/cv. Por isso o motor teve que receber um restritor de ar no coletor de admissão, tendo sua potência reduzida para 360 cv.

O que, como dá para ver no vídeo, a potência a menos não prejudicou em nada o “fator diversão” do carro — na verdade, Harris diz que este foi o carro mais empolgante que ele dirigiu no ano passado (o vídeo foi gravado em dezembro de 2014) — isto vindo do cara que, no ano passado, testou Mercedes-Benz AMG-GT, o Jaguar F-Type R, o McLaren P1 e a LaFerrari. Sim, o 911 GT3 de 360 cv da Tuthill é mais legal que o hipercarro mais comentado dos últimos 12 meses, mesmo 600 cv a menos.

Não é difícil entender: o sistema de escape não tem nenhum tipo de restrição, e o barulho invade a cabine e os ouvidos dos espectadores sem filtros, servindo como uma bela trilha sonora quando se está brigando para segurar a traseira de um Porsche em uma pista de lama, quase sem aderência.

Tuthill-Porsche-RGT-WRC-Germany-by-Andre-Lavadinho-25

Tuthill garante que nenhum outro carro causa tanta comoção por parte do público quanto um 911 GT3 RS preparado para disputar ralis, e que esta é uma das partes mais legais da experiência toda. Ele também diz que sabe que não vai conseguir nenhum título com ele, mas que isto não é o mais importante — e a gente acredita nele.

Agora, lembra quando dissemos que a Tuthill mantém uma academia de pilotagem na neve? A Below Zero Ice Driving fica na suécia e usa os carros preparados pela Tuthill para ensinar entusiastas técnicas de pilotagem em condições críticas de aderência. E Chris Harris já foi fazer uma visita a eles — em 2013, quando ainda fazia parte do canal /Drive:

Boa tentativa, Harris, mas ainda não temos inveja de você. Nem um pouco. You lucky bastard!

Matérias relacionadas

Comece o dia a 8.000 rpm com o Porsche 906 e seu flat-6 roncando alto

Dalmo Hernandes

Lembra como a Subaru era incrível no WRC?

Leonardo Contesini

O motor deste BMW E30 de drift é um seis-em-linha… de Toyota Supra!

Dalmo Hernandes