Você precisa conhecer o Alfa Romeo 8C 2300 Zagato Spider Corto

Dalmo Hernandes 15 fevereiro, 2017 0
Você precisa conhecer o Alfa Romeo 8C 2300 Zagato Spider Corto

Até 1930, os carros que competiam nos Grand Prix europeus deveriam ter dois lugares: um para o piloto, outro para o mecânico. Os carros não eram exatamente confiáveis e as estradas eram ruins, e só assim era possível que alguns carros concluíssem as corridas. E apenas a dupla poderia tocar no carro durante a prova, mais ninguém.

Naquele ano, esta regra foi extinta, e começaram a surgir os primeiros monopostos, e a interação homem-máquina ficou ainda mais importante – sem a ajuda de um especialista em apertar parafusos e se sujar de graxa, um erro ou acidente que comprometesse o funcionamento do carro poderia custar ainda mais caro.

12457_11z - 0148 - 04834 ghersi, ramponi, alfa 82 932 mille miglia

Ainda existiam, contudo, carros de corridas de dois lugares. E o Alfa Romeo 8C 300 Zagato Spider Corto, de 1931, é um dos mais fantásticos de todos. Mesmo que você não soubesse se tratar de um carro de corrida, sua postura, mais baixa e bem resolvida do que se costumava ver na época, evidencia seu pedigree de competição.

Apresentado em 1931, o Alfa Romeo 8C 2300 tinha este nome por causa de seu motor, um oito-cilindros em linha de 2,3 litros que, em essência, era formado por dois motores de quatro cilindros com um único virabrequim (imaginem o tamanho da peça e do comando de válvulas). Os cabeçotes eram integrados aos blocos, o que podia dificultar a manutenção dos comandos de válvulas (que ficavam nos cabeçotes) mas, em compensação, evitava a queima das juntas. Porque, bem, não havia juntas.

Alfa-Romeo 8C Monza. Photo: James Lipman / jameslipman.com

O “caroço” no meio do cabeçote é onde fica a torre de engrenagens que atua os comandos de válvulas

O motor fora projetado por Vittorio Jano, ex-engenheiro da Fiat, que foi trabalhar para a Alfa Romeo em 1922, e era era composto por dois blocos de quatro cilindros, cada um deslocando 1.168 cm³ para um total de 2.336 cm³, ou 2,3 litros. Graças a seus dois superchargers, entregava por volta de 150 cv, potência impressionante para um projeto tão antigo.

Naquela época, era comum que as fabricantes fizessem apenas o chassi rolante de seus carros, com motor e câmbio, e que a carroceria fosse instalada conforme a necessidade. A Alfa fabricava suas próprias carrocerias, mas não deixava de contratar os serviços das famosas carrozzerie que eram tão comuns na Europa – empresas como a Zagato, que foi fundada em Milão em 1919, e até hoje é um dos estúdios de design automotivo mais respeitados do planeta.

Alfa-Romeo 8C Monza. Photo: James Lipman / jameslipman.com

A Zagato foi responsável por construir as carrocerias de 184 unidades do Alfa Romeo 8C 2300, e elas estão entre as mais cobiçadas. Não apenas por seu estilo mais agressivo, com para-lamas altos, grade baixa e entre-eixos curto (“Corto”), mas também por seu desempenho no automobilismo.

O carro destas fotos, chassi 2111006, é o perfeito exemplo do quanto o 8C 2300 era incrível. Ele foi um dos primeiros exemplares do Spider “Corto” feitos pela Zagato, que construía as carrocerias à mão, em alumínio. O carro foi feito especialmente para competições, e sua estreia deveria ter acontecido na Targa Florio, corrida que acontecia em vias públicas nas montanhas da Sicília. Hoje, acredita-se que o carro ainda não estava pronto, e por isso, o lendário Nuvolari venceu a prova com um 8C idêntico.

Alfa-Romeo 8C Monza.Photo: James Lipman / jameslipman.com Alfa-Romeo 8C Monza.Photo: James Lipman / jameslipman.com

A estreia acabou ficando para o Grande Prêmio da Bélgica, em Spa-Francorchamps, naquele mesmo 1931. O carro foi parar nas mãos do piloto Ferdinando Minoia, ao lado do mecânico Giovanni Minozzi, e a dupla ficou na terceira colocação depois de 88 voltas no circuito, em uma corrida que durou dez horas. Enquanto isto, em um carro igual, Tazio Nuvolari brigava pela primeira posição com um Bugatti Type 51, pilotado pelo britânico William Grover-Williams. O Bugatti acabou vencendo a corrida pois, com suas rodas e tambores de freio facilmente removíveis, tinha vantagem nos pit stops.

12457_10z - 0152 - 02983

Vale lembrar que, naquela época, a Alfa Romeo tinha na Scuderia Ferrari sua equipe de fábrica. Enzo Ferrari já estava envolvido com a Alfa Romeo desde 1919, quando foi contratado como piloto, e em 1929 começou a preparar e acertar os carros de competição da companhia. Sob seu comando, o 8C foi um dos carros de competição mais bem sucedidos da década de 1930 – com vitórias nas 24 Horas de Le Mans entre 1931 e 1934, inclusive.

O Alfa 83 2300 2111006 ainda teve a carroceria original trocada por uma nova em algum momento de 1932. Depois disso, foi incluído em um lote de carros que foram vendidos a equipes independentes italianas. Em 1933, o carro passou um breve período nas mãos de um homem chamado Giuseppe di Filippis, que morava em Roma, e foi usado quase diariamente na capital italiana.

Alfa-Romeo 8C Monza. Photo: James Lipman / jameslipman.com

Poucos dias antes da edição de 1934 da Mille Miglia, principal evento automobilístico da época, ser vendido a outro homem, chamado Pietro Santi. Mesmo em seu quarto ano de vida, 8C 2300 mostrou-se ágil e em forma, mas Santi teve de abandonar a corrida por problemas mecânicos.

12457_12z - 0152 - 02986

O carro trocou de mãos mais algumas vezes antes de ser comprado por Felice Bonetto, que era piloto e fazia uma renda extra negociando carros de corrida. Bonetto vendeu o carro para Paul Decker, um dentista de Luxemburgo, que competiu com o 8C entre 1936 e 1946 em provas de subida de montanha. Durante a Segunda Guerra Mundial, quando Luxemburgo foi invadido diversas vezes pela Alemanha, Decker escondeu seu carro em um abrigo subterrâneo e assegurou sua sobrevivência.

Alfa-Romeo 8C Monza. Photo: James Lipman / jameslipman.com

Ele ficou com o 8C 2300 até 1956, quando o vendeu a um entusiasta belga chamado Jean de Dobbeleer, que por sua vez o vendeu a um americano que vivia em Boston, Massachusetts, chamado Ed Roy. De lá, o carro foi para o Reino Unido no fim da década de 1970. Seu novo dono, Rodney Felton, era um engenheiro talentosíssimo e restaurou toda a mecânica do carro, o registrando para rodar nas ruas e indo com ele a diversos encontros de carros antigos ao longo dos anos. Ele também construiu uma carroceria nova, que colocava sobre o chassi para participar de corridas históricas.

Alfa-Romeo 8C Monza.Photo: James Lipman / jameslipman.com

Felton ficou com o carro até 1992, quando o vendeu a um californiano chamado Bruce Vanyo. Este foi o responsável pela primeira restauração do carro a suas especificações originais. Depois de trocar de mãos mais algumas vezes, o 8C 2300 2111006 foi vendido, em 1996, para uma coleção na Holanda, onde permaneceu… até agora.

Alfa-Romeo 8C Monza. Photo: James Lipman / jameslipman.com

Uma revendedora de automóveis históricos de alto nível chamada Fiskens, de Londres, Inglaterra, é que está oferecendo o carro para venda desta vez. As fotos do anúncio são as que ilustram este post, e mostra que a beleza dos carros de competição da década de 1930, especialmente os italianos, é rara. Por mais que tenha sido feito para as pistas, o 8C 2300 Zagato tem formas elegantes e acabamento esmerado (basta reparar no revestimento de couro do painel de instrumentos, ou no acabamento do banco de dois lugares), além de certos detalhes que só podem ter sido incorporados para fins estéticos – como os três frisos cromados em cada uma das soleiras, invadindo os para-lamas traseiros. É um carro de outro tempo.

Alfa-Romeo 8C Monza.Photo: James Lipman / jameslipman.com

A Fiskens não revela o preço do 8C 2300,  a não ser que você realmente esteja interessado em comprá-lo. O que, infelizmente, não é nosso caso. Ao menos os caras fizeram um vídeo com o carro em ação em algumas estradinhas rurais da Inglaterra. Vale a pena de ver (e ouvir).

[ Fotos: James Lipman/Fiskens ]