FlatOut!
Image default
Zero a 300

Volkswagen pode ter fraudado mais três linhas de motores diesel, 25 anos da última dobradinha brasileira na F1, chip de rastreamento deixa de ser obrigatório e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

Volkswagen pode ter fraudado testes de outros três motores

tdi_motor_685x325

O escândalo “Dieselgate” da Volkswagen pode ganhar um novo capítulo, agravando ainda mais a situação da fabricante. Segundo a agência de notícias Reuters, a Volkswagen pode ter fraudado outras três linhas de motores a diesel além da EA189. A Reuters não especificou quais são essas outras três famílias de motores, mas recebeu a informação por três fontes ligadas à VW.

A Volkswagen afirmou recentemente que havia cerca de 30 funcionários envolvidos na fraude dos motores, mas agora, com a possibilidade de que mais famílias de motores diesel tenham fraudado emissões, suspeita-se que um número muito maior de funcionários esteja envolvido no trabalho de adulteração dos motores. Isso também significa que a Volkswagen precisaria ter mantido uma equipe de profissionais dedicados ao desenvolvimento do software de adulteração.

 

 

Ferrari de Fangio irá a leilão

sop_ap_spana_spanent__amar_1

Esta bela Ferrari 290 MM 1956 de chassi número 0626 foi pilotada por ninguém menos que Juan Manuel Fangio na edição de 1956 da Mille Miglia. Na ocasião o argentino conquistou um quarto lugar, mas isso não torna a Ferrari menos especial, logicamente. Prova disso, é que ela será leiloada em 10 de dezembro, onde espera-se que seja arrematada por mais de US$ 28 milhões.

Além de ser usada por Fangio, todo o restante da carreira desta 290 MM nas pistas foi igualmente brilhante. Como o MM de seu nome sugere, ela foi projetada para a corrida italiana de mil milhas, mas depois foi parar nas mãos de Phil Hill nos 1.000 Km de Nürburgring de 1956, Alfonso de Portago no GP de Rouen, Wolfgang von Trips nos primeiros anos de sua carreira na Ferrari e ainda venceu os 1.000 km de Buenos Aires com Eugenio Castellotti, Luigi Musso e Masten Gregory.

ny15-r124-002-1

Foram fabricados apenas quatro exemplares da 290 MM e o chassi 0626 é considerado o melhor deles, uma vez que nunca sofreu um acidente em sua carreira nas pistas. Depois de aposentada, ela passou por vários colecionadores dos EUA e da Europa, e passou 34 anos na coleção Mas du Clos, de Pierre Bardinon antes de ser vendida ao atual proprietário.

 

Os 25 anos da última dobradinha brasileira na F1

Zgn84gd-620x412

Há exatos 25 anos, em 21 de outubro de 1990, dois pilotos brasileiros subiriam pela última vez aos degraus mais altos de um pódio da Fórmula 1. Foi no GP do Japão daquele ano, o mesmo em que Senna e Prost decidiram o título batendo seus carros. Os brasileiros eram o tricampeão Nelson Piquet e seu amigo de infância Roberto Pupo Moreno, ambos pilotando pela Benetton.

Depois da “treta” entre Senna e Prost, a Bergher assumiu a ponta, mas rodou na curva 1 na segunda volta. Nigel Mansell tomou a dianteira e lá ficou até a volta 26, quando teve um problema no semi-eixo e abandonou. Com a quebra de Mansell, Piquet assumiu a liderança, logo à frente de Roberto Pupo Moreno. Os dois mantiveram as posições até a bandeirada, com uma diferença de 7:22 entre Piquet e Moreno. Piquet chegou à sua 21ª vitória e Moreno ao seu primeiro — e único — pódio na F1.

Os parceiros do Grande Prêmio conversaram com Piquet e Moreno a respeito dessa dobradinha, e também sobre como Nelsão incentivou seu amigo a começar a correr de monopostos.

 

Nakata lança amortecedores especiais para carros rebaixados no Brasil

Captura de Tela 2015-10-21 às 12.54.07

A Nakata está lançando no Brasil uma linha de amortecedores especiais para carros rebaixados desenvolvida em parceria com a Tebão Suspensões. Trata-se da primeira linha exclusiva para carros rebaixados no Brasil, e inclui modelos para uso com suspensão fixa, de rosca ou a ar. Os amortecedores são fabricados no Brasil e têm três anos de garantia, além de homologação do Inmetro.

Os amortecedores estão disponíveis para os seguintes modelos: Audi A3, VW Bora, VW New Beetle, Golf 99 a 2014, Agile, Corsa, Celta, Classic e Prisma, Bora, Fox (todos os modelos), Gol (todos os modelos), Golf 99 a 2014, Montana (todos os modelos), Palio (todos os modelos), Parati G1 – Parati G2 – Parati G3 – Parati G4, Passat brasileiro, Polo hatch e sedã, Santana, Saveiro (todos os modelos), Siena (todos os modelos) e Voyage (todos os modelos). Para mais informações visite o site da Nakata.

 

Chip “oficial” de rastreamento e localização não será mais obrigatório nos carros brasileiros

tecnico-do-detran-de-roraima-instala-chip-do-siniav-1432069696632_615x300

Você deve lembrar que há alguns anos o governo propôs a obrigatoriedade da instalação de chips de rastreamento e localização para todos os carros novos fabricados no Brasil a partir de 2016. A medida era justificada pelo “alto número de roubos de veículos” no Brasil (algo que, de certa forma, admitia a incapacidade da segurança pública brasileira em geral), e foi regulamentada em 2009 para entrar em vigor a partir de maio de 2016.

Agora, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran), publicou no Diário Oficial da União desta última terça-feira (20) uma resolução que extingue a obrigatoriedade do chip de identificação de fábrica. O chip era parte do Sistema Integrado de Monitoramento e Registro Automático de Veículos (Simrav), e funcionaria como rastreador e bloqueador, mas a justiça considerou que o sistema comprometia a privacidade dos motoristas e barrou sua aplicação.

A suspensão do chip, contudo, não impede a implementação do Sistema Nacional de Identificação de Veículos (Siniav). O chip não usará localizador GPS e irá identificar os veículos por frequência de rádio captada por antenas leituras em centrais de processamento. O objetivo é localizar mais facilmente os veículos em situação irregular.

 

Toyota reune Marty McFly e Dr. Brown para apresentar o Mirai

Se você é fã dos filmes “De Volta Para o Futuro” sabe que o carro que chegará a 2015 em algumas horas é movido a lixo residencial. Depois de viajar ao futuro pela primeira vez, o dr. Brown encontra um reator nuclear caseiro que transforma lixo orgânico em energia nuclear para produzir 1.21 gigawatts e alimentar os circuitos do tempo. Agora a Toyota encontrou uma forma de mostrar que o novo Mirai, seu modelo esquisitão movido por hidrogênio e célula de combustível funciona da mesma forma. Ou quase isso.

Eles não poderiam ter feito a apresentação de uma forma melhor: Christopher Lloyd e Michael J. Fox reunidos novamente para conversar sobre o futuro. Se você entende inglês irá sacar várias citações do próprio filme repetidas ao longo do vídeo. Ele conta a história de um fã da saga que é supostamente um “Doc Brown da vida real”, e inventou uma forma de usar lixo para abastecer seu carro. Logicamente o processo não é tão direto como no Mr. Fusion do filme — na verdade o lixo é processado e dos gases resultantes desse processamento se extrai o hidrogênio que move o carro.

O vídeo todo na verdade é cheio de referências diretas ao filme, não somente nas falas, mas também em elementos como a Tacoma com faróis KC, a maquete de Hill Valley e até o caminhão GMC de Doc Brown, de onde sai o Toyota Mirai envolto por fumaça branca e com as placas “Outtatime”. Depois dessa, você até passa a olhar para o Mirai com outros olhos. Hmm, pensando bem, um DeLorean elétrico ainda seria mais legal.

Na verdade a Toyota fez uma série de vídeos para esta campanha, com direito a um comercial da “Statler Toyota” (a concessionária que recebe a picape preta no começo do primeiro filme) e uma volta ao laboratório do Dr. Brown, onde o rádio ligado anuncia o evento especial da concessionária.

 

Waze é atualizado com novo visual

O Waze já está por aí há mais de cinco anos, e desde que o conhecemos sempre teve o mesmo design de menus, mapas e botões. Pois bem, alguém achou que estava na hora de mudar isso, e agora a mais recente atualização do nosso localizador de radares e rotas alternativas favorito trouxe um novo visual para o app.

Segundo o Google, que comprou o Waze em 2011, a nova versão é “completamente nova e muito aperfeiçoada”. Além do visual dos botões e menus, as funcionalidades básicas e mais utilizadas estão mais fáceis de se acessar. As capacidades do app continuam as mesmas que lhe renderam o sucesso atual: recálculo de rotas em tempo real e alertas de acidentes e radares. Curiosamente, apesar de ser um app do Google a nova versão foi lançada somente para dispositivos da Apple (iOS). Os usuários de Android terão que esperar um pouco mais. Quem sabe a demora seja compensada com funções exclusivas?

Matérias relacionadas

A volta da Puma, multas para ultrapassagens irregulares ficarão mais caras, Jetta 1.4 Turbo é visto no Brasil e mais!

Leonardo Contesini

Project Cars #506: a conversão do meu Mercedes-Benz C280 em um C36 AMG

Leonardo Contesini

Governo não irá subsidiar programa de renovação da frota, Mercedes irá matar linha AMG Sport, Audi lança novo A4 Allroad Quattro em Detroit e mais!

Leonardo Contesini