A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Yin e Yang: porque nem toda Ferrari F40 tem que ser vermelha

À esta altura, você já deve saber o básico sobre a F40, a mais adorada de todas as Ferrari. Se a memória está fraca, aí vai um recap: motor V8 biturbo de 2,9 litros e 478 cv, 0-100 km/h em 3,8 segundos, máxima de 320 km/h (o primeiro carro de produção a atingir esta velocidade) e 1.315 unidades produzidas entre 1987 e 1992 — todas elas em Rosso Corsa.

f40

Não vemos problema nenhum em uma Ferrari vermelha — a cor parece ter sido feita para as criações de Enzo (embora todo mundo saiba que a cor vermelha é usada pelos italianos há muito mais tempo), e é uma combinação difícil de dar errado. Só que há algo particularmente intrigante em uma Ferrari de outra cor — e não precisa nem mesmo ser uma clássica. Uma 458 Italia azul, por exemplo, certamente chamaria muito mais a nossa atenção do que uma escarlate.

A Ferrari também é uma das marcas que colecionam os fãs mais radicais, que acreditam que todo carro com um cavallino rampante na grade é perfeito exatamente como sai de Maranello e que, por isso, modificar uma Ferrari é quase um sacrilégio, salvo raras exceções. Obviamente que nem todos são assim, mas eles existem.

Se a F40 é a mais idolatrada entre todas as Ferrari, naturalmente modificar uma delas seria um ato condenável entre seus admiradores mais afoitos. Pintá-la de outra cor que não seja Rosso Corsa, então, seria um pecado, certo?

Nem tanto. Existem algumas Ferrari F40 pintadas (ou envelopadas) com outras cores no mundo — e o resultado é surpreendentemente agradável:

 

Agora, poucas F40 não-vermelhas nos chamaram tanto a atenção quanto esta dupla: a Ferrari F40 branca da customizadora japonesa Liberty Walk e a F40 preta restaurada pela Gas Monkey Garage.

Os dois carros não tem relação alguma além de serem duas F40 — a branca ficou famosa em 2009 quando apareceu pela primeira vez no Speedhunters, enquanto a segunda ganhou os holofotes quando foi recuperada e restaurada pelos caras da Gas´Monkey Garage, e teve o processo documentado em um episódio do programa Fast n’ Loud, do Discovery Channel. Contudo, apesar de separados por e milhares de quilômetros, os carros se complementam como yin e yang. Na filosofia chinesa, a natureza tem dois lados: yin é o lado escuro e negativo, enquanto yang é o lado claro e positivo. Tudo no mundo é regido por estas duas forças.

 

Yang

f40-white (4)

Aqui, o yang vem antes porque a Ferrari branca da Liberty Walk veio primeiro. A Liberty Walk, ou LB Performance, foi fundada em 1993 no centro de Nagoya, no Japão. Contudo, sua fama veio graças à F40 branca que o proprietário, conhecido apenas como Kato-San, fez para si mesmo. Ele diz que criou a Liberty Walk para renovar a cena de customização de seu país, que andava estagnada, e queria que os jovens se interessassem novamente pelos carros.

Hoje a Liberty Walk oferece projetos ousados, como body kits extremamente largos para esportivos e supercarros e pinturas extravagantes. Comparados às criações mais recentes, a F40 é até conservadora. Mas, lembre-se, é uma F40 — não é preciso transformá-la em outro carro para atrair olhares de admiradores e haters na mesma proporção.

f40-white (7)

Além da pintura imaculadamente branca e das rodas Enkei Sport 12J forjadas, feitas sob medida com sistema de cubo rápido, o carro recebeu um sistema de suspensão regulável a ar Roberuta. Os faróis escamoteáveis deram lugares a unidades fixas e o aerofólio traseiro — feito pela própria LB —, tudo para emular o visual da F40 LM. O para-choque traseiro e o longo spoiler dianteiro de fibra de carbono também foram feitos in house, e o acabamento de todas as peças é tão bom que, sinceramente, parecem originais.

O motor continua sendo um V8 biturbo de 2,9 litros e 478 cv. Contudo, Kato-San trocou o sistema de escapamento original por outro, feito sob medida — sem catalisador ou abafadores, com tubulação de titânio. Uma obra de arte — que deixou o ronco do V8 ainda mais visceral.

Se este carro não fosse uma F40, não fosse sagrado e intocável, dificilmente alguém o criticaria. Tente esquecer por alguns instantes do significado deste carro no mundo, finja que ele não é uma divindade e tente não admirar o visual, o ronco ou o trabalho da Liberty Walk. Vamos, é um desafio.

 

Yin

f40-black (6)

Avançando alguns anos no tempo, temos isto: a F40 preta da Gas Monkey Garage. A história deste carro é ainda mais impressionante: em 2011 seu dono, morador de Houston, Texas, estava viajando a trabalho na Europa e deixou o carro aos cuidados de um mecânico. O mecânico saiu para um “test drive” e bateu no portão de uma casa, supostamente em alta velocidade.

f40-black (1)

O carro teve a frente toda destruída e, segundo relatos, sofreu danos no monobloco, tendo declarada sua perda total. O dono só ficou sabendo quando voltou de viagem, e acabou vendendo o carro por US$ 400 mil (cerca de R$ 880 mil) — porque uma Ferrari F40 destruída ainda é, bem, uma Ferrari F40.

Acontece que os compradores foram Aaron Kaufman e Richard Rawlings, da Gas Monkey Garage. Os caras são especialistas em hot rods, mas decidiram dar uma chance ao supercarro italiano.

O carro foi desmontado até sobrar apenas o monobloco e teve todas as partes danificadas substituídas por componentes feitos à mão — usando fibra de carbono e aço italiano. Além disso, o interior recebeu novos bancos Recaro do tipo concha — porque os originais em vermelho eram “velhos e feios”, segundo Kaufman e o motor recebeu dois novos turbocompressores, maiores e com mais pressão, elevando a potência do motor para 550 cv.

A pintura preta é complementada por rodas HRE de três peças — também pretas — e os faróis escamoteáveis deram lugar a entradas de ar para o motor (que é arrefecido por um novo radiador). O escapamento foi todo refeito pela Tubi, e os amortecedores originais foram substituídos por unidades ajustáveis da Penske Racing.

A ideia era fazer um carro “melhor, mais direto, mais leve e mais rápido”. Eles não só conseguiram, como renovaram uma F40 que parecia um caso perdido e a deixaram extremamente fodástica. Mesmo que você não concorde com as modificações, é preciso admitir que, se não fosse pelos caras da Gas Monkey, o mundo teria uma F40 a menos nas ruas.

E não fomos apenas nós quem aprovamos a transformação da F40: em janeiro deste ano o carro foi leiloado pela Barrett-Jackson em Scottsdale e arrematado por US$ 675 mil. Com as taxas, o valor subiu para US$ 742.500 — ou R$ 1,63 milhão.

f40-black (1)

Para nós, estes dois carros são a prova definitiva de que nada é tão perfeito que não possa ser melhorado — ou que, pelo menos, nada impede que alguém tente fazê-lo. Os carros realmente ficaram melhores do que uma F40 original? A resposta é subjetiva, mas é certo que eles conseguem ser ainda mais exclusivos. E nós não vemos mal algum nisso.

[ Fotos: Andy Link, Dino Dalle Carbonare (branca), Gas Monkey Garage, Barrett Jackson (preta) ]

Matérias relacionadas

Lendas de Le Mans: o surgimento e os primeiros vencedores da maior corrida do planeta

Dalmo Hernandes

Estes foram os carros mais caros leiloados em 2014

Leonardo Contesini

As evoluções do Fusca que não tivemos no Brasil

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados