A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos Projetos Gringos

Algum maluco colocou um V12 AMG de 7,3 litros e 565 cv em um Mercedes-Benz W123 Wagon

O Mercedes-Benz W123 Wagon é conhecido por sua discrição, sua robustez e sua versatilidade — ele pode ser um daily driver fiel por décadas, um indestrutível táxi capaz de rodar centenas de milhares de quilômetros (pergunte a qualquer um na África do Sul, onde os táxi Mercedes das antigas ainda são muito populares) e até uma máquina de andar de lado em competições de dorifuto.

O motor V12 M120 da Mercedes também goza de uma bela fama — afinal, estamos falando de uma verdadeira obra-prima da engenharia alemã, que esteve no cofre de praticamente todo Mercedes-Benz com motor V12 nos anos 1990 e início dos anos 2000. E isto inclui até mesmo o Mercedes-Benz CLK GTR, que nasceu para competir nas provas de longa duração e ganhou uma versão de rua para homologar o carro de corrida.

E o que acontece quando você junta os dois? Basicamente, o sonho de qualquer entusiasta — especialmente se o W123 em questão for uma perua, e se você tiver uma quedinha pelos Mercedes-Benz.

O M120 é um motor V12 com bloco de alumínio e comando duplo nos cabeçotes, com quatro válvulas por cilindro (48 válvulas no total). De início, tinha deslocamento de seis litros (5.987 cm³). Com diâmetro x curso de 89×80,2mm, é um motor relativamente girador que, em sua especificação mais mansa, entregava cerca de 400 cv — suficientes para levar o sedã S600 da geração W140 até os 100 km/h em seis segundos.

amg_mercedes-benz_s-klasse_5

E se isto já lhe soa muito bem, saiba que o M120 ficou ainda maior e mais potente com o passar dos anos. Em 1999, se você tivesse grana e paciência o suficiente, podia comprar um Mercedes-Benz SL600 R129, roadster esportivo vendido pela marca na época, e transformá-lo em um verdadeiro monstro. Originalmente, ele vinha com o M120 original de seis litros e  400 cv, mas você podia levá-lo para a AMG e pedir que eles fizessem sua mágica.

mercedes-benz_sl_73_amg_2 mercedes-benz_sl_73_amg_4

mercedes-benz_sl_73_amg_1

O resultado era o Mercedes-Benz SL73 AMG. Se você esta acostumado com a nomenclatura clássica, já entendeu mais ou menos do que se tratava. A AMG ampliava o deslocamento do motor para 7,3 litros e reforçava os componentes internos. O resultado? Nada menos que 525 cv e 76,4 mkgf de torque, suficientes para chegar até os 100 km/h em 4,8 segundos, com máxima de 300 km/h. Nada mal para um carro que pesava quase duas toneladas de aço alemão, não é?

E não parou por aí: como mencionamos há pouco, o Mercedes-Benz CLK GTR, criado para ser um rival de peso para o McLaren F1 no FIA GT, também usou o M120, em uma versão de 6,9 litros, com pistões forjados, bielas de titânio e 600 cv. Com ele, a Mercedes conquistou o título de construtores do FIA GT de 1997 depois de vencer seis vezes — a primeira delas, em Nürburgring.

Sendo assim, não foi à toa que Horacio Pagani optou pelo M120 ao projetar o supercarro de seus sonhos. Lançado em 1999, o Pagani Zonda, original usava exatamente o mesmo V12 de seis litros do S600, com cerca de 400 cv, acoplado a uma caixa manual de cinco marchas. Era o bastante para levá-lo até os 100 km/h em 4,2 segundos e aos 160 km/h em 9,2 segundos.

A cada ano, novas atualizações foram promovidas no Zonda e em seu motor — sempre com base no M120. No Zonda S, por exemplo, o deslocamento foi ampliado para sete litros, enquanto a potência subiu para 550 cv. No insano Zonda 760S, são 7,3 litros e 760 cv — sem qualquer tipo de indução forçada, é importante frisar.

O que, finalmente, nos traz ao carro que viemos mostrar hoje: um Mercedes-Benz W123 wagon equipado com um V12 M120. É óbvio que o motor não foi usado apenas no Pagani Zonda, mas é difícil resistir à tentação de dizer que se trata de uma perua clássica alemã com motor de supercarro, não é mesmo? Não precisa se sentir culpado por encarar as coisas desse jeito — nós, ao menos, não nos sentimos.

w123-v12-pagani-zonda (10) w123-v12-pagani-zonda (8)

Trata-se de um projeto russo (de onde mais, não é mesmo?), o que dificulta bastante o acesso à informações mais específicas. O que sabemos é o seguinte: o dono deste carro tinha um W123 com um seis-em-linha M110, de 2,8 litros. Quando o motor, depois de muito uso, finalmente entregou os pontos, ele decidiu que o próximo coração definitivamente seria maior e mais potente. Mas tem gente que não sabe brincar.

w123-v12-pagani-zonda (4)

O motor ocupa praticamente todo o cofre do carro e certamente exigiu algumas modificações estruturais por causa das novas dimensões e do peso do V12. Trata-se de uma versão de 7,3 litros, 558 cv e 73,4 mkgf de torque do M120, acoplada a uma caixa automática de cinco marchas — conjunto que, aparentemente, veio de um raro Mercedes-Benz S73 AMG, versão mais estúpida do Classe S W140.

w123-v12-pagani-zonda (6) w123-v12-pagani-zonda (5) w123-v12-pagani-zonda (7) w123-v12-pagani-zonda (11)

Repare como o painel dianteiro foi trucidado e refeito artesanalmente. Certamente que o sistema de arrefecimento terá que encontrar um posicionamento alternativo para os radiadores

O carro ainda não está rodando, aparentemente. A última grande atualização foi um vídeo (de qualidade bem sofrível, por sinal) com o V12 funcionando. O ronco é simplesmente absurdo.

O criador do projeto afirma no site Drive2.ru que sua ideia é montar um carro de rua, com interior completo, cinco lugares e todo o conforto do W123 original, e não um monstro de pista.

w123-v12-pagani-zonda (9)

Claro, aparentemente ainda falta bastante para que o projeto seja concluído mas, quando alguém coloca um motor de supercarro em uma perua das antigas, não há como ignorar. Só desejamos que esta besta fique pronta logo!

Matérias relacionadas

Sim, a Jeep colocou o Hellcat em um Wrangler – e ainda fez uma picape Renegade!

Dalmo Hernandes

Little Bastard: o Porsche 550 amaldiçoado de James Dean pode ter sido reencontrado

Dalmo Hernandes

Este Batmóvel de 1966 é praticamente original – e agora pode ser seu por R$ 1,6 milhão

Dalmo Hernandes