FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Atomic Punk: o hot rod moderno inspirado por Ed Roth e por uma música do Van Halen

Quando surgiram, na década de 1940, os hot rods tinham a funcionalidade como principal objetivo. Criados para vencer pegas de semáforo e quebrar recordes de velocidade nas planícies de sal de Bonneville, os hot rods eram cupês e conversíveis com painéis da carroceria removidos para reduzir peso e motor preparado – geralmente com mais deslocamento, comando de válvulas mais agressivo, maior taxa de compressão, carburadores mais robustos (e quase sempre em maior quantidade) e supercharger. Não demorou muito, porém, para que o estilo dos carros se tornasse fundamental para que um projeto fosse considerado bem sucedido.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Um dos maiores expoentes da cena hot rodder no mundo foi, sem dúvida, Ed “Big Daddy” Roth. Uma das lendas da Kustom Kulture, Ed Roth foi o criador do mascote Rat Fink, um rato de esgoto com olhos esbugalhados e pele verde como um zumbi, e também o pai de alguns dos hot rods mais icônicos das décadas de 1950 e 1960.

Entre eles, está o Beatnik Bandit, de 1961 – representante de uma época na qual muitos hot rods já não eram projetos ditados pela função, e sim pelo estilo e pela extravagância. Feito sobre um chassi Oldsmobile da década de 1950, o Beatnik Bandit tinha um V8 de cinco litros com supercharger, suspensão independente por braços triangulares na dianteira e eixo rígido na traseira, e um joystick no lugar do volante.

Mas sua característica mais marcante era a carroceria de fibra de vidro que, em vez de uma capota convencional, tinha uma bolha de acrílico – influência da onda futurista da época, que por sua vez era embalada pela corrida espacial entre os Estados Unidos e a União Soviética. São os chamados bubble tops.

O Beatnik Bandit também ficou famoso por ser um 16 primeiros Hot Wheels quando a linha de miniaturas 1:64 foi lançada, em 1968. Hoje ele é considerado um dos hot rods mais influentes do mundo.

Embora o visual espalhafatoso dos hot rods tenha se tornado datado, a Kustom Kulture jamais deixou de ter admiradores e adeptos. E um deles, inspirado pelo Beatnik Bandit e por outros hot rods com bolhas de acrílico, criou um bubble top que não ficaria deslocado caso voltasse cinco ou seis décadas no tempo: o Plymouth Atomic Punk – que nesta semana foi incluído em um pacote DLC para Forza Motorsport 7, o rival de Gran Turismo 6 para XBox One. O carro faz parte do pacote Barrett-Jackson Car Pack, que inclui sete carros históricos que já foram leiloados pela Barrett-Jackson.

O carro ficou bem conhecido no meio há cerca de 11 anos, em 2008, quando foi tema de matérias em sites e revistas especializados na Kustom Kulture. Embora existam vários hot rods modernos inspirados no passado, o que tornava o Atomic Punk impressionante era sua fidelidade ao estilo de Ed Roth – ele realmente parece ter sido feito nos anos 50 ou 60, e foi todo construído de forma artesanal por um norte-americano chamado Aaron Grote. Ele começou a flertar com a customização em 1999, e deu início ao projeto Atomic Punk entre 2006 e 2007.

O carro usa como base um chassi Plymouth Savoy datado de 1959, que também forneceu as “barbatanas” traseiras. A carroceria, embora lembre muito as criações de fibra de Ed Roth, foi feita toda de aço por Aaron em sua roda inglesa.

Além das peças do Plymouth Savoy, ele utilizou o teto de um Oldsmobile 1954 para formar a parte inferior da carroceria, e o capô de uma picape Ford 1959 para a porção inferior da traseira. Os faróis vieram do Plymouth Savoy, enquanto as lanternas são de um Ford 1951. O restante da carroceria foi feito sob medida, com o metal moldado na roda inglesa.

E houve algumas partes onde a criatividade e o improviso foram empregados, como a grade dianteira – o acabamento consiste em 157 puxadores de gaveta, cada um deles colocado à mão, em um processo que, sozinho, levou oito horas.

O interior minimalista conta apenas com bancos integrados à carroceria, revestidos com vinil branco, assim como os revestimentos de porta; carpete vermelho; um volante de três raios metálicos e dois mostradores alojados nas carcaças dos faróis de um Pontiac 1936. Há um console central bem avantajado, que separa os assentos e esconde o atuador elétrico para a bolha.

Esta, aliás, não foi construída por Aaron, e sim comprada – na época da estreia do carro, ele contou à revista Rod & Custom que adquiriu a peça de um fornecedor de equipamentos militares antigos e que provavelmente ela veio de algum projeto espacial experimental soviético. O quanto desta história é verdade? Talvez nunca saibamos.

Como muitos hot rods, icônicos ou não, o Atomic Punk é movido por um motor V8 que fica totalmente exposto entre a grade e a carroceria. Trata-se de um Hemi 392 comprado de um amigo, que montou o motor para um project car anterior, mas descobriu no último instante que o V8 não caberia no cofre e decidiu vendê-lo.

O motor foi todo cromado, e recebeu um coletor de escape 8×2 e oito carburadores Holley 94, pistões Arias com taxa de compressão de 10:1 e coletores de admissão feitos sob medida. A potência é de cerca de 450 cv, moderados por uma transmissão automática de três marchas Turbo-Hydramatic 400.

Pintado de vermelho Candy Apple Red, da House of Kolor, o Atomic Punk teve seu visual completado por rodas Atro Supreme de cinco raios, com 15×6 polegadas na dianteira e 15×8 polegadas na calçadas com pneus Radir Cheater com banda branca – slicks riscados, fabricados com técnicas modernas, porém imitando o visual dos pneus diagonais de antigamente.

O trabalho de criação e execução do Atomic Punk levou pouco mais de um ano, e só depois que o carro ficou pronto foi que Aaron escolheu o nome do carro. “Atomic Punk” é o nome de uma música do Van Halen, lançada no álbum auto-intitulado de 1978 – e pareceu apropriado, pois o vocalista do Van Halen na época era David Lee Roth, que tem mesmo sobrenome de Ed Roth.

O Atomic Punk foi vendido em 2010 a um colecionador chamado Rob Benigar, que sofreu um acidente com o carro pouco depois  – causando um incêndio no carro, que ficou parcialmente destruído. O dono seguinte foi Richard Rawlings, da Gas Monkey Garage, que restaurou e consignou o hot rod para que fosse leiloado pela Barrett-Jackson em 2011. Segundo o que Aaron contou ao Hemmings, ao que tudo indica o carro ainda está nas mãos de seu último comprador – Ernie Moody, dono do site de pôquer virtual VideoPoker.com.

Ele também contou que faz alguns meses que a Turn10 Studios, desenvolvedora de Forza Motorsport, lhe pediu permissão para colocar o Atomic Punk em Forza 7. Entretanto, ele não se envolveu no processo de digitalização do carro – a única coisa que ele fez foi enviar o link de um vídeo onde faz um test drive no hot rod. Que, aliás, teve seu ronco perfeitamente recriado no game.

 

Matérias relacionadas

Civic Nation 7: saiba tudo o que rolou no maior encontro de Honda do Brasil!

Juliano Barata

Máquina do tempo: veja a história do DeLorean DMC-12 neste minidocumentário imperdível

Dalmo Hernandes

Taurus SHO: quando a Ford chamou a Yamaha para criar um ícone americano

Dalmo Hernandes