Citroën ZX Coupé: novos upgrades e mais um dia na pista com o Project Cars #417

André Lenz 24 dezembro, 2017 0
Citroën ZX Coupé: novos upgrades e mais um dia na pista com o Project Cars #417

Olha nós aqui de novo, completando agora um ano de PC aqui no FlatOut, e ainda temos muito trabalho a fazer. Loucura, loucura!

Bom, paramos numa extasiada experiência de track Day sem quebras, tudo numa boa, mas ainda tinha muito trabalho a fazer, pois levamos o carro ainda meio cru pra pista e algumas coisas precisam ser resolvidas.

Primeira tarefa seria colocar os acabamentos originais neste carro, e isso foi uma tarefa bem árdua, porque não existem mais presilhas originais a venda para este carro, fora o fato de que em praticamente todas as molduras originais não sobra nenhum porta presilha inteiro. Comecei então uma peregrinação em lojas de auto peças para encontrar uma presilha que coubesse no buraco da lataria do carro e encaixasse no porta presilha e não encontrei. Fui a umas cinco ou seis lojas e nada, até que uma das lojas um rapaz me deu a ideia de usar o conjunto parafuso e porca do Corsa, Montana etc. O rapaz foi muito atencioso para uma venda de 20 reais, pois ele perdeu um tempão tentando me ajudar a encontrar uma presilha que desse pra adaptar.

acabamento 1

A ideia seria colocar essa presilha no acabamento e a porca pelo lado de dentro, deixando ela assim fixa, e de quebra ela não iria soltar, pois a presilha original é só encaixada no buraco e não é raro alguns amigos nossos perderem o acabamento por conta de altas velocidades. Por isso este acabamento dianteiro de ambos os lados está ganhando valor por aí, não se acha por menos de 200 reais. Acho que eu fui o último a vender um acabamento destes no mercado livre por um preço justo de R$ 80.  Lógico que eu tenho um jogo destes guardado para o futuro — como quase tudo desse carro que eu guardo uma peça reserva. Parece loucura, eu sei, mas devido à minha privilegiada situação de ter desmontado três carros posso me dar ao luxo.

No spoiler lateral ou acabamento ou polaina, seja lá como você chama isso na sua terra, eu colei a parte do parafuso com aquele produto milagroso que eu já mostrei por aqui antes, que é tipo uma massa epóxi misturada com Super Bonder e deixei bem fixo. Depois foi só colocar no carro e passar a porquinha plástica por dentro prendendo ele. Parece fácil, mas é um processo que demora bastante, fiquei algumas horas para colocar somente um lado. Depois mais algumas horas para o outro lado e assim por diante. Eu tinha fotos e vídeos deste processo, mas por um descuido foram apagadas do meu celular, sobraram essas aqui mas que já dá pra ter uma ideia de todo o processo.

Na parte do spoiler lateral poderia ter sido mais difícil, pois existem dois tipos de presilha, uma na parte superior e outra na parte inferior.

spoiler

As presilhas 5 e 10 da foto acima são as presilhas superiores, que vão no spoiler e engatam em pequenos furos na carroceria deixando o spoiler colado na caixa de ar. Já a presilha 9 da foto é a que dá sustentação ao spoiler, prendendo na parte inferior da caixa de ar. Por um milagre quando eu comprei o ZX, logo achei que iria precisar de presilhas para o acabamento e procurei no Mercado Livre. Encontrei somente essas inferiores novas e arrematei todo o estoque do vendedor, e que sorte viu? Pois além de ser a única presilha que estava a venda é também a única que não dá pra adaptar no carro, a outra opção seria fazer furos na carroceria o que eu não estava nem um pouco afim de fazer. Ali na foto o 8 é um ponto de fixação soldado na carroceria do carro e que fixa essa presilha, e aqui nada melhor do que o original, na parte de cima foi fácil resolver, só colocar dupla face de fora a fora e resolvido, spoiler com contato inteiro na caixa de ar, sustentando e bem firme pelas 9 ou 10 presilhas originais.

Bom, com a colocação dos spoilers o carro já estava com outra cara. Nesse período foram chegando os adesivos da China. A opção de adesivos veio depois que eu decidi não pintar o carro, visto que o dinheiro que eu iria gastar para fazer uma pintura de primeira no carro serviu pra custear praticamente a metade do valor que eu paguei pelo carro preto que não precisaria pintar. Então pensei, se o carro é de uso de pista, porque não dar uma pegada racing? Os adesivos além de deixar o carro dicurrida, serviriam ainda para disfarçar as diferenças de pintura existentes no carro, pois quem não se lembra, o carro ficou por anos exposto no tempo em São Paulo e existia uma diferença de verniz queimado para não queimado — ou seja, 50 tons de cinza.

Antes o carro estava assim:

antes 1

Agora o carro já estava assim:

Quase esqueci, também montei os acabamentos internos do carro no console, é bem chato e perigoso, existem uns grampos de ferro que renderam um corte profundo com muito sangue.

Com o carro andando finalmente pude transferir para o meu nome e também fazer o processo todo para a troca de motor no documento, o pessoal da vistoria já tinha sofrido no cinza para achar o número do motor, mas agora já estava fácil, foi só jogar na rampa e eles pegaram o número rapidinho.

Uma curiosidade nesse carro, é que eu fiz seguro, tanto para ele quanto para o preto. No preto eu fiz seguro primeiro, levei para vistoria e passou de boa, sem problema nenhum. Já no prata o meu corretor tentou fazer um seguro um pouco mais barato, e pra isso me mandou em uma outra empresa de vistoria.

Cheguei lá o vistoriador tinha uns 22 anos eu acho, se bobear não era nem nascido quando o meu carro foi feito, pois é, ele olhou o carro por todos os lados, e fez a vistoria. Eu achei estranho que ele olhava muito o carro, pensei que ele fosse um curioso admirando, sei lá, quando para minha surpresa meu corretor disse que o carro tinha sido reprovado por ser rebaixado. O quê? ##@*$¨%&%$¨&&%$!, já resmunguei no telefone. Que bicho tonto, poderia pelo menos ter me perguntando sobre o carro.

Pois então, é bem comum pessoas do nosso grupo serem multados por carro rebaixado, pois muita gente nem conhece o carro e alguns policiais então nem era nascidos quando esse carros saíam da concessionária. Em cidades pequenas então é pior ainda. Só pra ter uma ideia fizemos uma pesquisa no Denatran, lá tem um lugar que dá os carros por modelo e por cidade, uma planilha gigante do Access, e descobrimos através dela que eu tenho os dois únicos ZX Coupê de Joinville, dá pra entender a dificuldade né? É bem comum quando eu ando com o carro as pessoas me dizerem que nunca viram um carro desses, bom, pela planilha do Denatran entendo por quê.

Para driblar essa falta de conhecimento, muitos do nosso grupo andam com o manual dentro do carro, pois lá tem a altura do carro que pode ser conferida na hora por um policial por exemplo. Depois disso pelo menos ninguém no grupo tomou mais multa. Pra finalizar esta história pedi outro seguro e dessa vez ao fazer a vistoria eu já perguntei pro rapaz, quantos anos ele tinha. Ele achou a pergunta estranha, mas daí expliquei pra ele a situação e ele disse que conhecia o carro e que sabia que era baixo assim original, desta forma o prata também ganhou seguro de terceiros.

Bom, voltando, uma época eu tive a ideia de plotar o carro de prata fosco, seria uma alternativa para a pintura em um primeiro momento e que ficaria em torno de uns 800 reais. Mas eu queria fazer em casa mesmo, não só por economizar quase uns 500 reais nesse processo, mas pelo prazer de fazer mesmo. Comprei soprador térmico e o adesivo para plotar por uns 300 reais. Vi trilhões de vídeos no youtube, mas acabei abandonando toda a ideia depois da história do carro preto, mas o adesivo estava lá, então com a ajuda da minha esposa plotamos o capô do carro inteiro.

capô 1

Aproveitei o prateado para fazer umas letras e assim dar o nome do carro, em uns adesivos da china vieram uns pedaços de vermelho para colocar no spolier que eu acabei não aproveitando, recortei e fiz símbolos Citroën pro nome e para a traseira do carro.

Nestas fotos eu estava testando a roda Challenger que eu fiz rolo naquelas Zettas douradas, lembram? Aquelas rodas para serem usadas no carro precisariam de espaçadores gigantes pois o offset delas era Ford. Então acabei fazendo rolo nessas challenger originais do Peugeot 306 conversível, são rodas produzidas pela BBS. Mas no final das contas para o carro de pista o melhor é usar 15 com um pneu mais borrachudo mesmo, com perfil maior. Daí eu pensei, vou usar no preto por enquanto, mas ao mesmo tempo o preto eu quero 100% original, então enquanto eu resolvo essa bipolaridade, estou vendendo elas, se interessar me dá um toque, fica muito top em 206, 306, 205 — é só fazer uma busca no Google que vai ver o potencial dessas rodas. Quase esqueço, os pneus já vendi, tinham o perfil muito baixo para o asfalto da minha cidade.

roda

Agora com a parte externa quase andando, foi a vez de dar um trato no interior. Primeiro coloquei um rádio padrão original que eu tinha guardado há anos. Nenhum Citroën ZX no Brasil saiu com rádio, todos vieram pelados, fato comprovado pelo service da Citroën, mas nas concessionárias era possível colocar um rádio de época. O rádio que eu coloquei era o padrão FIC dos anos 90 servindo várias fabricantes como Ford, Volks e até Chevrolet com algumas mudanças em botões etc. Então achei um badge Citroën, colei em cima do Ford desse rádio e taquei no carro. Casou muito bem com a iluminação.

Aproveitei para colocar uma luz de cortesia Citroëm, que vocês viram no vídeo do último post, e também coloquei um carregador USB com medidor de bateria que quase fechou no tamanho do painel de instrumentos do ZX. O legal é que além de ter uma tomada para acoplar a Gopobre, eu tenho um medidor da tensão de bateria do carro podendo inclusive monitorar alternador e parte elétrica. Achei muito bacana. Tudo China a preço de banana.

medidor

Depois de perder a virgindade em um track Day, nada melhor do que perder a virgindade num Hot Lap também não é? Daí surgiu a oportunidade de ir no Hot de encerramento do clube NSR de Joinville que alugou o speedway de Balneário Camboriú exclusivamente para este evento. Como estávamos entre amigos, seria muito mais tranquilho, inclusive recebendo dicas da galera. O hot seria sábado a noite, então lá pelas 8 horas parti rumo ao hot, e foi um evento bem bacana, descontraído, sem aquela gana por ficar na frente do outro, enfim, foi show de bola.

Como você pode ver, eu terminei a plotagem do carro, exagerei um pouco, mas que se dane. Aqui tem as fotos no hot lap e em casa no dia seguinte.

plotagem 1 plotagem 2

Mesmo sendo meu primeiro hot lap ainda fiquei numa posição bem bacana.

resultado

Mas eu queria maaaais, rs. Na segunda feira teria o Hot Lap tradicional do Speedway, organizado por uma galera bem bacana que faz de 15 em 15 dias. A galera entrou na pilha e fomos numa caravana de três carros: o ZX, o 106 com swap do Bruno e um Golf Gti Turbo.

A principio estava tudo correndo bem, estávamos disputando quem não ia ficar em último lugar, rs, pois estava cheio de Bmw, Civic SI, Golf turbo ultimo modelo e Audi, então a brincadeira mesmo era mais na humildade.

Fiz a primeira bateria, a segunda bateria, deixei meu amigo Brandão andar uma bateria e quando eu ia fazer a última bateria um pequeno problema. Do nada começou a sair água e fumaça. Eu não tinha percebido, o Bruno foi pro meio da pista e começou a sinalizar para que eu parasse. Eu estava até tentando fazer uma live nesse dia, mas a conexão da internet estava uma bosta. Eu tava tão sangue nos olhos nessa bateria que nem percebi bandeira quadriculada nem nada. Parei no Box e começamos a procurar um defeito, primeira detecção, era água. Daí pensamos em selo do motor, mas ao colocar uma lanterna lá atrás vimos que a barra de ferro que passa por cima do coletor de escape furou e vazou toda a água por ali. Agora era só chamar o guincho e ir pra casa.

Bom, o que posso dizer? O carro é muito bom de curva, quando você sente o CATT entrar é só sentar a bota no acelerador que o carro vai. No primeiro hot lap de sábado eu fui mais na manhã, o CATT entrava ficava meio assim, mas no de segunda foi sentar a bota total mesmo, o carro segura demais, acho que só não sentei mais a bota porque a suspensão da frente está em migalhas. Quando eu peguei o carro, ele estava muito tempo parado, e dessa forma as borrachas estavam bem duras e travadas, foi só começar a andar com o carro que tudo foi se esfarelando. Bandeja na frente mesmo? Não tinha praticamente mais nada. Então quando eu entrava muito forte na curva, além da atuação o CATT, ainda tinha a virada do CATT dianteiro involuntário. Suspensão tava batendo mais do lutador de MMA. No vídeo acima tem uma hora que dá pra perceber eu saindo de traseira na curva, nessa hora tirei o pé e ele dançou, na verdade eu tinha que ter pisado forte que ele iria corrigir, mas foi fácil trazer de volta. Uma coisa posso afirmar com certeza, esse carros PSA com CATT são uma delícia de dirigir, é o controle de estabilidade raiz, sem eletrônica Nutella.

Enquanto esperava no posto tive a companhia de um muscle car com a placa parecida com a do meu carro. Cheguei em casa naquela noite às três da manhã. Quanto telefonei pra seguradora, já deixei agendado o guincho pra vir buscar o carro às nove da manhã e levar para a Weber.

esperando guincho 2

Bom, carro prata vai pra Weber, carro preto volta pra casa, não dá, não consigo mais ficar sem nenhum carro em casa, tenho que ter uma maconha pra mexer. É mais forte do que eu. Bom, lá na Weber resolvemos abrir o motor, isso porque depois de 5.000 rpm o bicho estava soltando uma fumaça desgraçada, parecia carro de fuga mesmo. Antes de 5.000 ficava de boa, mas depois era a cortina atrás do carro. Logo pensamos que era anel, pois teoricamente esse motor havia sido aberto e remontado praticamente novo, logo, pelo tempo que o carro ficou parado só poderia ser anel. Bom, abrimos o motor e para nossa surpresa não era só anel e sim uma retifica completa.

Daí vem a má fama dos mecânicos cariocas, porque a principio uma renomada preparadora do Rio, havia aberto esse motor e feito ele parcialmente, mas na prática só limpou as peças e montou de qualquer jeito. Por isso que quando liguei lá pra saber sobre o carro o cara foi um babaca e não quis falar muito sobre o carro. Pois é, o que fazer então? Com o track Day a menos de duas semanas começou a correria pra fazer o motor. Corre atrás de peça aqui, manda vir via sedex do mercado livre dali, mas nem vou fazer muito suspense não, rs, o motor não ficou pronto.

gt40-content rule=’1′ widget=’1′]

E agora? Agradeço o Gilberto do Track Day In, que organiza o track em Curitiba, que foi muito solícito e prorrogou minha inscrição para fevereiro, porque não consegui aprontar o carro. Neste exato momento em que estou escrevendo o carro está na Weber, onde estão montando com calma o motor do Dimitri. Já que iríamos mexer em tudo, aproveitei para comprar pinça de freio de 280mm do Citroën C4 para fazer um up na frente e também vamos aproveitar para colocar uma embreagem Valeo novinha que eu tinha comprado pra guardar. Agora esperar que o Dimitri volte mais forte do que nunca.

E enquanto isso? Bom, com o preto em casa comecei a fazer algumas coisinhas nele, e este vai ser o tema do próximo post, se Deus quiser antes do final de janeiro. Por enquanto fica uns spoilers aí.

preto 1 preto 2

E este final de ano vai ser assim:

meme

Por André Lenz, Project Cars #417

0pcdisclaimer2