A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #340

Fiat Uno 1.3 Turbo: a história do Project Cars #340

Sem influência alguma no meio automotivo, ainda criança a paixão por carros surgiu naturalmente. Incomum, pois enquanto as crianças normais da minha idade brincavam de jogar bola, eu “dirigia” as tampas das panelas da minha mãe. Essa obsessão aumentou quando tive meu primeiro contato com modificados com apenas seis anos de idade ao assistir ao primeiro filme da saga Velozes e Furiosos (2001). As luzes, o ronco dos motores e a velocidade, aquilo pra mim foi chocante, assim como uma criança “normal” se impressionava com um ato heroico do Super Homem, Brian O’conner e Dominic Toretto foram os super heróis da minha infância.

Em seguida tive contato real com o mundo dos malucos por carros e velocidade, em campeonatos de arrancada, tive minhas primeiras experiências com carros potentes, o cheiro de metanol com pneu queimado criou um fragrância que hoje não vivo sem.

Flatout

Meu nome é Jean Henrique, sou dono do Project Car #340 que é um Fiat Uno S 1985, conhecido popularmente por Celestino. Celestino entrou na minha família por volta do ano 2000, era o carro da família, todos dirigiam, viagens, compromissos, trabalho, ele servia pra todas as programações familiares. Até que o carro, que pertencia à minha avó, acabou virando um carro reserva, pois todos que o utilizavam, compraram carros mais novos, e o Celestino ficou como segundo plano.

Flatout

Como o carro era familiar, meu sonho era ser dono dele um dia, mesmo não podendo dirigir ele, pois era menor de idade ainda, sempre que podia visitava a casa da minha avó para lavar ele, encerar e dar os cuidados que ele merecia.

Então meus 18 anos chegaram e fui presenteado com a possibilidade de comprar o Celestino em 10 vezes de R$500,00 (!!). Assim que saí para a minha primeira volta com o carro, a 3º marcha encavalou e tive que voltar de guincho pra casa. Mesmo assim estava feliz demais!

Flatout

 

Assim que peguei o carro fiz algumas mudanças para que o visual de “carro de senhora” fosse deletado. Três latas de spray preto deram uma disfarçadas nas rodas, e a suspensão feita com o Willian da DW Suspensões já deu outras características ao carro.

Flatout Flatout

Em seguida tive a oportunidade de colocar umas rodas melhores nele, e assim vieram as Ruff R358 15×8,5 que precisaram de algumas adaptações, porém fizeram um conjunto perfeito montadas com pneu 195/45 no Celeste.

Flatout

Então em fevereiro de 2015, andei pela primeira vez no Track Day no AIC, estar na pista aonde eu despertei minha minha paixão por modificados, a velocidade (Não passava dos 150km/h) e tudo aquilo foi realmente apaixonante, as 11 voltas que dei até derreter meu disco de embreagem ficaram pra história.

Flatout

Apesar de ser ícone de economia, seu motor fiasa 1.3 original com 58cv dava pra se divertir, mais a necessidade de ter mais potencia de baixo do capô bateu mais forte…

Flatout

Depois dessa primeira experiência com pista, tive a necessidade de ter um carro mais “esperto” e mais potente. Sempre gostei mais dos aspirados, então começaram a surgir ideias em montar um motor 1.6 16v do Fiat Tipo. Fiz algumas pesquisas em fóruns e sites, cheguei a pensar  até em um 2.0, porém foi até eu lembrar a sensação de andar em um “turbão”, depois de um rolê com meu brother Kahue no seu Gol 1.6 Turbo, a ideia mudou. Na mesma semana corri atrás de uma oficina especializada em preparação de carros turbo, tive varias opções, porém achei uma interessante pois tinha experiência em Fiat, o que é difícil de encontrar. Como já tinha dois amigos fazendo preparações em seus carros nessa oficina, após uma boa conversa com o Jorge Luiz Guedes, meu atual preparador, que me passou muita experiência e convicção no que falava, uma semana depois meu carro foi pra Borga Motorsport, pra revisão completa do motor, pra que recebesse o kit turbo.

Flatout

Tiramos a mecânica inteira, abrimos, fizemos uma retífica completa na parte de baixo do motor, pois pela altura do carro, infelizmente o cárter pegava muito no chão. Como não tem protetor original as batidas amassaram o cárter e o pescador não puxava a quantidade suficiente de óleo pra lubrificar corretamente. Com a retífica feita, fomos as compras das peças necessárias para começar a parte boa…

Flatout

Bomba de combustível, velas, cabo de velas, bomba de óleo nova e algumas outras peças, porém a melhor parte foi a hora de comprar o kit, o que me trouxe algumas dúvidas sobre o tamanho da turbina. Estava pensando em colocar uma 42/48, mas  descobri que ela seria superior ao tamanho do meu motor 1.3 assim, demoraria muito pra encher. O motor cortaria giro e a turbina ainda não estaria pressurizada. Depois de uma pesquisa com amigos e com o meu preparador, optei pela turbina T2, uma turbina pequena, geralmente escolhida para motores 1.0, assim ela já viria com respostas mais rápidas, enchendo já de baixo giro.

Depois de buscar varias opções na internet, achei um site com um valor ótimo e com peças de marcas boas, ganhei bons descontos e já aproveitei pra comprar também o 3step.

Flatout

E assim fomos pras partes de adaptação e montagem do kit no motor, que explicarei melhor na próximo texto. Até lá!

Por Jean Henrique, Project Cars #340

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Chevette 2.2 – novos freios, as mudanças no motor e o tapa no visual do Project Cars #15

Leonardo Contesini

Project Cars #238: a história do meu Chevette SL 1982 turbo para as ruas e pistas

Leonardo Contesini

Escolhendo o visual do meu Opala SS V8 383, o Project Cars #22

Leonardo Contesini