A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #357

Ford Ka XR Turbo: a história do Project Cars #357

Olá a todos. Sou Marcos Ponciano (conhecido como Ponciano em alguns grupos), tenho 27 anos moro em Betim/MG e vou contar pra vocês a historia do meu Ford Ka XR Turbo.

Como todos que frequentam o FlatOut, sou um apaixonado por carros desde que nasci, paixão herdada do meu pai que já teve em sua garagem Passat TS e Caravan SS (pena que só conheci esses carros por fotos e histórias contadas por ele), minha mãe conta que meu primeiros desenhos eram de carros, e esportes com bola, times de futebol, e qualquer outra coisa do gênero nunca chamaram minha atenção, apenas veículos, sejam eles carros, motos, caminhões…

Já na minha adolescência, meu tio Juninho me pegava pra assistir as provas de barrodromo na região de Contagem, e assim que o Megaspace começou a receber provas de arrancada meu pai e eu não perdíamos nenhuma prova, e o desejo de estar naquela pista de maneira amadora mesmo, só aumentando!!!

Jpeg

Apenas minha irmã teve a sorte de andar na Caravan SS, e sobre as faixas do capo, meu pai na época mandou tirar pois achava muito chamativo

Quando fiz 18 anos me mudei de BH e fui morar com meu pai e fazer faculdade no Rio, minha mãe ficou em BH morrendo de saudades e sempre que vinha a BH me presenteava. Mas como a minha família sempre me ensinou a batalhar e conquistar minhas coisas, em um final de semana ao invés de um presente recebi uma proposta: “te dou a entrada e pago seis meses de prestação, depois disso ou vende ou você paga”.

Proposta feita em um Ford KA endura-e vermelho 98 basicão. Concordei e comecei a procurar estagio feito louco e no 7° mês já com uma prestação atrasada consegui um estágio, Ufa! Adorava o Ka e, apesar de manco, foi com ele as minhas primeiras viagens, a sensação de liberdade, a experiência que começava a surgir no volante e a descoberta que manter um carro era mais do que só pagar a gasolina. Quando sobrou uma graninha, suspensão de rosca…

Imagem 2

Perdoem-me eu nunca tinha andando em um turbão antes

Após algum tempo com o Ka, arrumei um estágio melhor e comprei um Clio 1.0 8v 2005 básico e como no RJ faz um calor insuportável, eu sofria bastante. Nesse Clio comecei a conhecer a BR040 trecho Rio-BH, sem dúvidas o melhor carro que tive em termos de manutenção foram 30.000 km rodados além dos 30.000 km do antigo dono sem fazer nenhuma manutenção corretiva, só preventiva.

Imagem 3

Efetivado na empresa, um emprego que fiz amizades e que me colocaram no mundo da performance automotiva – Vectra Gsi Turbo, Monza c20xe, Marea turbo (nunca devia ter andando nesse carro), 328i unichip, etc – Vendi o Clio e comprei um Astra 2008 com 51 tons de cinza, comprado na emoção de sair do 1.0 mas que me rendeu o primeiro encontro com minha atual esposa que me acompanha na loucuras que ainda vou citar.

Imagem 4

O Tempo passou, voltei para MG e começo a trabalhar na montadora aqui de Betim, e com o desconto para funcionário, convicto de comprar um Bravo Sporting, vejo no pátio um Punto Tjet Amarelo, o olho brilhou, faço as contas, ou teto solar (Bravo) ou turbo (Punto t-jet sem teto)? Turbinho, é lógico!

Imagem 5

Comprei o Punto T-jet esse que me rendeu várias amizades, como a do Henrique do PC#113 e o pessoal do BeFast. Nesse Punto comecei a entender e me interessar por preparação mesmo que leve, começou com um escape aqui, filtro ali, chip feito com Over… No dia do acerto o Over, ele também estava fazendo algumas Mareas turbo e Boom! Pra que eu fui andar em outra Marea turbo? Punto anunciado depois de 11 meses com ele e inciei a procura por Mareas! Acabei comprando uma Marea Weekend turbo com 40.000 km rodados e nela fiz uma preparação mais séria: up de turbina (MP 802222), escape, remap Over na gasolina que renderam 300cv.

Imagem 6

Oito meses com a Marea, mais amizades fantásticas, arrancada às quintas no Megaspace, trackdays mas os gastos com casamento estavam me atolando. Anuncio a Marea…

Imagem 7

Sobrou uma parte do dinheiro, e comprei um Civic Si (financiado é logico). Passei três meses com o Civic sentindo saudades da Marea. Vendi o girador e comprei a mesma Marea de novo (!) durante a época de  mudança para a casa nova. Passam-se quatro meses e vendo a Marea de novo depois de uma quebra da embreagem (a embreagem quebrou mesmo!).

Imagem 8

Fico um tempo sem carro, me mudo e compro um A3 1998 turbo 150cv de 13 mil reais que foi preciso trocar a turbina e arrumar outras coisas que estavam ruins, enquanto isso a esposa que sempre me apoia, passou a me desapoiar e vendo o A3… Prometi não comprar mais carro velho, nem pra mexer! Cansei. De 2013 a 2015 foram seis carros! Contas equalizadas, casa nova, tudo ok, começo a olhar A3 Sport 2010, Bravos tjets, Jetta tsi…

Eis que como maioria aqui, na entrada diária nos sites de classificados faço uma ultima pesquisa para ter a consciência limpa por: “Legalizado Turbo”. Apareceu o anúncio do Ford Ka XR, e lembrei do meu primeiro Ka, que não andava mas fazia curva bem demais, com a vantagem de ter mecânica barata e conhecida.

Imagem 9

A foto do anuncio já denunciava o que estava por vir

Ligo pra minha esposa e falo:

-Amor, sei que prometi comprar um carro novo, mas tem um Ka XR 2007 a venda aqui perto, não vai me apertar, é completo e nem é velho, vamos lá comigo olhar?

-Ok, qual bairro é? Saio do trabalho te pego e vamos lá.

-Não é bairro, é cidade. Só 70km, mas vai valer a pena.

-Outra cidade?  De novo? Prometi que não iria mais a outra cidade olhar carro mas vamos é pela sua felicidade.

Pra ficar claro, o Si veio do RJ, Marea a 1ª vez de uma cidade a 60km, a 2ª vez de uma cidade a 350km e o Ka estava vindo de uma só a 70km de distância.

Chegando lá, o vendedor queria FIPE + 20%, pois era um Ka XR 2006/2007, um dos últimos a serem feitos e totalmente legalizado. Olhei o carro, a frente tinha um para-choque sem pintar, os faróis estavam diferentes mas estava alinhado e a lata estava sem muitos detalhes de pintura. Papo vai papo vem o dono do carro não sabia e nem entendia nada de carro, não sabia qual turbina estava no carro, ele só sabia e tinha as notas que o primeiro dono tirou o carro 0km do jeito que estava, saiu turbinado da concessionária, com bancos elétricos em couro e todo interior em couro de gosto duvidoso, ele comprou na emoção após andar.

Imagem 10

Saímos para  dar uma volta na BR262 (famosa pista de MotoGP aqui de MG), carro na gasolina, mistura pobríssima, e a mangueira de respiro do motor ligada atrás da roda dianteira esquerda. Parei o carro e nunca vi tanta fumaça saindo da roda, olhei atrás da roda e estava gotejando óleo.

Liguei para o preparador ByMAX, e ele repete a frase que falou comigo em todas as compras anteriores que fiz :”Acordou sem problema hoje jovem?”. Exatamente tinha acordado sem problemas, expliquei a situação só para ter certeza e veio a notícia motor estava indo para o espaço! Voltei pra casa triste, ainda mais pelo preço do carro estava.

O vendedor me ligou no dia seguinte, explicou que ele tinha um carro fumando, sem acerto, não conhecia nada do carro, banco elétrico travado lá na frente eu tenho apenas 1,86m de altura, fora a parte de lata que precisava de um trato. Ele tinha um problema e eu estava disposto a assumir mas em outras condições. O vendedor precisava vender urgente e mandei a proposta 55% da Fipe, para minha surpresa ele concordou se ele pudesse tirar os auto-falantes do carro. Ok!  Comprei o Ka no sábado de carnaval, minha fiel escudeira e eu fomos lá buscar após eu escutar um pouco. Ela falou bastante mas eu sentia que ela estava feliz, eu sentia isso com certeza!

Peguei o Ka cedo logo cedo, abasteci, completei óleo e lá vinha pela pista de MotoGP mineira. Em umas das retas uma Hornet me passa a uns 140, travo o pé (já que ia abrir o motor se desse ruim em uma acelerada, pelo menos eu ia estar feliz) jogo a 4ª, 5ª e vou acompanhando a Honert. Tiro o pé, vejo o jeito de assustado do cara da moto e ali vi o potencial do Kaganeira (amigos sugeriram nomes como Kabuloso, Kart, mas preferi o outro).

Jpeg

Kaganeira após sua primeira viagem

Dali passei em casa e levei direto pro mecânico e é a historia do próximo post!

Por Marcos Ponciano, Project Cars #357

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #516: a história do meu Fiesta “Ghia” Duratec

Project Cars

Project Cars #423: as mudanças de plano na transformação do Jetta GLI

Leonardo Contesini

O BMW 850i de Marco Centa: oito projetos em um

Juliano Barata