Nomes iguais, carros diferentes: os xarás do mundo automotivo – Parte 1

Leonardo Contesini 7 abril, 2016 0
Nomes iguais, carros diferentes: os xarás do mundo automotivo – Parte 1

Em seus últimos anos de produção, o Fiat Prêmio vinha importado da Argentina com o nome Duna colado na traseira. O nosso Volkswagen Bora, era o Jetta no México e o Voyage só tem esse nome por aqui, pois na Argentina ele se chamava Gacel.

É bem comum que carros tenham nomes diferentes em países diferentes e até mesmo em anos-modelo diferentes — caso do Fiat Weekend, que não é mais Palio Weekend, ou do Renault Grand Tour, que perdeu o Megane nos últimos anos de produção. Na verdade são tantos exemplos que até fizemos um post sobre isso.

Mas o contrário também acontece com alguma frequência: a fabricante aproveita um nome para mais de um modelo. Não estamos falando de gerações diferentes que mantém o nome, como Volkswagen Golf, o Honda Civic e o Toyota Corolla, que têm o mesmo nome há mais de 40 anos. Estamos falando de carros completamente diferentes que, por acaso (ou não) têm o mesmo nome. São eles que veremos neste post.

 

Ford Maverick

maverick-caio

Para os brasileiros o Maverick é um cupê/sedã lançado em 1973 para competir com o Dodge Dart e com o Chevrolet Opala. O modelo é uma versão brasileira do Maverick norte-americano, que tinha uma missão menos nobre — posicionado abaixo do Mustang e acima do Pinto, ele era o compacto da marca por lá.

Longe da América, contudo, o nome Ford Maverick foi usado para três carros diferentes — e só um deles era um verdadeiro Ford.

Ford-Maverick-1988-Australia

O primeiro deles foi o Ford Maverick australiano, vendido lá embaixo entre 1988 e 1994. Ele não era um cupê, nem um sedã ou algo parecido. Na verdade ele nem era realmente um Ford, mas sim o SUV Nissan Patrol de quarta geração rebatizado para ser vendido pela marca americana.

Maverick030405

O outro Ford Maverick foi vendido na europa entre 1993 e 1999. Ele também não era um Ford, e sim um SUV Nissan, mas diferentemente dos Australianos, o modelo escolhido foi um pouco menor, o Terrano II. Há ao menos um exemplar desse Ford Maverick rodando no Brasil. Ele é usado desde os anos 1990 pelo Corpo de Bombeiros de Santa Catarina.

Gebrauchtwagen der Checker

Depois desse Maverick, os europeus ainda tiveram outro. Ele também era um SUV, mas desta vez não era um Nissan, e sim a versão europeia do Ford Escape, um crossover médio que antecedeu o Ford Kuga.

 

Fiat Strada

fiat_strada_try_on_adventure_ce_3

A picape do Palio tem o mesmo nome (e a mesma plataforma) desde o seu lançamento em 1996. Mas mesmo com 20 anos na caçamba, ele não foi o primeiro Fiat a usar este nome.

fiat_strada_130_tc_abarth_1

Strada era um dos nomes do Fiat Ritmo, o hatch médio-compacto da marca nos anos 1970 e 1980. Quando a Fiat lançou o Ritmo no mercado norte-americano, havia uma marca de absorventes íntimos com o mesmo nome. Por isso, nos países de língua inglesa o nome Ritmo foi substituído por Strada. Na Inglaterra o Fiat Strada ganhou até uma versão Abarth, batizada Strada 130TC, com 130 cv.

 

Chevrolet Monza

monza-c20xe-achado (26)

Como bem sabemos, Monza é o nome brasileiro do modelo global da plataforma J da General Motors. No Reino Unido ele era o Cavalier, na Austrália e Nova Zelândia seu nome era Camira, enquanto na Europa ele era o plural errado de um palavrão lusitano (procurem no Google, eu não vou contar essa).

chevrolet_monza_mirage_1

Nos EUA ele também se chamou Cavalier como no Reino Unido, mas não porque o nome Monza não era adequado para o mercado americano, e sim porque na América de Cima o Monza era um compacto meio desajeitado que rivalizava com o Mustang II nos anos 1970. Ele era oferecido nas versões cupê, hatchback e perua, sempre com duas portas, e com motores 2.3 e 2.5 de quatro cilindros, 3.2 e 3.8 V6 e 4.3, 5.0 e 5.7 V8.

 

Volkswagen Fox

Fox_Highline-1

Durante o desenvolvimento do atual compacto da Volkswagen a imprensa brasileira da época apostava no nome Tupi. No fim, alguém deve ter percebido que Tupi soa como o verbo inglês “to pee” (que significa “fazer xixi”) e o novo modelo acabou batizado como Fox.

VoyageFox

O nome, na verdade, foi trazido do passado recente da marca. Nos anos 1980 a Volkswagen decidiu vender o nosso Voyage e a Parati na América do Norte e adotou o nome Fox e Fox Wagon, provavelmente em uma referência ao Audi Fox, que era o nome americano do Audi 80 de primeira geração. Como curiosidade, o Volkswagen Fox sedã aparentemente é o único carro além do Batmóvel a circular em Gotham City em “Batman, o Retorno” (Batman Returns – 1992).

batman2fox6.5354

Outra curiosidade? O Volkswagen Fox “americano” foi o primeiro carro com injeção eletrônica fabricado no Brasil, em 1987.

 

Citroën C2

citroen_c2_vtr_21

Esse é um dos casos mais bizarros de todos: o Citroën C2 é pouco conhecido no Brasil, mas foi um compacto muito popular na Europa, onde teve até uma versão esportiva tão apetitosa como Crème Brulée.

rebadged-cars (7)

Só que o outro carro batizado Citroën C2 não era um Citroën, e sim um Peugeot. Por algum motivo em vez de vender o Peugeot 206 como Peugeot 206 no mercado chinês, a PSA decidiu transformar o modelo em um Citroën.

 

Dodge Charger

charger-toretto-3

Nos EUA o Charger foi o maior dos muscle cars da Dodge nos anos 1960 e 1970. Você o conhece pela perseguição de “Bullitt”, onde seu tamanho fica evidenciado ao lado do Mustang, ou então como o carro do Dom Toretto no final do primeiro “Velozes e Furiosos”.

05-chargeramarelo-620x413

O Charger que tivemos por aqui, contudo, era bem diferente do americano. E não se trata de gerações diferentes como alguns podem pensar. Nosso Charger, na verdade, era baseado no Dart americano de quarta geração — este sim o mesmo que foi fabricado por aqui — que usava a plataforma A-Body, mais compacta que a B-Body do Charger americano.

 

Ford Galaxy

ford-galaxie-500-concept-1

Não está errado não. A Ford produziu o Galaxie e o Galaxy. O primeiro, Galaxie, todos sabemos que é um modelo grande produzido pela Ford americana e pela Ford brasileira nos anos 1960, 1970 e no comecinho dos anos 1980. Até agora nenhum outro Ford recebeu esse nome.

1B3

Mas em 1991, quando a Ford deixou de vender o Sierra na Argentina, o carro escolhido para substituí-lo foi o Versailles — a versão Ford do Volkswagen Santana, produzido pela Autolatina. Mas ele nunca foi vendido na tierra de la plata com este nome. Em vez de Versailles a Ford rebatizou o sedã como Galaxy.

ford-galaxy_0

Quatro anos mais tarde, na Europa, a Ford juntou-se à Volkswagen para produzir uma minivan, que foi vendida pelos alemães como Sharan e pela Ford como Galaxy. O modelo é produzido até hoje, e desde a sua segunda geração é baseada na plataforma do Ford Mondeo de terceira geração.

 

Dodge Polara

dodge_polara_426_hemi_2-door_hardtop_9

Na Dodge o nome Polara batizou nada menos que três modelos completamente diferentes. O primeiro deles foi uma série de modelos full-size produzidos nos EUA entre 1960 e 1973 baseados na plataforma C-Body e B-Body.

800px-Dodge_Polara_(Argentina)

Mais tarde, nos anos 1970, a Dodge argentina produziu sua própria versão do Dart americano e o batizou de Polara. Mas ele não tinha nada a ver com o Dart nem com o Polara: ele tinha uma carroceria própria e até sua própria hierarquia de versões: a R/T era a básica e a GTX (que não tinha nada a ver com o Plymouth GTX americano) era o esportivo (leia mais sobre eles neste post).

dodge_1800_1

Na mesma época a Chrysler do Brasil resolveu lançar um modelo menor que os sedãs V8 derivados do Dart. Para isso eles trouxeram o Hillman Avenger da Inglaterra e o batizaram como Dodge 1800 e, mais tarde, como Dodge Polara.

Clique aqui para ler a segunda parte.