Edição diária: 17/06/2019
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #73

Plymouth Suburban 1957: conheça a história de “Cris”, o Project Cars #73

Olá, amigos do FlatOut. Meu nome é José Eduardo Paravani Faillage, tenho 26 anos e sou antigomobilista desde 2003. Posso dizer que os automóveis fazem parte da minha vida desde sempre – quando ainda era muito pequeno, lembro-me de atormentar a minha mãe perguntando e identificando todos os carros a minha volta.

E isso seguiu pela adolescência: aos 16 anos, arrastei meus pais para o Encontro Nacional de Pick-ups em Águas de São Pedro, para poder vislumbrar todas aquelas máquinas desfilando. Nem preciso falar que fiquei completamente louco e intensifiquei as minhas investidas familiares para ter meu primeiro carro antigo.

pc73-post01-02

Certo dia, compro uma edição da revista A Biela e vou direto para a seção de classificados, como de costume. “Olha mãe, este AMC 1957 por R$ 2.500 (pois é, eram outros tempos) vamos ligar pro cara”. Ela vira e me responde: “se for pra ser, então terá de ser com este carro”. Pense na minha felicidade de ter este apoio.

Assim, comecei no universo dos carros antigos comprando um AMC Rambler 1957, praticamente em estado de sucata. Depois de seis anos e três meses consegui terminar o restauro do carro e finalmente pude andar com ele. No entanto, também tinha me apaixonado pelo processo de restauro: estudar sua história, pesquisar detalhes e componentes, entender o veículo e seus sintomas, descobrir coisas sobre o fabricante, etc. Passado certo tempo, senti falta de um novo projeto, um carro diferente, outro desafio.

pc73-post01-00

Como todo antigomobilista, fico com o radar sempre ligado para achados. Um belo dia, passo em frente a um sítio e tomo um susto com o que vi: “nossa, é a Christine!” penso sozinho. Paro o carro e vou conversar com o senhor que estava lá. Conversa vai, conversa vem, e descubro que é uma Plymouth Station Wagon 1957 nove lugares. O motor estava no lugar e o dono ainda fala pra mim que o motor funciona; mas resolvi não arriscar.

Era o projeto que faltava pra mim, pois não existe nada que retrate melhor o American Way of Life que uma station wagon dos anos 1950 com rabo de peixe. E que design maravilhoso…

pc73-post01-001

Depois de uns dois meses, chega à minha casa um guincho, com a barca estacionada sobre a prancha. Coração dispara, sorriso no rosto, e lá vamos nós para o processo de desembarque. Mas com os pneus murchos, empurrá-la na terra se tornou uma tarefa hercúlea. Meu pai decide pegar o meu carro (na época) para amarrar uma corda e puxar aquele monstro. Tudo vai bem, até o momento em que o pequeno Fox 1.0 chegou ao gramado. Daí, tudo o que víamos era grama subindo aos céus – e nada da Chris sair do lugar.

pc73-post01-03

Neste momento, lembrei do antigo dono ter dito que a perua ainda funcionava. Falei pro meu pai: “temos de fazer o carro funcionar porque ela tá entalada no portão. Desse jeito, ninguém entra e ninguém sai de casa”.

Bateria no lugar, água no radiador, gasolina no galão e lá vou eu tentar fazer a madame funcionar. Nhé , nhé, nhé, nhé, nhé, e nada. Duas tentativas, três tentativas, nada. A bateria começa a descarregar – eu tenho só mais uma chance.

pc73-post01-04

Coloco as mãos sobre o volante, olho para aquele painel e me transporto para a cena em que Arnold se encontra pela primeira vez com o Plymouth (“Christine, O Carro Assassino (1983)”. Resolvo então apelar para o emocional da Station Wagon e falo: “Chris, minha querida, a gente tá começando agora um relacionamento, me ajuda agora que eu prometo que eu vou cuidar bem de você!”

Viro a chave. Depois de duas voltas do motor de arranque, o V8 301 começa a funcionar, ainda que trôpego. Engato a primeira e a estaciono com o maior carinho dentro da garagem. Suspiro aliviado dentro da cabine: “Obrigado!”.

O projeto deste carro é a restauração completa para o padrão original. Escolhi o nome de serial killer, pois se o modelo Coupé já mata muita gente no filme adaptado (imagem abaixo) do romance de Stephen King, imagine a versão Station Wagon. Pensando bem, que tudo isso fique no mundo da literatura!

pc73-post01-05

Por José Eduardo Paravani Faillage, Project Cars #73

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Sonho de infância: a história do BMW 850i de Marco Centa

Juliano Barata

BMW 850i V12: as novidades do Project Cars #09

Leonardo Contesini

Conte a evolução do seu projeto no FlatOut – 1ª fase

Juliano Barata