A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #338

Project Cars #338: turbo instalado, hora de pegar a estrada (e o dinamômetro)

O que é inspiração? Aquela coisa que tanto falam, que sobra em reportagens sobre esportistas, gente bem sucedida e famosos em geral… Mas onde você a encontra? Guardada em uma caixa no canto escuro da sua mente no meio das tralhas emocionais que todos temos, será?

Muitos amigos que fiz aqui me perguntavam o porquê do desaparecimento e de não enviar o terceiro post da Silverado. Eu apenas falava que logo sairia o post. Sim eu estava mentindo: não tinha escrito nada nem sabia como escrever. Da parte onde parei para cá aconteceram tantas coisas que vocês vão cansar de ler o post abaixo. Porém, para me explicar melhor, faltava-me a tal inspiração. Pensei durante todo este tempo se não seria pura e simplesmente bobagem, perda de tempo e dinheiro. Afinal, para quê ganhar mais potência, para que reformar, gastar, se estressar com uma camionete 1997 velha, cheia de problemas, um abacaxi sem fim.

Também houve momentos neste meio tempo que tive de fazer escolhas, tudo isso influenciou na tal inspiração, mas no fim, escrevo este texto por que descobri que o que move a todos nos gearheads, esportistas, religiosos e gente que simplesmente acredita em algo. Não é a vaidade da exibição aos outros, é algo maior, um sentimento que faz com que tenhamos prazer em coisas que não haveria sentido algum para outra pessoa. Imaginem aquele momento mais besta da sua vida que só você sentiu prazer e todos a tua volta te olharam com aquela cara de “só pode ser louco” — isto é inspiração, isto é o que nos move realmente, fazendo o que for preciso, o que não podemos fazer, sacrificios, escolhas e tudo para que continuemos na estrada sem fim, procurando o “chegar lá” que nunca vai chegar…

Buenas indio velho, puxe um banco te senta e dá de mão num mate para continuarmos nosso papo, sinta-se a vontade a me xingar por demorar tanto a escrever, mas realmente após a troca da turbina a Silverado teve muitas melhorias em sequência o que me fazia sempre adiar o texto — era meu pretexto para a falta de vontade.

Bom após esta melhoria citada no fim do outro post, como comentei a camionete ficou super arisca, nos comentários do post um amigo comentou que não era uma boa escolha a questão da turbina pequena pois amarraria a potência e poderia queimar a junta. Porém quanto à potência eu estava ciente e sobre a junta ela já havia sido trocada pela junta de aço do Wolverine, não teria problemas quanto a isso.

Eu estava resoluto na ideia de pressurização alta em baixa rotação e fui bem sucedido nisso. Resolvida esta questão fui atrás de pneus e rodas. As do momento eram da Hilux e os pneus pareciam de carrinho de mão de tão pequenos. Corrida pra lá corrida pra cá averiguei que os humanos proprietários de rodas originais de liga leve da Silverado, chamadas “tijolinhos”, pareciam estar a se drogar achando que tinham rodas de uma Ferrari e não de uma simples camionete velha.

roda d20

Com este entrave do valor exorbitante das rodas de liga me pus a pesquisar outras opções, acabei por encontrar na cidade rodas da D20 ou da Silverado de entrada, não eram as coisas mais lindas do mundo mas serviam o propósito e eu já imaginava algumas maldades com elas. Lembrem-se quando há falta de dinheiro você tem que buscar uma solução criativa para equilibrar a balança, nestas horas que esporadicamente há a criação de algo diferente e bonito, fora dos padrões!

Imaginem elas pintadas de preto brilhante com verniz, será que ficariam boas?


Após a compra das rodas ainda restavam os pneus de carrinho de mão, estavam bons, mas eram feios, pequenos demais para o porte dela. Começei a perceber que também os donos de lojas de pneus deviam ser loucos: qualquer pneu 31 de marcas conhecidas ou xing-lings não baixavam de R$ 800 ou R$ 900 cada. Revoltado fui até o pai Google que tudo sabe e começei a pesquisar.

pneus

Depois de exaustivos dias seguidos de pesquisa encontrei uma empresa chamada Guaporé Pneus, no Paraná, e encontrei lindos pneus Falken com no tamanho 32×11.5 perfeitos para o que eu buscava. De quebra ainda havia as letrinhas brancas balaqueiras por apenas R$ 504 cada. Não podia ser melhor: encomendei quatro e fiquei como uma criança à espera do Papai Noel (diga-se transportadora).

Então um dos dias mais felizes da minha vida chegou, tá tudo bem, não é para tanto, mas eu fiquei muito feliz em ver os quatro monstros de borracha empilhados, mas como é lei, eles chegaram em uma sexta, e adivinha, no sábado pela manha ninguém na cidade tinha tempo para instalar, passei o fim de semana todo enraivecido e idiotamente colocando eles do lado dos que estavam instalados e imaginando como ficaria.

Imaginem na camionete, olha a largura disso! E tem até letras brancas balaqueira (do verbo balaquear, no gauchês uma frescura sem sentido que nada influência).

Na segunda com os pneus instalados já estava com outra cara a camionete, ficando mais parruda e macia, pneus novos são uma vida e tanto para qualquer carro, muda totalmente.

Aqui como ficou com rodas da D20. Adeus, rodas ridículas de Hilux e olá pneus enormes! Lembrando que as rodas são aro 15 não 16.

20150903_175758

 

Seguindo a cronologia, a próxima modificação que fiz foi meio que forçada mas vinda para o bem. Em um sabádo a tarde eu e a dona patroa fomos até a outra cidade assistir um filme no cinema, já que em nossa capital isto não existe. Na estrada eu não resistia em escutar a turbina nova chiando e toda aquela potência renovada, pé em baixo nas retas, segurando nas curvas. Então, no meio do caminho, surge um temido Uno Fire vermelho em meu retrovisor. Após o momento tenso verifiquei que não havia escada nenhuma pendurada, então eu teria alguma chance.

Falei isso brincando para a namorada e quando olho novamente no retrovisor, uma surpresa: sai de trás do Uno, abrindo para ultrapassar, uma coisa que eu sou simplesmente apaixonado, por sua beleza, potência e tudo mais:um  Lancer, na hora vi que não era um Lancer comum devido às rodas e spoilers. Não vou afirmar qual versão era, mas não era nem a top nem a vagabunda, dados técnicos etc também não sei direito. Porém sei que não é uma tranqueira, então ele passou o Uno e quando foi chegando na Silver eu,como bom gentleman, baixei uma marcha e finquei os dois pés no fundo até bater na lata. “Aqui não, Jão!Aqui é diesel, é seis-cilindro carái. Abasteci diesel pra carai!”.

juroqueeraassim

Logicamente havia total segurança na reta onde estávamos. Com a turbina cheia, despachei o Lancer e ele voltou para trás da Silverado. Mas como tijolo não tem aerodinâmica e não faz curva, lá fui eu baixando até 80, segurando toda galera. Fila formada, curva feita, pé em baixo. Assim fui enrolando alguns quilômetros, até que minha brincadeira teve seu fim. Chegamos a uma curva com visão e livre para ultrapassagem. O Lancer abriu e passou tranquilamente na curva pisando mais e mais, dando pisca alerta e creio que com uma lista de xingamentos sendo pronunciados contra minha pessoa.

Filme assistido, voltamos para Ijuí. Ao chegar na cidade, após parar no semáforo ela simplesmente desligou e não ligava mais. Verificando mentalmente havia combustível e tudo estava normal. Pensei na hora: “ferrou a bomba. Lá se vão R$ 3.000”. Chamei o mecânico para não forçar e piorar a situação, ele sangrou, abriu os bicos e conseguimos aos solavancos levar a picape até a oficina. Isso à meia-noite de um sábado (obrigado, sr. Mario da Mêcanica Seidler!).

Após alguns dias na mecânica, testes e mais testes, fui informado que havia apenas acabado o combustível. Me senti um panaca completo, mas não fazia sentido pois eu havia abastecido bastante para viajar 60 km. Conversando com o mecânico soube que um dos bicos estava quase totalmente obstruído por sujeira e os outros também estavam meio ruinzinhos, o que pode ter causado um consumo maior devido ao pé de tijolo na estrada.

Na mesma semana retornei e pedi que fosse trocada todas as mangueiras bem como filtro de diesel, de quebra encomendei uma bomba de 12 bar, aquelas vendidas no ML, que após a chegada foi instalada com sucesso, para completar instalamos um kit de air intake e um filtro duplo fluxo novo para respirar melhor. Agora parecia que eu estava dirigindo uma chaleira fervente! Coisa linda, rapá!

Ah e daquele dia em diante, só diesel S10 no tanque — diesel sujo nunca mais! São centavos que podem acabar em milhares de reais em bomba injetora, bicos etc. Após estas modificações olhei para o cofre e me dava um certo tique nervoso vendo tantos fios dependurados por todo lado. Levei a uma auto eletrica muito competente e pedi que fosse organizado e “limpo” o cofre, removendo tudo o que não fosse necessário. Ah, e o mais importante, removi uma buzina do rei do gado que havia nela!

Antes Depois Cofre

Já com estas mudanças a camionete estava virada no demonio das crateras, e eu me adaptando aos novos sapatos, nem pensar em patinar, tentei uma vez e tirei o pé, pois poderia quebrar a ponta de eixo devido ao “grip”, claro que depois de gastar um pouco começei a arriscar ainda com um pouco de receio.

#testando #Silverado #gmtrucksnation #chevy #chevrolet #ijui #mwm #diesel

Um vídeo publicado por Jonathan Eevel Fontoura (@jonatanfontoura) em


Aqui uma brincada com os pneus novos, simplesmente não patinava :O

E abaixo outro video de uma noite com chuva, torque sobrando, tração traseira… quem nunca né?

#silverado #silveradonation #mwmsprint #6cc #noitechuvosa #patinacaonoasfalto #modeon

Um vídeo publicado por Jonathan Eevel Fontoura (@jonatanfontoura) em


Então algum tempo sem quebras uma pulga surgiu atras da minha orelha, todos me comentavam incluindo meu mecânico “isso ai deve tá com trocêntos cv” eu imaginava que estaria com no máximo 200cv. O mecanico jogava uns 250cv, o que para mim soava muito. Como tirar a dúvida? Descobri um dinamomêtro em Santo Angelo, da empresa Bertei Motorsports. Fui até lá em uma manhã junto com a dona patroa, que estava ansiosa por ver como funcionava. Camionete no dino, puxadas feitas e….
 chegou o grande dia! Juro que foi uma realização passar no dinamômetro. Só via este tipo de coisa em revista e vídeo!



Pqp! Só 183 cv! No fundo eu tinha a esperança de que o mecânico estivesse certo nos 250cv, mas só deu 183. Comentei com o Sr. Bertei e ele me olhou rindo e falo “Só? É uma pick-up de uso diário, e isto é potencia no pé meu amigo, não é pouco não”, parei e pensei e realmente admiti não era pouco mesmo, informando posteriormente, Silverados originais na roda ficavam entre 130 a 140cv. No motor, pelos cálculos, ficamos na casa dos 230cv —  o que não era nada ruim.

Também descobri que dinamômetros são como moedores de sonhos, eles não mentem para você. O dia que levarem um carro seu, deixem em casa a esperança, apenas levem uma sacola de realidade e frieza. São só numeros, eles não vão se multiplicar por que você espera que esteja forte. Ou está ou não está. Simples assim.



SILVERADO JONATAN

Mas vindo dirigindo eu pensava, pô eu ouço tanta gente dizendo que é só fazer X e Y que tu ganha 100, 200 cv em diesel, mas no fim percebi uma coisa importante, um caminhão tem 280, 290, 300 cv porém são usados para força, em conversas com o amigo Petrus começei a me entender sobre motores HSD (High Speed Diesel) e LSD (Low Speed Diesel) e no fim não era pouco os 230 cv da azulona e agora eu tinha uma base de trabalho. Sabia em quanto estava a potência real e não achômetros que não me davam direções.



Um adendo: esta turbina com a regulagem de fábrica esta batendo mais de 3kg de pressão. Foi motivo de muita discussão em vários grupos que participo dizendo que não podia, que não existia isso. Mesmo fazendo teste com outros manômetros ela continua sempre a dar esta pressão monstra, o que em baixa rotação faz dela uma louca virando o relógio. Uma cutucada e você sai queimando tudo, em marchas altas ela fica em torno de 2.5kg e se forçar até o fundo ela pica crava os 3kg. Estou andando a um ano já com ela assim, verificamos na mecânica e aparentemente está tudo ok. O motor aguenta tranquilo.

Sente só a pressão nos dois vídeos. O primeiro em lenta…

#Silverado #ijui #gmtrucksnation #turbo #offroad #pressure #rpm #pickup #pressao #mwm #diesel #chevrolet

Um vídeo publicado por Jonathan Eevel Fontoura (@jonatanfontoura) em


… e o segundo andando:

Sente a pressão! #ijui #Silverado #turbo #gmtrucksnation #chevrolet #pickup #offroad #pressure #diesel #truck #mwm #brazil

Um vídeo publicado por Jonathan Eevel Fontoura (@jonatanfontoura) em

Após o teste retornei a cidade. Passadas algumas semanas, tomei um dos maiores cagaços da minha vida. Lembram da questão da turbina cuspidora de óleo, sobre o motor disparar?

Então, uma bela noite chegando em casa bato a chave para desligar e adivinhem? Nem sinal, nada de desligar. Aquele gelo correu a espinha toda. Pensei: “Vai disparar”. Tomei a mão na marcha para por uma quinta mas refleti e dei um tempo. Liguei a chave novamente e tentei desligar, nada. Pensei em correr até a mecânica mesmo sendo a noite e incomodar o Sr. Mario para tentar desligar sem destruir algo porem quando bato a ré ela se desliga. Fiquei com uma cara de “ué?”. Liguei novamente e nada de desligar. Bati a ré e… pá, desligou! Pensei “Era só o que me faltava, ter que por ré para desligar”, no outro dia já na mecânica fiquei sabendo que era o tal solenoide da bomba injetora, trocado ele, problema resolvido, por um momento achei que iria chamar o padre quevedo, mas não foi desta vez…

Melhoras estéticas, sempre são bem vindas, mas pensem em uma mulher feia, e uma amiga chega e diz “Migaaaaaeeeammmmm vou fazer uma maquiagem perfeita em ti”. Sim vai dar merda e vai ficar pior ainda. Eu fui a amiga que tentou melhorar a amiga feia, que era o painel da Silverado. Pedi a um amigo para remover ele, levei para casa, preparei com todo amor e carinho, comprei tinta, lixei, passei fundo, pintei, olhei para a obra prima e pensei: “Voilà, que belo trabalho, não acredito que fui eu quem fiz”.

Já seco, coloquei na Fiorino da firma e fui lá para montar na Silver. Após a montagem o mundo real voltou a me dar um nocaute, a cor que peguei era um tom mais claro e não era semibrilho, em suma, ficou horrível e ainda rebatia a luz no vidro criando um segundo painel bem na minha frente. Era uma bela bost*. Então usando aqueles papeis magicos chamados dilmas, digo temers, digo dinheiro, levei a alguém que sabia o que estava fazendo. Ficou bom. Melhor do que a *agada que fiz. De quebra ainda pintamos o teto e capo que estavam com trincados e queimados.

painel

Uma coisa que gostaria de comentar é que tudo isto que já contei não aconteceu em uma ou duas semanas, vi alguns comentários na outra vez de pessoas dizendo que nunca conseguiriam fazer isto de arrumar/reformar/restaurar seus projects. Tudo isso se passou em meses. Cada centavo foi suado, vendendo lanches, trabalhando, assando carne todo santo dia, então se você acha legal e tem uma barreira que diz que não vai conseguir, quebre-a e faça, mesmo que demore 1 mês, 1 ano, 10 anos. Você tem que se inspirar e se impor um objetivo. Não se abata se na internet alguém fez algo melhor e em menos tempo que você. Se eu fosse levar isto em questão nem tentaria entrar no PC. No YouTube tem camionetes mil vezes melhores que a minha, mais potentes etc… só que, não são minhas. O que eu tenho é a azulona e dela que irei cuidar!

tetocapo

Agora para finalizar o post vem um momento crítico da história. Tudo começa em um belo fim de semana de sol em que fiquei sabendo de que haveriam saltos de paraquedas no aeroclube. Como sou um aficionado por aviões (mais do que carros acreditem) dou um dedo para ir ver este tipo de evento. Mate na mão, dona patroa e mamãe querida na Silverado e bora para lá!

Chegando no aeroclube enquanto assistíamos ao evento falei para as duas “Vamos fazer um voo panorâmico pela cidade?”

Elas concordaram e eu corri feito um piá de 7 anos até achar um piloto que fazia panorâmico. Encontrei fechei o valor para nós três e, meio que obrigadas, as duas foram. Já no avião taxiamos e bora. É uma sensação incrível, eu já havia voado antes de triker, mas de avião também é tão legal quanto. Voltando ao chão assistimos ao resto do evento e na hora de ir embora devido a uma aglomeração no portão resolvemos passar por um hangar. Lá encontramos um amigão que havia me levado para voar de triker. Ele prontamente pergunta à minha mãe se ela já tinha voado de triker. Obviamente que não. E ele esperando que ela fugisse da ideia ficou espantado em ver que ela falou “vamos lá então”. Capacete na cabeça e lá se vai minha mãe a voar. Fiquei boquiaberto e feliz. Na volta ainda despachei a dona patroa para uma voltinha de triker. Uma ótima e inesquecível tarde.

voar

Ao sairmos do hangar olhei para uma placa onde dizia “Escola de pilotagem”. Pronto a m*** estava feita. Corri de volta e fui me informar, lembram a questão da inspiração? Eu sou doido por aviação — tinha posters de Focke Wulfs, Messerschimitts, Bf-110, Mustangs, Migs, Ratas etc.

Mas como tudo na vida de uma pessoal normal é assim, ou a gente tem X ou tem Y, ter XY ao mesmo tempo não dá, ou eu toco o projeto da Silverado ou faço meu brevê. Já estou inscrito no curso de piloto, agora é só aguardar a turma fechar. Coloquei a Silverado para vendar, mas fiz isso esperando que ninguém compre. Meu cartão de crédito e outros pequenos luxos já foram para o espaço. A dona patroa quer me matar pois não gasto com mais nada. Estou em esforço de guerra para manter a Silver e fazer o brevê, e espero me inspirar o suficiente para conseguir manter ambos mesmo que seja árduo. Mas se ela se for, será por um bom motivo, outro sonho!

Bom, espero que tenham gostado, abaixo envio um pequeno simples e didático guia para compra de Silverados, baseadas em tudo que me ferrei. Também dicas de aumento de “legalzisse” quando você tem uma camionete Silverado e algumas fotos de como ela está atualmente. Não deixem de comentar e aguardem — no próximo post tem mais novidades, caso ainda ela seja minha (acho que vai continuar sim, eu tenho fé).

guia

Lista de itens/atos e suas pontuações de como ser legal e dono de pick-up diesel:

– Roda pintada de preto fosco +10 pontos
– Pente na turbina piando até para estacionar -500 pontos
– Turbina com pressão original -100 pontos
- Emblemas e detalhes em vinil ”Fibra de carbono” +322 pontos
- Cano direto saindo para o lado para afogar motoqueiros em uma nuvem negra + 666 pontos
– Buzina do rei do gado -57 pontos 
- Roda preta por conta do cano direto +48 pontos 
- Radio tocando as ultimas sertanejas, calça socada e chapéu do fernando e sorocaba -8000 pontos
- Adesivo BF/MS -16000 pontos
- Rodas cromadas aro 24 e led´s coloridos -459 pontos
- Adesivo na saida do cano dizendo ”repelente para abeia amostra grátis” +7549 pontos
- Filtro dos sonhos depindurado no retrovisor -149cv´s pontos
- Gitar Aooooo potência -5000 pontos
– Falar bem de dodge ram / F250 -80000 pontos
– Impor respeito em rotulas e cruzamentos não parando para carros menores +189 pontos
– Sempre que arrastar/rebocar alguém acelerar mais do que o necessário apenas para mostrar o torque e a powahhhh! +400 pontos
– E o mais importante, nunca permitir uma F250 ultrapassar você +10000000 pontos

Por Jonatan Fontoura, Project Cars #338

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #34: a hora da temida troca de correia dentada do Fiat Marea Weekend Turbo

Leonardo Contesini

Project Cars #134: um trato no interior do meu Lada Samara e os planos para o motor 1.5

Leonardo Contesini

Um Citroën Xsara VTS turbo para track days: conheça a história do Project Cars #227

Leonardo Contesini