FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #472

Project Cars #472: a montagem do motor e a primeira partida do meu Lada Samara

Por Adenilson Oliveira, Project Cars #472

Всем привет, меня друг. Как дела? Desculpem pela demora em mandar a segunda parte (pra quem pegou o bonde andando, a parte 1 aqui neste link), mas eu precisava ficar russamente inspirado pra fazer, ao mesmo tempo que escrevia/escrevo, ouvia/ouvindo Россия музыкаc. Mas vamos logo ao que interessa, е не боыся, даваи.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Enfim, pude tocar de fato o processo de reforma de Samarina, porque ganhei um processo contra o plano de saúde. Com o dinheiro (uma quantia até boa), comprei o motor e levei na oficina que tinha ajeitado o GolBus tempos atrás, fora que mimei o Gol também.

Off-topic, aqui o meliante que acabou de pegar o Gearhead Virus
Ciferalzão da Massa, Volvo B-58 moralizante, manualzão, só desce pela porta da frente (até hoje em Salvador é assim, apesar do miserável sistema Integra)

 

A compra do motor original, montagem e reativação

Quanto ao motor, pude enfim comprá-lo em Belo Horizonte. Chegou bonitinho, embalado, com nota fiscal e tal. Levou cerca de oito dias a entrega. Ele chegou dia 14 de maio, antes da greve dos caminhoneiros. Sobre ele, é um 1.3 8v, de 65 cv. Na ficha técnica, seu torque vem em média rotação: 9,7 kgfm a 3.400 rpm — é o mesmo torque do Gol 1.0 com gasolina, por exemplo. O 1.5 8v tem 72 cv, 10 kgfm de torque a 3.400 rpm, e ambos foram desenvolvidos em parceria com a Porsche no fim dos anos 70. No museu da marca alemã, eles mantém uma unidade em exposição, um exemplar bege, de duas portas.

Nesse tempo pude comprar os consumíveis do veículo (óleo/filtros, etc.), correia dentada, como na foto, é a do Monza 1.6 8v de 1982 a 1986, de 111 dentes. A correia do alternador é dos AP, Escort, Belina (foto).

Aquelas borrachas que sustentam o escapamento é do lendário e mitológico rei das estradas brasileiras, o Fiat Uno, fora o jogo de juntas do motor, completo, até com retentores/selos de válvula (santo Mercado Livre) vindos de Fortaleza/CE. Filtro de óleo é do Uno com motor FIASA, serve também no Ford Maverick quatro-cilindros. Óleo de caixa, 80w90 API GL-5, e o Militec do mal no motor/caixa, sabecomé…

O motor veio praticamente completo, exceto carburador (tinham adaptado um de Fusca, por que, meu pai?!). Na oficina que levei, que fica do lado de um ferro-velho, comprei um Weber 460 tirado de um Voyage CHT (nem sabia que existia ele e Parati com esse motor), para usar em caráter temporário e poder rodar logo. Outras peças específicas dele, como o distribuidor, só encontrei no santo Mercado Livre, além de outras que se compra no mercado local (bobina é a mesma dos Fuscas, cabos de vela do Uno Fiasa carburado, Chevette 1982 etc).

Levei o carro no sábado, dia 22 de maio, a oficina pra instalar o motor. No dia anterior, comprei quatro pneus meia-vida para uso temporário e fiz a montagem no mesmo dia. Peguei o carro na terça-feira (25), com o motor montado, pois na segunda, estava ruim de saúde. Na montagem, o mecânico ainda preencheu o sistema de freio com fluido como cortesia.

Dava gosto de ver o motor montado, ver aquele vazio preenchido ainda que sem funcionar. Saber que qualquer época, a partir de agora, é coisa pouca que falta. Qualquer gearhead tem/teve/terá essa sensação ao ver sua moqueca, que comprou sem motor, ou com ele bichado/batido/fundido (outros loucos como eu já passaram/passam/passarão por isso), ver que conseguiu o que faltava, ali, é indescritível. Você abre o capô, fica viajando com aquela cena, deleitando-se com aquilo, meio que brisado, respira aliviado. 

Curiosidade: as velas dele são as NGK BP5ES, comum aos demais Lada, porém aplicáveis a Chevette, Elba, etc. Na falta delas, pode-se usar a BPR5EY-D. A rosca dela, pra tirar com chave de vela, é de 19 mm (tipo GM Corsa), mas ele cabe perfeitamente uma vela de rosca 16 mm, como dos Volkswagen com motor Power/AT, por exemplo, e sobra um bom espaço lateral.

Encomendei um jogo de velas de irídio (eficiência) que já chegaram. O cabeçote terá que ser retificado pois está com os retentores/selos de válvula ruins, mas já comprei sabendo disso e perto de casa tem uma retificadora de motores (no Gol, o cabeçote ficou ruim por causa de uma ventoinha) que faz um excelente serviço, fora que o kit de juntas que comprei, veio com os selos (descobri que são os mesmos retentores do AP 1.8).

É uma mecânica relativamente simples, tudo fácil, à mão, lógico, sem complicação. Apenas montei as mangueiras antigas nos lugares, pra trocar a correia do alternador, por exemplo, é simples demais. Basta afrouxar ele no trilho de regulagem, voilá, ela a mão. E tô gostando disso, da descomplicação dele. Consegui, pelo menos, prender o escapamento no coletor dele. A junta é a mesma do Uno FIASA (R$ 3), porém nessa, tinha um aranha nível caranguejeira escondida do carro. O Zé aqui fazendo de tudo e nem ai, só vim ver quando meu cunhado viu mais tarde “Olha Deni, é uma aranha grande ali?”. Joguei inseticida pra ver se matava ela (tenho pavor de animal peçonhento). 

 

Acabamento, miudezas, retado com cunhado entre outros

As demais peças foram as de acabamento. Apesar de o carro estar com o interior relativamente integro, algumas peças se quebraram com o tempo, ai te pergunto: onde achar? Sorte que algumas peças médias, achei no Mercado Livre.

Lanterna esquerda, farol direito, pisca dianteiro esquerdo, caixa de fusíveis (esse comprei por segurança, não sabia como estava a trilha eletrônica do que está no carro), elevador do vidro do motorista, o vidro, cilindro da fechadura (essa veio de brinde com o motor), todas essas eu comprei, estoquei, muitas chegaram de boa. Já outras, eu tive de esperar a greve dos caminhoneiros encerrar, pra poder receber e instalar no carro.

Outras eu comprei no Aliexpress, tais como o par de alavancas de seta/limpador e tampa do combustível, com chave. Todas funcionam a contento, sem problema algum.

Muitas peças dele estavam quebradas naturalmente. Outras, pela falta do vidro do motorista, acabaram sendo vandalizadas (os muleke-piranha), tive de comprar tudo novo. Do mesmo fornecedor do motor, comprei outras, as que faltavam e sobressalentes.

As quebradas, de quando comprei o carro, seriam naturalmente trocadas. Pisca lateral-dianteiro esquerdo, lanterna esquerda, que como vocês viram nas fotos, estava quebrada na luz da marcha-ré. O farol direito, literalmente podre, foi pro lixo, tampa do porta-luvas, que já estava quebrado, e os muleke-piranha terminaram o serviço, fora o painel de instrumentos, que quebraram o vidro, arrancaram os ponteiros. Mecanismo dele está intacto, mas ficou degradado. E pra trocar pelo substituto foi um parto, com o carro já em casa. Mesmo eu, que tenho mão pequena e 1,63m, o espaço é muito apertado.

Comentei com um conhecido sobre isso, até que me deu a luz, que tinha de tirar o cabo do velocímetro na caixa de marcha pra poder folgar ele no painel. Fiz isso, foi sussa fazer. Na troca do painel, troquei as alavancas de seta/limpador, que um monstro conseguiu quebrar uma haste de metal com a mão. As demais foram:

— Ganchos dos quebra-sóis (esfarelaram na mão);
— Puxador dos bancos (banco do carona sobrou o toco e do motorista só a haste);
— Elevador do vidro do motorista (quebrado, girava em falso);
— Cilindro das chaves (tampa do porta-malas e carona tem, mas a do motorista está sem);
— Vidro do motorista, que não tinha;
— Gancho do reservatório do limpador do para-brisa, que não tinha. 

O restante foi comprado no Ebay e no Ladaway, site especializado em Lada porém atualmente desativado. Essa parte merece uma menção a parte. Samarina quando comprei, veio com o par original dos retrovisores (ambos operacionais), lente do farol direito, lente do pisca esquerdo e uma tampa de acabamento, fora as luzes de placa, olho de gato nas portas dianteiras, ou seja, veio completo.

Tirei essas peças, pois sei que são raras de achar aqui, e como o carro estava na rua, medo de algum noiado, maluco roubar/quebrar. Com isso, limpei, guardei e tal, porém me mudei de residência, e a casa era menor. Falei com minha irmã pra guardar na casa dela essas peças, fora a correia do motor e alternador velha (guardei pra referência) em Ilhéus, que é muito maior. Legal, ela guardou, pois sabia que estava seguro, certo? Errrooou!

Pois bem, o tempo passa, fizeram uma reforma lá, o bendito do cunhado pegou a caixa e simplesmente deu pra um carroceiro que passava na rua. Na caixa eu tinha um jogo de calotas originais do Gol G5 com aro 13, raras de achar mesmo em borracharia, que valiam R$ 45 cada uma. Fiquei retado (puto), pois nessa brincadeira perdi R$ 180 das calotas, mais uns R$ 500 de peças originais, impressora e notebook (sem HD), mas que ainda funcionava. Simplesmente achou que era sucata!

Pelo menos algumas que foram embora, pude comprar no Ladaway, e outras que não tinha (em fotos) e no Ebay. Todas essas que vieram de fora chegaram bem, sem cobrança de impostos, tirando a demora dos Correios. Outras faltam comprar.

*Retado aqui na Bahia tem dois sentidos. O de aprovação (esse cara é retado, bom no que faz), ou de raiva, reprovação (Tô retado com fulano devido a sacanagem que fez). Depende do contexto.

 

A destruidora de Chevette

Foi um fato engraçado. Estava de boa, batendo papo na porta da casa da sogra com a esposa e cunhadas, aí passa um vizinho com um Chevette do farol redondo, todo acabado, foi fazer um cavalo de pau, só que calculou mal. Resultado: Samarina atingida. Vi tudo. Fui conferir os danos, já sofrendo e calculando quanto iria ga$tar. Fiquei com cara de WTF?!

A Samarina apenas descascou o para-choque e só afundou bem de leve a lata na quina direita, perto da lanterna. Já o Chevette… era sedã, virou hatch.

A lanterna direita do Chevas virou pó, o para-choque dele ficou pendurado, arrastando no chão, a lateral foi pro meio do carro, a tampa do porta-malas não fechava mais e ainda andava torto, até o vidro traseiro descolou. Lata dura da zorra, véi!  Dizem que o Samara tem chapa 18 (não sei que medida é essa). Todo mundo viu, até a esposa, que tava retada porque comprei o carro, mudou logo de ideia e decidiu apoiar. Sem zoeira, queriam comprar o carro, depois do acontecido. 

 

Tentativa de dar a partida – quaaase!

Após ter recolocado as peças quebradas, montado as calotas (mesmas do Gol G5 aro 13, e o Samara está com as rodas de Gol), troquei a caixa completa de fusíveis, montei o alternador, beleza. Decidi ver se a parte elétrica estava ok, pois alguns fios estavam velhos de idade, alguns ressecavam, os terminais estavam a ponto de partir.

Fiz a manutenção, refazendo alguns fios etc. Então, peguei a bateria do Gol e montei no Lada. Não demorou um minuto, girei a chave sem ligar o motor, apenas ligando, tudo elétrico voltando a vida. Faróis, lanternas, piscas, limpadores, até o desembaçador traseiro  funcionou. Alegre com isso, decidi tentar funcionar o motor. Fui no posto de gasolina, com um galão de cinco litros, comprei gasolina e joguei no carburador. O leso aqui jogou direto, no segundo estágio. Bom, pelo menos girou o motor, quis dar partida, mas o carburador saiu chamas. Calma, o carro não virou um RPG-7 russo, mas pude apagar. Descobri que o motor tá fora do tempo (fui montando as peças por montar). Decidi não mais insistir, por medo de empeno de válvulas.

Atualmente, o carro está relativamente em ECD (em condições de…) apenas levar na oficina pra poder acertar o tempo de ignição, e uma revisão pra rodar logo de cara.

A próxima meta será a documentação, transferência de Minas Gerais pra Bahia, já com a placa Mercosul, que começou a valer aqui na Bahia no dia 27 de dezembro de 2018, colocação de alguns acessórios  que só existem na Rússia, upgrades e serviço de funilaria, que considero o maior e mais caro.

No terceiro post, tentarei gravar um vídeo funcionando, o comportamento dinâmico do carro, curiosidades sobre o mesmo, entre outros.

Abraços e Luz na vida de vocês. Спасибо.


Clique aqui para ver o índice dos projetos e acessá-los individualmente

Matérias relacionadas

Project Cars #286: detalhes que fazem a diferença e a personalização do meu Golf GTI VR6 #79

Leonardo Contesini

Um Clio turbo para as pistas: conheça o Project Cars de Fellype Saab

Leonardo Contesini

Project Cars #402: começando a manutenção e reparos do meu Subaru Outback

Leonardo Contesini