FlatOut!
Image default
Car Culture Zero a 300

Alfa Romeo 155 GTA Stradale: quando os italianos quase fizeram um rival para o BMW M3 e o Mercedes 190E Cosworth

Quem é fã de corridas de turismo (e quem não é?) tem, no mínimo, profundo respeito pelo Alfa Romeo 155. E não é para menos: ele foi um dos mais bem-sucedidos carros de turismo de seu tempo: entre 1992 e 1994, a Alfa Romeo abocanhou com ele títulos no Campeonato Italiano de Turismo, no Campeonato Britânico de Turismo, no Campeonato Espanhol de Turismo e no Campeonato Alemão de Turismo, o DTM – nos até já contamos esta história em detalhes aqui. E aqui, também.

Sendo assim, fica mais fácil ainda entender o apelo do Alfa 155 sobre os entusiastas. Mesmo as versões mais comuns, como as que temos no Brasil – que usam um quatro-cilindros Twin Spark com comando duplo no cabeçote e 150 cv – são carros que, de certa forma, trazem um pouco do DNA do Alfa Romeo 155 que venceu corridas na Europa. Além disso, o design assindo por Ercole Spada, do Instituto I.DE.A, é um dos mais marcantes dos anos 1990. A dianteira baixa e aerodinâmica, a traseira alta e imponente, as linhas sóbrias e esportivas ao mesmo tempo, são irresistíveis.

Dito isto, na década de 1990 a Alfa teve a oportunidade de colocar no mercado uma versão verdadeiramente matadora do 155: a GTA Stradale, que era praticamente um Lancia Delta HF Integrale com outra carroceria. Acabou não acontecendo, mas o protótipo – o único fabricado – acaba de dar as caras. E muitos sequer acreditavam em sua existência. Pois ele existe e, mais do que isto, será leiloado daqui a alguns dias pela Bonhams. Já vamos falar a respeito disto, mas antes vamos conhecer o carro em si.

1992-Alfa-Romeo-155-GTA-Stradale-5

O ponto de partida foi o Alfa Romeo 155 Q4, versão que jamais foi vendida oficialmente no Brasil. É uma pena, porque estamos falando de um Alfa 155 com tração integral, três diferenciais e um quatro-cilindros 2.0 turbo 16v de 190 cv, que era capaz de ir de zero a 100 km/h em sete segundos cravados com máxima de 225 km/h. Um carro e tanto, sem sombra de dúvida.

O que a Alfa Romeo queria, contudo, era tornar o 155 um rival à altura de BMW M3 e Mercedes-Benz 190E 2.5-16 Cosworth – ambos especiais de homologação para suas respectivas versões de turismo, que também foram bem sucedidas nos anos 80 e 90. Para isto, chamou ninguém menos que Sergio Limone, engenheiro da Abarth que, entre seus projetos, tinha o incrível Lancia 037 no currículo – o protótipo do Grupo B de rali que conseguiu o último título da tração traseira no WRC. Não era qualquer um!

image (11)

Segundo consta, a preparação mecânica consistiu em adotar um novo turbocompressor, um Garrett T3, um novo intercooler e uma nova ECU da Magnetti Marelli. Embora as modificações possam ter dado fôlego extra ao quatro-cilindros, os dados oficiais dizem que a potência continuou nos 190 cv, o que significa que o desempenho era muito parecido com o que já se via no Q4.

image (13)

Foram realizadas outras modificações, mais radicais, no restante do carro. A começar pela suspensão traseira, que adotou o sistema McPherson com braços inferiores do Lancia Delta HF Integrale. A carroceria ganhou para-lamas mais largos para acomodar as bitolas maiores (de 1.517 mm na dianteira e 1.506 mm na traseira para 1.540 mm na dianteira e 1.530 mm na traseira, respectivamente) e uma nova asa traseira, além de para-choques feitos para imitar a versão de corrida.

image (3)155_GTA_STRADALE

O interior não era muito diferente do que já se via no Alfa Romeo 155 Q4: um elegante painel de instrumentos com linhas predominantemente retas e acabamento preto e bancos esportivos revestidos de couro preto. Havia, porém, dois detalhes interessantes: volante de três raios da Sparco, com a “marca das 12 horas” no topo, e uma chave geral para desligar o sistema elétrico e cortar a alimentação de combustível em caso de acidente, como nos carros de competição. O carro calçava rodas brancas que davam um aspecto racer ao 155 e eram comuns nos carros de competição da Alfa Romeo.

image (7) image (6)image (8)

O projeto foi batizado Alfa Romeo 155 GTA Stradale. Era uma referência ao Alfa Romeo Giulia GTA, versão aliviada (ou alleggerita em italiano) do icônico cupê dos anos 1960, e ao fato de que era um carro de corrida para as ruas (stradale), e encaminhado para a aprovação da Fiat… que o recusou.

Nossa veia entusiasta quer acreditar que o Alfa Romeo 155 GTA Stradale teria sido um sucesso caso tivesse chegado às ruas. No entanto, os diretores da Fiat acharam que isto só aconteceria se o carro tivesse um motor V6, mais potente, (o que é louvável) mas este seria incompatível com o sistema de transmissão do Lancia Delta HF Integrale. Outra razão citada foram os custos: de acordo com a Fiat, o carro precisaria de uma linha de produção separada por conta das modificações na carroceria, o que tornaria o projeto dispendioso demais e inviável financeiramente.

O que aconteceu, então? Pois bem: o carro ficou pronto em algum momento de 1993 e foi apresentado no Salão do Automóvel de Bologna, na Itália. Depois disto, em 1994, o Alfa 155 GTA Stradale serviu de carro de apoio à equipe médica da Alfa Romeo durante o campeonato italiano de turismo. É por isso que, na foto abaixo, há a inscrição “DOCTOR” na porta do carro.

image (2)

Em seguida o carro foi vendido a Tony Fassina, ex-piloto de rali e dono de uma concessionária Fiat. Segundo consta, ele também comprou alguns componentes mecânicos que haviam sobrado do programa da Alfa Romeo para a DTM, como monoblocos e motores. Ele ficou com o carro por quatro anos e depois o vendeu para um amigo alemão, que ficou com o 155 GTA até 1999. O destino seguinte foi o principado de Monaco, onde um proprietário não identificado conseguiu converter o Alfa Romeo para uso nas ruas.

A certa altura um colecionador de Alfa Romeo italiano comprou o carro e o trouxe de volta a seu país de origem, onde o Alfa 155 GTA Stradale passou seus últimos anos fechado em uma garagem. O atual dono do carro se chama Rino Anello, que fez questão de manter o carro intacto e original, exceto por uma restauração na asa traseira.

Agora a Bonhams anunciou que o Alfa Romeo 155 GTA Stradale será um dos carros vendidos em seu próximo leilão, que acontecerá na cidade de Pádua, na Itália, no próximo dia 27 de outubro. Estima-se que ele será arrematado por algo entre € 180.000 e € 220.000, o que equivale a R$ 780.000 – R$ 950.000 em valores aproximados. Se tratando do único exemplar que existe no mundo, não é difícil entender uma projeção tão alta. Para quem é fã da Alfa e tem bala na agulha, a ideia de ter um carro de significado histórico tão grande é praticamente irresistível.

Matérias relacionadas

Quadros renascentistas recriados em uma oficina mecânica são nosso tipo de arte

Dalmo Hernandes

Criador do McLaren F1 acha que os hipercarros híbridos estão indo na direção errada

Leonardo Contesini

Corvette destruído em museu é restaurado, as mudanças em Interlagos, o Volvo V60 “off-roader” e mais!

Leonardo Contesini