A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Alfa Romeo 156 Coloni S1: um monoposto de corrida disfarçado de sedã italiano

O Alfa Romeo 156 é um dos carros mais bonitos do mundo, e isto é fato. Se eu não soubesse que beleza é algo subjetivo, diria que o Alfa 156 é o carro mais bonito do mundo, ponto. Ao menos é o que eu acho neste momento, enquanto encaro pela tela do computador aquela que, provavelmente, é a versão mais extrema do Alfa Romeo 156 já feita: o Coloni S1.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Quando se fala de versões de turismo dos carros da Alfa Romeo, é provável que o primeiro nome a pipocar no seu cérebro seja o do Alfa Romeo 155. E com razão: o 155 V6 Ti – que, como o nome indicava, tinha um motor V6 de 2,5 litros e pelo menos 500 cv a 11.000 rpm – foi o vencedor do Campeonato Alemão de Turismo, o DTM, em 1993, superando um batalhão de alemães. E ele roncava como um carro de Fórmula 1.

Mas o Alfa Romeo 156, lançado em 1996, também teve suas glórias nas corridas de turismo. Entre 2000 e 2003, o Alfa 156 GTA venceu quatro vezes em sequência o Campeonato Europeu de Turismo, com os pilotos italianos Fabrizio Giovanardi e Gabriele Tarquini. Tal qual o 155 V6 Ti, o 156 GTA usava o monobloco original – mas, em vez de um seis-cilindros, tinha uma versão de até 275 cv do motor 2.0 16v Twin Spark.

O Alfa Romeo 156 GTA podia não ter o mesmo ímpeto do 155 V6 Ti, mas era inegável que ele tinha seu charme. Agora, com Alfa Romeo 156 Coloni S1, a coisa era bem mais radical – ele era, na prática, uma reedição do Alfa Romeo 164 que foi criado para substituir o BMW M1 na Procar, em 1988, mas jamais competiu. Esse cara aqui:

Embora parecesse um Alfa Romeo 164, por baixo da carroceria o carro tinha construção do tipo spaceframe com o motor – um V10 de 3,5 litros e 620 cv a mais de 13.000 rpm – como componente estrutural. Ele deveria ser usado na categoria de apoio da Fórmula 1 no fim dos anos 80, mas só fez uma aparição pública, antes do GP de Monza de 1988.

Mas o Alfa Romeo 164 Procar não deixa de ser incrível por ser uma bolha – e o mesmo vale para o Alfa Romeo 156 Coloni, criado 12 anos depois, em 2000.

O carro foi construído pela Scuderia Coloni, equipe fundada em 1982 por Enzo Coloni, e que conseguiu fama por ter tentado se classificar 82 vezes para a Fórmula 1 entre 1987 e 1991, mas só conseguido participar de 14 Grand Prix. E mais: foi a Coloni que, em 1990, usou o fracassado motor flat-12 da Subaru. O melhor resultado da equipe foi um oitavo lugar no GP do Canadá de 1988, com Gabriele Tarquini ao volante. Depois de seu fracasso na Fórmula 1, a Coloni apostou em categorias menores, como a Fórmula 3000, a Fórmula 3 e a GP2, com resultados apenas razoáveis.

A história do Alfa Romeo 156 Coloni S1 é bastante obscura, e é difícil obter informações. O que se sabe: no fim dos anos 1990, começou a ser organizado por uma companhia espanhola chamada RPM um campeonato nos moldes da Stock Car, o Campeonato Maxiturismo. A RPM contratou a Coloni para projetar um chassi a ser usado por todos os carros, sobre o qual as equipes poderiam instalar o motor e a carroceria que quisessem.

A Coloni se inspirou pelo Alfa Romeo 164 Procar para criar o 156 Coloni S1, com uma bolha que reproduzia as formas do sedã de rua, porém feita de fibra de carbono, e com apenas duas portas. A suspensão usava braços triangulares sobrepostos e amortecedores Eibach na dianteira e na traseira, e o motor ficava em posição central-traseira – um V6 Alfa Romeo de três litros e 380 cv, acoplado a uma transmissão sequencial Hewland de seis marchas. As rodas eram um jogo de OZ Racing de 18×9,5 polegadas na dianteira e 18×11,5 polegadas na traseira, e abrigavam freios Brembo com discos de carbono-cerâmica. O piloto ia sentado no meio, como e um monoposto.

Sem dúvida era um conjunto impressionante – e o espetáculo audiovisual proporcionado por ele, também. Há alguns vídeos antigos do Alfa Romeo 156 Coloni S1 no Youtube que evidenciam isto:

Mas havia um probema: o preço. Um carro custava o equivalente a US$ 300.000 na época, sem levar em conta a infraestrutura de pista. O 156 Coloni S1, ao que parece, foi construído pela Scuderia Coloni para convencer equipes e fabricantes a entrar para o Campeonato Maxiturismo, aparentemente ninguém estava interessado em investir em uma categoria recém-criada na Espanha. Nem mesmo a Alfa Romeo.

Na época, os organizadores da competição chegaram a dizer que, caso não houvesse adesão de equipes, todo o trabalho de desenvolvimento seria em vão, e o protótipo acabaria em um museu. E foi exatamente o que aconteceu.

O Alfa Romeo 156 Coloni S1 chegou a participar de alguns eventos de exibição e track days, mas jamais disputou uma corrida de fato. No momento ele está em uma loja holandesa chamada Classic Cars for Sale, que só revela o preço a quem entrar em contato e estiver realmente interessado. Ao que parece, o carro está em condições de correr – e pilotá-lo deve ser uma bela experiência.

 

Matérias relacionadas

Você nunca ouviu um quatro-cilindros roncar como o Alfa Romeo 4C

Leonardo Contesini

Um supercarro com motor V8 a diesel, Alfa Romeo usará motores Ferrari, um acidente de moto a 225 km/h e mais!

Leonardo Contesini

…Porque na Rússia, o V8 vai na traseira: este Tatra já serviu à KGB – e está à venda

Dalmo Hernandes