A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Melhor da Semana

Melhor da semana: aceleramos Argo Trekking e Range Rover Velar, nosso adeus a Niki Lauda e mais!

Passou a semana tentando entender porque seu Astra 2.0 está bebendo tanto? Ficou procurando tampa do porta-malas para seu Honda Fit porque o para-choque traseiro não fez o que deveria fazer e por isso nem teve tempo de visitar seu site favorito? Não tem problema: aqui está nosso resumo com tudo o que rolou de mais importante nesta semana.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

 

Fernando Alonso está fora da Indy 500

A busca de Fernando Alonso pela Tríplice Coroa foi adiada por mais um ano, pelo menos. O espanhol não conseguiu se classificar para a Indy 500 e terá que assistir à prova da arquibancada.

Depois de uma forte batida, e de ficar fora dos 30 primeiros e foi para o Bump Day, onde as últimas três vagas foram disputadas entre seis carros e pilotos. Alonso cravou 227,37 mph (365,92 km/h) e esperava ficar com a última das 33 vagas, mas Kyle Kaiser, da nanica equipe Juncos, logo de cara igualou a média da primeira volta de Alonso, nas duas voltas seguintes ele superou a média de Alonso e na quarta volta conquistou a última vaga, deixando Alonso fora da prova.

O fraco desempenho de Alonso na Indy 500 é atribuído à equipe parceira da McLaren, a Carlin Motorsport, que tem experiência nos circuitos mistos, mas é praticamente uma “rookie” nos ovais — O’Ward e Chilton também disputaram a classificação pela equipe e marcaram as piores médias. Alonso até tentou alguma ajuda com seus camaradas da Andretti, mas já era tarde demais e o sonho da Tríplice Coroa foi adiado por mais um ano.

 

Chevrolet S10 2020 muda pouco e custa mais caro

A Chevrolet apresentou a linha 2020 da picape S10 com algumas (poucas) mudanças nos equipamentos de série e um reajuste no preço que a deixou até R$ 3.800 mais cara. As mudanças são poucas mesmo. O sistema OnStar ganhou novas funções, voltadas a trabalhadores do setor de agronegócios – integração com Android para indicação de locais e estabelecimentos no Waze e no Google Maps, alerta automático com geolocalização em caso de acidente, e um aplicativo para administração de frota. E o banco traseiro das versões com cabine dupla agora tem um encosto de cabeça para o ocupante central.

Quase todas as versões da S10 ficaram mais caras na linha 2020 – da Advantage CS com motor 2.5 a gasolina e tração traseira, que parte de R$ 109.590; à LTZ 2.8 turbodiesel 4×4, que sai por R$ 188.990.

S10 CS Chassis Cab LS Diesel 4×4: R$ 126.690 (valor anterior: R$ 123.890 | aumento de R$ 2.800)
S10 CS LS Diesel 4×4: R$ 133.590 (valor anterior: R$ 130.690 | aumento de R$ 2.900)
S10 Advantage 2.5 4×2: R$ 109.590 (valor anterior: R$ 107.090 | aumento de R$ 2.500)
S10 LT 2.5 Flex AT 4×2: R$ 123.990 (valor anterior: R$ 121.390 | aumento de R$ 2.600)
S10 LT 2.5 Flex AT 4×4: R$ 129.150 (valor anterior: R$ 126.990 | aumento de R$ 2.160)
S10 LTZ 2.5 Flex AT 4×2: R$ 130.490 (valor anterior: R$129.590 | aumento de R$ 900)
S10 LTZ 2.5 Flex AT 4×4: R$ 138.990 (valor anterior: R$ 137.990 |aumento de R$ 1.000)
S10 LT 2.8 Diesel MT 4×4: R$166.090 (valor anterior: R$ 162.590 | aumento de R$ 3.500)
S10 LT 2.8 Diesel AT 4×4: R$ 171.890 (valor anterior: R$ 168.590 | aumento de R$ 3.300)
S10 Midnight 4×4: R$ 175.590 (valor anterior: R$ 174.590 | aumento de R$ 1.000)
S10 LTZ 2.8 Diesel AT 4×4: R$ 188.990 (R$ 185.190 |aumento de R$ 3.800)

A única versão da Chevrolet S10 a não mudar de preço foi a de topo High Country 4×4, com motor turbodiesel, que segue custando R$ 191.990.

 

Morreu Niki Lauda aos 70 anos de idade

Morreu na segunda-feira (20) Andreas Nikolaus Lauda, o austríaco que entrou na fórmula 1 como piloto pagante, venceu três campeonatos e entrou para a história como símbolo de perseverança após um dos acidentes mais terríveis da história do automobilismo. 

Lauda tinha 70 anos, e vinha enfrentando problemas de saúde desde agosto do ano passado, quando foi internado para um transplante de pulmão. Segundo declarações do próprio Lauda na época, a recuperação foi mais lenta e dolorosa que a de seu acidente infernal em Nürburgring, em 1976. Logo após a recuperação, em janeiro deste ano, ele voltou a ser internado devido a uma forte gripe, mas logo teve alta.

Recuperado, Lauda desenvolveu problemas renais que debilitaram seu estado de saúde. Nesta segunda-feira, ele foi encaminhado ao Hospital Universitário de Zurique para uma hemodiálise, mas sucumbiu à falência dos rins.

 

Megane RS Trophy R recupera recorde de tração dianteira em Nürburgring Nordschleife

O Renaut Megane RS Trophy-R voltou à Alemanha para recuperar seu recorde depois de quase cinco anos: os franceses cravaram nada menos que 7:40,1 – uma redução de 3,7 segundos em relação ao Honda.

É uma marca impressionante para um hot hatch com motor 1.8 de 300 cv tracionando as rodas dianteiras. Como referência, este é o mesmo tempo do Mercedes-Benz SLS AMG, do Porsche 911 GT3 997.2,  é dois segundos mais rápido que o Porsche Cayman GT4, e apenas um segundo mais lento que a Ferrari 430 Scuderia.

Assistindo ao vídeo do recorde, nota-se que o principal trunfo do RS Trophy-R foi mesmo sua velocidade de contorno das curvas, que é impressionantemente alta não apenas para um hatchback. E como se não bastasse, ele ainda tem câmbio manual de seis marchas.

A Renault infelizmente não divulgou os detalhes do Trophy-R, mas disse que ele é “até” 130 kg mais leve que o Trophy comum, e que o modelo tem suspensão recalibrada e aerodinâmica mais avançada em relação ao Trophy, escape Akrapovič, freios Brembo e suspensão Öhlins. Além disso, as fotos deixam claro que ele usa pneus Bridgestone S007, rodas de fibra de carbono.

 

Autódromo do Rio de Janeiro já tem vencedor de licitação, mas ainda não há licença ambiental

Na segunda-feira (20) a prefeitura do Rio de Janeiro anunciou o vencedor da licitação para a construção do novo autódromo no bairro de Deodoro na zona norte da cidade. A proposta do consórcio Rio Motorsports foi a única apresentada e, portanto, foi automaticamente aprovada pelo processo. O edital da licitação estipula que os investimentos sejam de iniciativa privada, com gastos previstos de R$ 700 milhões.

Ainda na segunda-feira o Ministério Público Federal (MPF) fez um pedido de liminar para suspender a licitação que permite o inicio das obras, alegando que falta um Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O terreno cedido pelo exército para a construção do autódromo, como contrapartida pela demolição de Jacarepaguá, é conhecido como Floresta do Camboatá, que é uma área de preservação ambiental permanente da Mata Atlântica.

 

Fiat anuncia motores turbo no Brasil

A Fiat anunciou na quarta-fira (22) um investimento de R$ 500 milhões para construir uma nova fábrica de motores em Betim/MG. O complexo será responsável pela produção dos novos motores turbo GSE (Global Small Engine). Com versões 1.0 de três cilindros e 1.3 de quatro cilindros, os motores são flex e baseados na família Firefly, introduzida em 2017.

Diferentemente dos Firefly naturalmente aspirados, os motores GSE terão quatro válvulas por cilindro – ou seja, o 1.0 passará de seis para 12 válvulas e o 1.3, de 8 para 16 válvulas. Além disso, terão um novo cabeçote com coletor integrado, coletor de admissão variável MultiAir e comando acionado por corrente, injeção direta de combustível (inédito em motores flex da Fiat) e taxa de compressão dinâmica. O motor 1.0 três-cilindros terá potência em torno de 120 cv, já o 1.3 quatro-cilindros terá duas faixas de potência – 150 cv e 180 cv, aproximadamente.

Os motores atuais da Fiat no Brasil seguirão em linha. A linha Fire de motores 1.0 e 1.4 seguirão produzidos em Betim até 2023, enquanto o motor E.torQ de 1,8 litro e 139 cv continuará sendo feito em Campo Largo. Da mesma forma, os motores Firefly 1.0 e 1.3, naturalmente aspirados, continuarão a equipar modelos como Uno, Argo e Mobi.

 

Renault apresenta versão de produção do Arkana na Rússia

A Renault apresentou nesta semana em Moscou a versão de produção do Arkana. O “SUV-cupê” já havia sido mostrado na forma de conceito em 2018 e está cotado para ocupar o topo da linha da Renault no Brasil, substituindo o Fluence.

Baseado na plataforma B0 da Renault-Nissan, ele compartilha a base mecânica com o Captur e a primeira geração do Duster, ainda vendida no Brasil, embora a Renault tenha destacado que 55% dos componentes foram renovados para esta nova geração de modelos baseados na plataforma.

Na Rússia ele usa um motor 1.6 aspirado de 115 cv e 15,9 kgfm na versão de entrada, e um 1.3 turbo desenvolvido em parceria com a Daimler-Benz na versão de topo. É o mesmo motor dos atuais A180 e B180, com 150 cv e 25,44 kgfm. O modelo é oferecido com tração dianteira e câmbio manual de seis marchas ou CVT, ou com tração nas quatro rodas e câmbio manual de seis marchas.

A versão russa será produzida na Espanha, e terá sete opções de cores, rodas de 17 polegadas, seis airbags (frontais, laterais e cortinas), sistema multimídia com touchscreen de oito polegadas compatível com Apple CarPlay e Android Auto, sistema keyless, monitoramento de ponto-cego, sistema de áudio com oito alto-falantes, amplificador e sub-woofer. Os preços partem da faixa dos R$ 90.000 em conversão direta.

No Brasil, o modelo será um pouco diferente do russo. Como a versão com tração nas quatro rodas parece mais voltada ao uso na neve russa, é pouco provável que a configuração chegue ao Brasil. Por aqui, ele deverá estrear o motor 1.3 turbo na linha Renault, mas deverá manter o 1.6 de 118 cv na versão de entrada, que também deverá usar o câmbio manual. A estreia do modelo deve acontecer até o final deste semestre.

 

Novo Toyota RAV4 híbrido é lançado custando a partir de R$ 166.000

A Toyota anunciou na quinta-feira (23) o lançamento da quinta geração do SUV RAV4. Feito sobre a plataforma global TNGA, a mesma do novo Corolla e do Prius, o utilitário será oferecido a partir de junho em duas versões, S Hybrid e SX Hybrid, que custam R$ 165.990 e R$ 179.990, respectivamente.

Ambas usam o mesmo conjunto, formado por um quatro-cilindros de 2,5 litros a gasolina de 178 cv a 5.700 rpm e 22,5 kgfm a 3.600 rpm; mais três motores elétricos que, juntos, entregam 120 cv e 20,6 kgfm. No total, são 222 cv, moderados por uma transmissão CVT que leva a força para as quatro rodas. Segundo a Toyota, o novo RAV4 é capaz de rodar 12,8 km/l na cidade e 14,3 km/l em rodovias. O sistema híbrido usa a energia cinética das frenagens para recarregar as baterias – não é um sistema plug-in, com tomada.

Com a nova plataforma, o RAV4 agora tem 4,60 m de comprimento, 1,85 m de largura, 1,68 m de altura e 2,69 m de entre-eixos – este, 30 mm maior que na geração anterior. Além disso, o vão livre do solo ficou 15 mm maior.

O que diferencia as duas versões é o nível de equipamentos. O Toyota RAV4 S Hybrid é equipado com sete airbags; controles eletrônicos de estabilidade e tração; central multimídia touchscreen de sete polegadas; sistema de som com seis alto-falantes, ar-condicionado digital de duas zonas; chave presencial para acionamento do motor e abertura das portas e do porta-malas; volante revestido em couro com comandos de áudio e cruise control; painel de digital com tela de sete polegadas; faróis full-LED e rodas de 18 polegadas.

A versão SX Hybrid acrescenta teto solar panorâmico e abertura do porta-malas por sensor de movimento; carregador de celular wireless no console central; aletas para troca de marchas (simuladas, obviamente) o sistema Toyota Safety Sense (TSS), com alerta de mudança de faixa, cruise control adaptativo, sistema de pré-colisão frontal, dimmer automático para os faróis, e frenagem automática de emergência.

 

Bolsonaro quer acabar com os radares móveis

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar os radares nesta quinta-feira (23) durante sua passagem por Cascavel/PR. Desta vez, o alvo são os radares móveis que, segundo o presidente, são “armadilhas para pegar os motoristas”.

“Nós temos pardal escondido atrás da árvore. Então, agora, conversando com o Sergio Moro, que a PRF está com ele também, nós queremos acabar com os radares móveis também, que é uma armadilha para pegar os motoristas”, disse Bolsonaro à imprensa presente no local sem dar detalhes de como pretende fazer isso.

Atualmente o governo federal está impedido de remover radares por uma medida judicial movida por um parlamentar de oposição. Segundo a decisão judicial, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes precisa apresentar estudos que justifiquem a remoção dos radares.

Os radares móveis e portáteis, embora operados por agentes, não motivam a interceptação ou abordagem dos carros flagrados em velocidade excessiva. Isso permite que os veículos sigam viagem em velocidades de risco, sendo punidos somente quando o auto de infração for emitido.

 

Avaliações

Nesta semana tivemos duas avaliações. Na segunda-feira o Juliano avaliou o Fiat Argo Trekking para descobrir como a receita de vinte anos da Fiat se aplica ao seu atual hatch compacto:

Clique na imagem para ver o post

… e na quinta-feira eu, Leo, publiquei a avaliação do Range Rover Velar P300 R Dynamic para descobrir como anda um SUV de 1.800 kg com motor 2.0 turbo:

Clique na imagem para ver o post

Exclusivo para assinantes e crowdfunders

Começamos a semana lamentando — sim, lamentando — a guerra de motores V16 entre BMW e Mercedes-Benz que quase aconteceu nos anos 1990:

Clique na imagem para ver o post

Contamos a segunda parte da história da Auto Union, com a segunda empresa que formada a união automobilística alemã, a Wanderer:

Clique na imagem para ver o post

Questionamos a real eficiência e necessidade do seguro DPVAT no formato atual — e, claro, propusemos uma alternativa:

Clique na imagem para ver o post

Contamos a trajetória de Niki Lauda em seus 70 intensos anos de vida:

Clique na imagem para ver o post

Contamos a história e a evolução do Circuito de Monaco, bem como suas alterações ao longo dos anos:

Clique na imagem para ver o post

Depois seguimos com mais duas histórias: a do Boss 302, o Mustang de homologação para a Trans Am…

Clique na imagem para ver o post

… e a história dos clássicos faróis Cibié:

Clique na imagem para ver o post

E fechamos a semana com mais um capítulo da série “Quem disse que os americanos não fazem curvas?”

Clique na imagem para ver o post

 

Project Cars

Nesta semana tivemos mais uma estreia no Project Cars do FlatOut: o Fiesta Mk4 Duratec do leitor Claudio Cazes:

Clique na imagem para ver o post

 

YouTube do FlatOut

Nesta semana nosso Midnight voltou aos anos 1960 para conhecer um dos carros mais icônicos da história do automobilismo nacional o  DKW GT Malzoni:

 

Especiais do FlatOut

Explicamos por que o Citroën 2CV nunca teve 2cv de potência e porque tantos carros da época tinham uma potência no nome e outra no motor:

Clique na imagem para ver o post

Conhecemos um Fiat Uno turbo de 750 cv que completa o quarto-de-milha em 9 segundos a 250 km/h:

Clique na imagem para ver o post

Contamos a história do primeiro 4×4 com motor a gasolina da história:

Clique na imagem para ver o post

Também contamos a “liver run”, uma corrida contra o relógio da polícia britânica para entregar um fígado no hospital:

Clique na imagem para ver o post

E conhecemos o incrível trabalho de Johnny FPV, que grava vídeos de drift usando a técnica freestyle de drones e um conhecimento inigualável do drifting:

Clique na imagem para ver o post

Matérias relacionadas

Melhor da semana: Virtus GTS, Porsche 911 Speedster, o novo Tracker e mais!

Leonardo Contesini

Melhor da semana: os novos Mercedes CLA, Porsche 992 Cabrio e Huracán Evo, FlatOut Midnight, Concorde e mais!

Leonardo Contesini

Melhor da semana: avaliação do T-Cross, Mercedes C63 AMG no Brasil, o fim do Taurus e mais!

Leonardo Contesini