A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Por que não se faz mais carros “loucos” como os antigos Citroën?

Em setembro de 1961, a BMW levou ao Salão de Frankfurt dois modelos que mudariam sua história e escreveram as primeiras linhas de seu futuro: o 3200 CS e a Neue Klasse. Se hoje os BMW são aclamados por sua dinâmica exemplar, por serem prazerosos de guiar, a culpa é destes dois carros. Mas eles também introduziram uma outra marca que acompanharia praticamente todos os BMW, e que os torna imediatamente reconhecíveis: o Hofmeister kink, uma das assinaturas de estilo da marca junto da grade duplo-rim.

 

Estes dois elementos dos BMW são peças de resistência na linha evolutiva dos automóveis. Em tempos que o vento e a tecnologia dita as formas dos carros, é natural que as semelhanças ultrapassem o conceito de family face e tornem até mesmo carros de marcas rivais muito parecidos entre si. Pense nos Fórmula 1, por exemplo, apesar do regulamento acentuar a semelhança, o propósito do design os torna muito parecidos, praticamente sem variações mesmo onde o regulamento permite.

E este pode ser apenas o começo do fim dos carros como conhecemos e aprendemos a gostar. A eletrificação e a tendência a transformar os automóveis em “pods” autônomos que serão apenas compartilhados e não mais possuídos, irá acentuar esta semelhança da mesma forma que ônibus, aviões e trens são todos muito parecidos. Sem propriedade, não há mais a necessidade de priorizar fatores emocionais como o design. Uma empresa aérea não compra um avião porque ele é bom e também bonito. A decisão é puramente racional: você escolhe o avião mais adequado à sua função. A menos que a função do avião seja parecer bonito, a beleza fica em segundo plano.

United_Airlines_Airbus_A320_and_Boeing_737-800_on_final_approach_at_San_Francisco

Boeing vs. Airbus

Sem a estética como elemento de diferenciação, como argumento de venda, os produtos serão praticamente idênticos. Como ônibus, trens e aviões. E não faz sentido um mercado com 75 marcas fabricando a mesma coisa — o que significa que, caso dê certo este futuro distópico no qual os carros são robôs de transporte individual, boa parte das fabricantes deixará a vida para entrar na história.

Essa questão foi levantada pelo presidente da Aston Martin, Andy Palmer, nesta última quarta-feira (6) durante o Salão de Turim, ao dizer que a indústria precisa encontrar um modelo diferente de negócios (diferente do qual está se direcionando para o futuro), e que a beleza ainda é importante para os consumidores, que ainda procuram emoção em seus carros.

 

E isso me traz ao verdadeiro motivo deste post: onde estão os carros cheios de personalidade como os antigos — e excêntricos — Citroën?

A marca francesa é, na minha modesta opinião, o exemplo mais emblemático desta padronização dos carros. Ao longo dos anos a Citroën mudou sua imagem de uma marca envolta em mitos e que fazia seus carros ao seu modo para uma fabricante de versões francesas de carros alemães — o que, ironicamente, poderá se tornar verdade agora que a Opel faz parte do grupo PSA.

Quando o mundo inteiro fabricava carros de tração traseira com carroceria sobre chassi, a Citroën veio e sacou um carro feito em monobloco e com o câmbio ligado às rodas dianteiras. Era tão diferente do resto do mundo que foi batizado de “Tração Dianteira”. Nessa mesma época a fabricante usava um arranjo quase bizarro de suspensão com molas longitudinais e braços arrastados/empurrados que dava aos seus carros uma estabilidade acima da média. Era tão bom que deu origem ao mito de que Citroëns são incapotáveis e que a fábrica daria um novo de presente a quem, por acaso, conseguisse o feito de capotar um de seus carros.

QWr0aHH

Depois veio o DS e a Citroën achou que molas e amortecedores eram muito banais, e inventou uma suspensão hidropneumática que combinava conforto extremo com sua já conhecida estabilidade. Dava até mesmo para andar com três rodas, como o presidente da França acabou descobrindo sem querer.

Mas foi na geração seguinte que a Citroën enlouqueceu de vez e começou a colocar nas lojas o que normalmente chamaríamos de carros conceito. O primeiro deles foi o GS. Lançado em 1970 para competir com o Fiat 128 (que não é exatamente o carro mais italiano do mundo, em termos de estilo), o Ford Escort Mk1, o Renault 6 e o Opel Kadett (o nosso Chevette tubarão), o GS trazia soluções de design e mecânica inéditas para sua categoria em sua época.

imagegallery-49317-58c91a151737e

 

GS-quarry-1920

Veja por exemplo os faróis poligonais. Eles são uma tendência atual, nascida após a era das curvas suaves, do tipo que você encontra nos Audi, Hyundai e Honda. A traseira Kamm demonstra uma preocupação com a aerodinâmica em uma época na qual o automobilismo estava apenas começando a adotar as asas como padrão. E ele ainda tinha a clássica suspensão hidráulica ajustável da Citroën e freios a disco nas quatro rodas. Olhe para este carro e pense no Chevette. Era isso o que você faria na hora de escolher um carro novo na França de 1974.

2d0f166058e55e38469ff5264625dcae

Por dentro ele era ainda mais avançado: não havia um único instrumento convencional no carro. O conta giros tinha forma de paralelogramo com cantos arredondados, o velocímetro exibia a velocidade em um cilindro que girava em seu eixo por trás de uma lente que ampliava os números. O volante tinha um único raio e seu cubo ficava escondido dentro do painel, enquanto o tambor de ignição se encaixava sob a coluna de direção. Onde normalmente encontramos o contato da ignição, no GS havia um… acendedor de cigarros!

citroen-gs-interior-1024x768

Por alguma razão a Citroën achou que seria uma boa ideia trocar o rádio de lugar com o freio de mão e, como disse Anísio Campos certa vez, os franceses fazem o que bem entendem e não dão explicação para ninguém. Pois bem… eles fizeram e o GS tem o freio de mão no painel: aquela barra à direita do velocímetro é uma alça que aciona o freio de mão ao ser puxada. E como ele ocupou o lugar do rádio, nada mais lógico que colocar o rádio no lugar do freio de mão. Repare bem imagem e você verá que nem mesmo as maçanetas escaparam da criatividade dos estilistas da Citroën na época.

FlatOut 2018-06-07 às 19.30.57

Naquele mesmo ano a Citroën lançou seu primeiro — e até hoje único — grã-turismo: o Citroën SM. O carro também tinha aquele visual de conceito que foi direto para a linha de produção. Sua dianteira integrava os faróis com uma cobertura plástica onde normalmente haveria uma grade para o radiador. Ali ficava a placa de registro do carro. As janelas laterais também eram poligonais como os faróis do GS, ele também tinha uma traseira Kamm nada sutil para lidar melhor com o vento, e suas rodas traseiras ficavam ainda mais cobertas que as do DS e GS.

1972-citroen-sm-1476934356498-1000x667 citroen-sm_key_17

Por dentro ele não era tão excêntrico, mas também se diferenciava dos carros da época. Os instrumentos são elípticos em vez de circulares, o volante tem um só raio como os demais Citroën e seu trambulador não tem uma coifa, mas uma cobertura metálica que jamais voltou a ser usada em outro carro.

FlatOut 2018-06-08 às 02.36.16

Mas bizarro mesmo era seu pedal de freio. Ou melhor: o acionamento do freio, que não usava um pedal, mas um botão que, dependendo da força aplicada sobre ele, variava a quantidade de fluido deslocado para as pinças. Soa estranho, mas o foie gras e o acento circunflexo na letra i (î) estão aí para mostrar que os franceses não estão nem aí para o que os outros pensam mesmo.

346611-1000-0

Depois do SM a Citröen finalmente substituiu o DS após duas décadas de estrada. E ele era bem mais conceitual que o GS e o SM. Na verdade, o lado de fora era praticamente uma versão 125% do GS…

autowp.ru_citroen_cx_pallas_11

Mas por dentro, o quadro de instrumentos destacado dava um ar futurista, reforçado pelos “pods” que substituíram as tradicionais hastes na coluna de direção e pela superfície limpa na parte superior do painel e nos paineis das portas.

cx_out_0_0

O quadro de instrumentos também usava mostradores com cilindros expostos por trás de uma lente, mas aqui para o velocímetro e o conta-giros. Como no GS, a Citroën achou que encher o painel de coisas não ficaria muito legal, e por isso deslocou os comandos da ventilação no console central (na verdade os comandos no console mantêm limpo o visual do painel). Uma simples maçaneta para abrir as portas também seria convencional demais, então eles usaram uma alavanca tipo gatilho.

_02w8530

O encosto de cabeça também não poderia ser convencional: o ajuste é feito com almofadas destacadas e presas por botões de pressão.

1974-citroen-cx-2200-super-interior-seats

 

Em 1978 veio o Citroën Visa, que entendeu melhor que muitos o design dos anos 1980 e foi às ruas desse jeito:

autowp.ru_citroen_visa_11

Confuso sobre o quadro de instrumentos e os comandos dos faróis, setas, limpador do para-brisa e afins? Veja mais de perto:

cd509adf3d2bb699210dfd071244be29

Nunca é muito prudente passar o braço por dentro do volante, mas a Citroën não deu a mínima para isso e encheu o acabamento do cubo do volante de botões indecifráveis. O cilindro esquisito à esquerda controla faróis, piscas e a velocidade do limpador do para-brisa. O “dock” no lado direito tem os controles da ventilação. E você achando que os pods da primeira geração do Uno é que eram estilosos.

Este arranjo de comandos no cilindro foi repetido mais tarde na atualização do GS para os anos 1980 em dose dupla:

citroen-gsa_3770_4

O “pod” cilíndrico da direita concentra as luzes auxiliares e os comandos do desembaçador traseiro e lavador dos vidros. Mas a melhor parte é o sistema de check control com o diagrama do carro ligado às luzes para identificar onde está o problema.

57095174

Quando o GS saiu de linha foi a vez do BX assumir seu lugar. O visual de conceito novamente predominava o estilo externo, bem como o tradicional para-lama cobrindo parte da roda traseira, em uma releitura oitentista do visual clássico dos Citroën.

1468332451452

O interior também recebeu uma releitura de estilo, com novos pods e um quadro de instrumentos que pareciam ter saído da mesma fábrica (e usado o mesmo plástico) dos computadores MSX da época — especialmente na versão de dois tons (aqui mostrada com o painel analógico).

7d48a5d926ef324619bae9c83ea8560e 1985 Citroen BX 19 GT Interior 2-19128583452_8a23c044ec_z

No final dos anos 1980, quando o BX foi reestilizado para sobreviver à virada da década, a Citroën ainda lançou o XM, sucessor do CX que, novamente, tinha uma releitura moderna do visual clássico da Citroën, porém com um interior mais sóbrio, combinando linhas retas e elegantes ao cockpit futurista, mas somente na primeira fase do modelo.

citroen_xm_16 citroen-xm-interior-1

Ao ser reestilizado, o XM (e o BX) ganhou um volante de quatro raios e um quadro de instrumentos e painel mais tradicionais. Foi o começo do fim da loucura estética da Citroën, cada vez mais diluída e substituída por elementos convencionais que soam como uma releitura francesa do design germânico. Deu certo com os croissants, mas não com os Citroën.

Matérias relacionadas

Jeep J8 será produzido no Brasil, um SUV Xiaomi, Ayrton Senna oficialmente herói nacional e mais!

Renault Sandero RS lançado no Brasil, Senado Federal renova frota, Audi R8 LMS à venda, o desenvolvimento do Alfa Giulia e mais!

Leonardo Contesini

Um Mercedes-Benz C320 W203 pouco rodado, uma Chevrolet A-10 cabine dupla, um SUV Porsche com motor V8 e mais no GT40

Dalmo Hernandes